terça-feira, 1 de março de 2016

Presidentes de associações comerciais do interior protestaram na Assembleia Legislativa contra um projeto de Luiz Cláudio Romanelli.

Presidente da Faciap, Guido Bresolin Junior
Foto: Guilherme Artigas.

A audiência pública para discutir o projeto de lei do deputado estadual Luiz Cláudio Romanelli, do PMDB, que muda a forma de registrar consumidores inadimplentes no SPC, lotou o Plenarinho da Assembleia nesta terça-feira. Para os comerciantes, o projeto de lei vai prejudicar pequenos e médios empresários de todo o Paraná. Por este motivo, cerca de 250 comerciantes e presidentes de associações comerciais, ligados à FACIAP, Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná, se mobilizaram para pedir o arquivamento do projeto.

O presidente da FACIAP, Guido Bresolin Junior, disse que todas as regiões do estado estavam representadas nesta audiência. “A mobilização foi muito significativa. Tivemos os principais líderes do associativismo presentes na Assembleia, uma demonstração clara da força e da livre iniciativa paranaense”, afirmou o presidente.

Segundo o deputado estadual Requião Filho (PMDB), presidente da Comissão de Direito do Consumidor da Assembleia Legislativa, a audiência pública desta terça deixou claro que o projeto precisa ser revisto. “Da forma como está, o texto tem poucas chances, ou nenhuma, de passar em plenário. O projeto precisa ser reestudado para encontrarmos uma solução que não prejudique o comércio e traga benefícios ao bom pagador”, afirmou o deputado. Ainda de acordo com Requião Filho, o projeto tem a justificativa de defender o consumidor, mas é inviável porque traz prejuízos sérios: “Ao fim da cadeia, o projeto vai acabar aumentando o preço dos produtos e da taxa de juros daqueles que concedem créditos, trazendo, consequentemente, um prejuízo final ao consumidor”.

Para o deputado estadual Marcio Pauliki (PDT), presidente da Comissão de Indústria, Comércio, Emprego e Renda da Assembleia Legislativa, o projeto de lei vai aumentar ainda mais os custos dos empresários. “Hoje, eles arcam com ajustes fiscais e aumentos de impostos e ainda estão tentando se adaptar. Mais um custo desses, tornará a situação muito mais difícil”, diz o deputado. “Estamos pedindo a retirada do projeto para uma nova avaliação. Tenho certeza que, hoje, a proposta não passaria pela maioria dos deputados”.

Segundo o presidente da Associação Comercial de Maringá, Marco Tadeu Barbosa, a preocupação é com os micros e pequenos empresários, que representam 90% dos associados no estado. “O pequeno empresário vai ter mais custos para registrar os devedores. Considerando que a maioria das dívidas é de até 200 reais, o projeto de lei vai fazer o empresário gastar mais que 10% do valor da dívida para conseguir registrá-la. É um custo muito alto para os micro e pequenos que já estão estrangulados”, diz Marco Tadeu.

A gerente da Associação Comercial e Empresarial de Marechal Cândido Rondon, Ida Lorena Roehrs, concorda. Segundo ela, o grande empresário encontra alternativas para fazer essa cobrança e para administrar a inadimplência. “Já os pequenos, só tem as associações porque o SPC está dentro da possibilidade do orçamento dele, que é mais enxuto”.

Além disso, a população das cidades terá menos acesso a crédito. O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Sarandi, José Ricardo Pereira, avalia que, se o projeto virar lei, o empresário vai precisar se cercar de garantias que dificultarão a oferta de crédito. “Como o empresário vai vender sem a certeza de que vai receber? Por isso, o consumidor que quiser crédito vai receber uma lista de exigências. A consequência é um aumento da inadimplência e do desemprego, já que empresas menores devem fechar. Imagine o impacto disso em uma cidade pequena?”. 


O PROJETO

A lei, proposta por Luiz Cláudio Romanelli, também prevê que a empresa, para registrar um consumidor no serviço de proteção ao crédito, deve enviar antes, para ele, toda a documentação da dívida, comprovando a veracidade. Para a FACIAP isso é muito preocupante, porque vai quebrar o sigilo comercial entre empresas e consumidores, expondo as negociações a terceiros. 

MAIS DIFICULDADES PARA O VAREJO NO MEIO DA CRISE

Para a FACIAP, no varejo paranaense as consequências deste projeto vão ser desastrosas: Para se proteger contra a inadimplência, a concessão de crédito vai ser ainda mais reduzida, já que não haverá mais a informação de que esta venda a prazo poderá estar sendo feita para inadimplentes. Como resultado, as taxas de juros vão aumentar, e o prazo para o pagamento diminuirá. E sem crédito direto no comércio, o consumidor vai perder ainda mais: Ele vai ter que comprar no cartão de crédito, que tem as piores taxas de juros.

Para a Federação, a lei proposta pelo deputado Luiz Cláudio Romanelli, vai empurrar o paranaense justamente para o sistema de crédito mais caro, para quem já enfrenta grandes dificuldades, que é o cartão de crédito. E isso só vai beneficiar exatamente o sistema de altos juros dos cartões.

Fonte: FACIAP

Sanepar reajusta tarifa de água e esgoto em 10,48%

Novos valores entrarão em vigor em abril deste ano, segundo Diário Oficial.
Em julho de 2015, Beto Richa (PSDB) autorizou correção de 8% na tarifa.
Do G1 PR

A tarifa de água e esgoto do Paraná foi reajustada em 10,48%, conforme decreto publicado nesta terça-feira (1º) no Diário Oficial do governo estadual. O novo valor entra em vigor em abril deste ano.

O último reajuste efetuado pela Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) foi autorizado pelo governador Beto Richa (PSDB) em julho e passou a valer em setembro de 2015. Na ocasião, foi permitido o aumento e 8%.


Para a tarifa normal, aquelas cobradas pelo consumo em residências, o valor para 10 m³ será de R$ 62,73 para os moradores de Curitibae Região Metropolitana. Atualmente, o consumidor paga R$ 56,50.

Nas demais regiões do estado, onde a Sanepar opera, o valor da tarifa de água e esgoto será de R$ 60,73 para consumo até 10 m³. O mesmo valor é cobrado de micro e pequenos comércios.

A tarifa social, cobrada dos consumidores de baixa renda, para água e esgoto passa para R$ 13,29.

Para unidades de comércio, indústria e utilidade pública, a partir de abril, a tarifa completa será de R$ 109,19.

Muros caídos na creche e no cemitério foram assuntos na sessão da Câmara de Turvo.



Nessa segunda, 29 de fevereiro, durante a Sessão Ordinária da Câmara Municipal de Turvo, vários assuntos foram discutidos. Um deles foi sobre o muro da Cheche Municipal que caiu com as fortes chuvas no mês de outubro e até agora não foi reconstruído. As aulas recomeçam e segundo o que um vereador falou, em reunião realizada na Creche, foi dito para que os pais deverão ficar atentos com o celular ligado, para quando chover irem buscar os filhos imediatamente, visto que sem o muro irá alagar a creche.

Outro assunto discutido foi que o muro do Cemitério Municipal, que também caiu com as fores chuvas há um bom tempo e que também não foi reconstruído e que está virando um "potreiro".

Também foi votando um pedido de urgência referente a um Projeto de Lei, que dispõe sobre aplicação de multa em residências que forem identificados algum tipo de criadouro de larva do Aedes aegypti. Por unanimidade foi rejeitado o pedido de urgência.

Ouça nos áudios abaixo tudo o que discutido durante a sessão:








Tedy desaparece em Turvo, dono oferece recompensa pra quem o encontrar.




O cãozinho Tedy desapareceu ontem à noite do Hotel Recanto dos Pinheirais, é branco, pequeno e peludo, se chama Tedy e é bem manso.

Telefone para contato 42 36421241 ou 42 98540732 recompensa em dinheiro para quem encontrá-lo.



Projeto Missão Palavra e Pão tem início hoje em todo o Paraná.

Além de arrecadar recursos para as vinte mil bíblias que serão usadas na catequese da Guiné Bissau, o projeto visa deixar um legado de evangelização e partilha.

Tem início hoje, 01 de março, em todas as Dioceses do Regional Sul 2 da CNBB, o projeto Missão Palavra e Pão que inicialmente, visa arrecadar vinte mil bíblias para a catequese da Guiné Bissau.

A ação que é considerada uma das mais ousada da Igreja Católica do Paraná, envolve, principalmente, milhares de catequistas e catequizandos de todo o Estado, disseminando a ideia para além das comunidades, de uma forma que abranja toda a população.

A Guiné Bissau, que é um dos países mais pobres do mundo, aonde sequer a energia elétrica chegou, abriga diversas missões de evangelização.

O Regional Sul 2 da CNBB mantém uma missão na Diocese de Bafatá, na cidade de Quebo e as vinte mil bíblias, traduzidas para a linguagem daquela região servirão como base de apoio para os trabalhos de evangelização.

O pedido das bíblias para a catequese daquele país foi feito pelo Bispo brasileiro que trabalha na Diocese de Bafatá, Dom Carlos Pedro Zilli ainda em 2014.

Mesmo tendo a língua portuguesa como idioma oficial, a população da Guiné Bissau fala vários dialetos. A bíblia será vertida, inicialmente, para o Crioulo, um dialeto falado por muitos daquele país, e que tem como raiz a língua portuguesa. Além da tradução, segundo os missionários, será preciso muitas adequações para que os textos se tornem compreensíveis para as pessoas que em sua maioria, não são de origem cristã.

A ação para arrecadar fundos para as vinte mil bíblias é considerada uma das mais ousadas por envolver toda a comunidade através dos meios de comunicação, com foco nas redes sociais.

Os principais agentes disseminadores deste projeto, segundo Padre Mário Spaki, Secretário Executivo do Regional Sul 2, serão os catequistas e os catequizandos.

Cada catequizando receberá um folder de seu catequista contendo muitas informações sobre a Missão na Guiné Bissau. O material será preenchido com seu nome, endereço e outros dados que o identifique. Munido deste material, o catequizando falará da campanha para seus familiares e amigos e pedirá a colaboração no valor de um real ou mais para dez destas pessoas. Cada contribuinte concorrerá a prêmios simbólicos que fazem parte da campanha como terços, por exemplo, que serão sorteados em dezembro deste ano.

Com o dinheiro em mãos, o catequizando fará o caminho inverso, de modo que os valores cheguem ao local de onde partiram os materiais, ou seja, ao Regional Sul 2 da CNBB.

Em uma entrevista concedida ao Centro Diocesano de Comunicação (DCD), Padre Mário destacou que é no trajeto desde que o material sai do Regional Sul 2 e retorna, posteriormente, que ficam os sinais da evangelização em si. “Pedir dinheiro para as vinte mil bíblias seria muito fácil e com certeza, arrecadaríamos os valores rapidamente. Uma pessoa, uma empresa seria capaz de faze isto. Mas não é esta a missão. Nosso propósito é a evangelização. São nestes pequenos passos, envolvendo cada vez mais pessoas que está o verdadeiro sentido dos trabalhos voltados para a catequese da Guiné Bissau. A partir disso, desta consciência evangelizadora, temos certeza de que muito mais coisas faremos para aquele país tão carente de toda ajuda”, explicou Padre Mário.

Os missionários do Regional Sul 2 em Quebo, enfrentam muitas dificuldades, segundo destacam. O país, que teve sua independência declarada em 1973, ainda não possui sequer energia elétrica e até agora nenhum presidente conseguiu concluir seu mandato devido a conflitos internos. A maioria na Guiné Bissau é de religião Muçulmana e os Cristãos ainda não têm muitos espaços para orações e evangelização.

Além da casa para os missionários que está em fase construção naquele local, também se pretende construir para aquela população uma igreja, uma escola e um pequeno hospital, uma vez que a saúde é fator preocupante no país.

A Ação para a aquisição das vinte mil bíblias foi lançada oficialmente no dia 26 de setembro de 2015, durante a 36ª Assembleia do Povo de Deus, que aconteceu em Curitiba. Durante a explanação do projeto, na ocasião, o Padre Mário Spaki, Secretário Executivo do Regional Sul 2, explicou que a Ação tem o objetivo de movimentar toda a Igreja do Paraná e em especial as crianças envolvidas na catequese. “O interessado em participar da Ação recebe um folder e convida 10 pessoas, que podem ser os pais, tios, padrinhos, avós, amigos e pede para cada um doar um real, ou mais, e assim, reunir o valor necessário. Neste folder será anotado num espaço próprio, o nome e o valor oferecido de quem ajudou”, detalhou Padre Mário.

Durante o lançamento, Padre Spaki também adiantou a campanha se utilizará de diversos canais de comunicação, convencionais ou não para que os reais objetivos sejam alcançados.

Acreditando no potencial disseminador da internet, Spaki explicou que redes sociais e aplicativos tais como Facebook, WhatsApp, Instagram, sites, blogs e também a possibilidade de obter dados sobre a Missão na África através do QR Code disponível nos aparelhos de celular, são pontos marcantes de divulgação do projeto que, segundo destaca não mais será apenas para se conseguir apenas as vinte mil bíblias, mas sim, dará condição e recursos para realizar as outras obras de evangelização na Guiné Bissau, que são vitais para a subsistência daquele povo. “A ideia é que, a partir do momento em que este folder saia do Regional (Sul 2), chegue às Paróquias, passe pelo pároco, pelos dirigentes de grupos, chegando aos catequistas que, por sua vez, entregarão o material aos catequizandos para que estes peçam a ajuda aos familiares, fique um belo rastro de evangelização no caminho. A beleza do trabalho em si está neste trajeto que será amplamente divulgado pelas redes sociais. Aí, não teremos somente as vinte mil bíblias, mas sim, um trabalho de construção e de muito amor para com nossos irmãos da Guiné Bissau”, destacou o Sacerdote.

Desde o mês de janeiro deste ano, houve orientações nas Paróquias e Comunidades sobre a movimentação deste projeto. Os catequistas e os catequizandos serão os principais elos entre o Brasil e a Guiné Bissau, segundo destaca Spaki.

O Bispo Diocesano de Guarapuava, Dom Antônio Wagner da Silva, em conversa com Padre Mário, ressaltou que a Diocese é parceira nos projetos de evangelização da Guiné Bissau. Ele destacou o Documento de Aparecida e o incentivo do Papa Francisco por uma Igreja em Saída, como pontos fundamentais que devem ser seguidos.



Serra Catarinense registra a primeira geada de 2016.



A Serra Catarinense registrou na madrugada desta última segunda-feira (29) a primeira geada de 2016 que cintilou de branco algumas partes bem isoladas nos campos de baixadas da serra, tanto de Urupema quanto de São Joaquim.

De acordo com o Climaterra a as temperaturas em São Joaquim chegaram na casa do 5.8ºC na própria estação e a menor temperatura foi registrada em Urupema com 1.5ºC.

De acordo com os meteorologistas e especialistas da área, o outono da 2016 chegou mais cedo e deverá ser mais frio que os dos anos anteriores 2014 e 2015 e pode ficar ainda mais frio em relação ao inverno normal.

Ainda de acordo com os modelos climáticos indicam é que o mês de março deverá ficar abaixo da média na temperatura acima da média na chuva. Ou seja, o frio voltando com um ar gelado aconchegante na Serra Catarinense.

A imagem da geada foi captada no Caminhos da Neve ao sul de São Joaquim.

Imagens: Mycchel Hudsonn Legnaghi /Agência São Joaquim Online

Receita começa a receber declarações do IR 2016 nesta terça (1º)



O prazo para entrega da Declaração do Imposto de Renda Pessoas Física 2016 (IRPF) começa na terça-feira (1º). As fontes pagadoras estão obrigadas a entregar o comprovante de rendimento aos trabalhadores até esta segunda-feira (29). O programa gerador da declaração para ser usado no computador foi liberado no site da Receita Federal no dia 25. A data limite para entrega das declarações é 29 de abril.

Entre os que devem declarar, estão os contribuintes, pessoas físicas, que receberam em 2015 acima de R$ 28.123,91 em rendimentos tributáveis. Também deve declarar o IRPF quem recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados, exclusivamente na fonte acima de R$ 40 mil em 2015; quem obteve, em qualquer mês do ano passado, ganho de capital na venda de bens ou fez operações no mercado de ações; quem tem patrimônio individual acima de R$ 300 mil; e proprietários rurais que obtiveram receita bruta acima de R$ 140.619,55.

Quem perder o prazo está sujeito à multa de 1% do imposto devido por mês de atraso ou de R$ 165,74, prevalecendo o maior valor. A multa máxima equivale a 20%.

Na terça-feira, a Receita envia o aplicativo do imposto de renda para dispositivos móveis (tablets e smartphones) na versão Android para a Google Play, loja virtual da empresa. De acordo com a Receita, a versão iOS já foi enviada para Apple e aguarda autorização da empresa.

A previsão é que ela esteja disponível nos primeiros dias de março. A versão online da declaração, que estará disponível no Centro Virtual de Atendimento (eCAC) para usuários com certificado digital, é prevista também a ser disponibilizada no começo do mês.

Cerca de 28,5 milhões de contribuintes deverão enviar à Receita Federal a declaração do Imposto de Renda Pessoa Física em 2016. A estimativa é do supervisor nacional do Imposto de Renda, Joaquim Adir. O número representa crescimento de 2,1% em relação aos 27,9 milhões de documentos entregues no ano passado.

Fonte: www.correiodocidadao.com.br