sexta-feira, 10 de maio de 2019

TJ-PR aceita duas novas denúncias contra a médica Virgínia por mortes na UTI do Evangélico

A Primeira Câmara do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ) aceitou nesta quinta-feira (9), duas novas denúncias do Ministério Público do Paraná (MP-PR) contra a médica Virgínia Soares de Souza por homicídio qualificado.

As denúncias são em relação a morte de duas pacientes, que faleceram em 2012 na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Evangélico: uma mulher de 35 anos, que havia feito uma cesariana, e uma adolescente de 16 anos, com queimaduras. Na época, Virginia era chefe da UTI do hospital. Essas denúncias haviam sido rejeitadas pela 2ª Vara do Tribunal do Júri do Foro Central da Comarca da Região Metropolitana de Curitiba por falta de provas, mas, após o MP-PR recorrer, elas foram acatadas.

Em 2013, a médica Virginia Soares já havia sido denunciada, mas foi absolvida da acusação de antecipar a morte de pacientes na UTI Evangélico. Sobre estes casos, o MP-PR recorreu e ainda não há decisão em segunda instância. As duas mortes da denúncia acatada pelo TJ-PR nesta quinta não têm relação com a primeira denúncia de 2013.

Defesa

Em nota, os advogados Elias Mattar Assad e Louise Mattar Assad, que defendem a médica, dizem que Virginia é inocente e entrará com recurso no Superior Tribunal de Justiça e Superior Tribunal Federal:

“A defesa informa que interporá recurso para o STJ e STF e, caso se iniciem novas ações penais, ficará novamente provado que a acusada apenas praticou atos típicos de medicina intensiva, previstos em protocolos e literatura médica”.

Fonte: Banda B

Nenhum comentário:

Postar um comentário