terça-feira, 27 de abril de 2021

Paraná confirma em laboratório primeiro caso de paciente com Covid-19 e Dengue


A Secretaria de Estado da Saúde confirmou por meio de exames de biologia molecular realizados pelo Laboratório Central do Paraná (Lacen-PR) e Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP) o primeiro caso de paciente com Covid-19 e dengue ao mesmo tempo. Os exames confirmaram co-detecção pelos vírus Sars-CoV-2 (Covid-19) e Denv-2 (dengue sorotipo 2).

A co-detecção foi confirmada em paciente do sexo masculino, de 31 anos, residente no município de Ortigueira, área da 21ª Regional de Saúde, de Telêmaco Borba. O paciente foi internado para o tratamento da Covid-19, mas concomitantemente foi realizada coleta de amostra para exame da dengue, que também positivou, porém sem sintomas de agravamento, para a segunda doença. O homem já teve alta hospitalar e está bem.

O caso foi detectado pela Unidade Sentinela Arboviroses, localizada em Ortigueira, e a confirmação aconteceu por meio de exames RT-PCR, considerado método “padrão ouro” para avaliação das duas doenças. Esse método identifica o material genético com alta sensibilidade e especificidades de análise.

“Destacamos a importância do trabalho das 60 Unidades Sentinelas implantadas estrategicamente pela Secretaria da Saúde em todas as regiões do Estado para vigilância e detecção das arboviroses como dengue, zika, chikungunya e febre amarela”, disse o secretário Beto Preto.

Segundo ele, estas unidades realizam cerca de 300 coletas semanais com exames PCR e, assim, conseguem identificar a circulação viral em cada região. Por isso as unidades são chamadas de sentinelas.

"Diante desta confirmação, reforçamos mais uma vez a necessidade de intensificar os cuidados de prevenção da Covid-19 evitando aglomeração, usando de máscara e higienizando as mãos com água e sabão ou usando de álcool gel 70%, e também os cuidados de prevenção da dengue, com a eliminação pontos que possam acumular água parada nos domicílios”, destacou Beto Preto. “Estes pontos podem se transformar em criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor da doença”.

O médico da Vigilância Ambiental da Secretaria da Saúde Enéas Cordeiro de Souza Filho explicou que neste primeiro caso de co-detecção o paciente chegou a ser internado e agora está em recuperação. “Nosso alerta é para que a população não baixe a guarda, tanto com a Covid-19 como com a dengue, intensificando os cuidados de prevenção, pois uma co-infecção pode trazer graves complicações para a saúde”, afirmou.

Fonte: AEN

Flagrantes de excesso de velocidade passam de 110 mil; casos aumentaram 345% em 2021


As equipes do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv) registraram aumento de 345% nos flagrantes de excesso de velocidade nas rodovias nos primeiros meses deste ano em relação ao começo de 2020. O levantamento aponta que de 1º de janeiro até o dia 26 de abril de 2021 foram feitas 110.654 imagens de radar com imprudências em todo o Estado, mais do que o quádruplo se comparado com o mesmo período de 2020, com 24.860 casos.

Somente neste mês de abril mais de 25 mil veículos foram flagrados em excesso de velocidade nas rodovias de abrangência do Batalhão de Polícia Rodoviária no Estado, número superior ao recorte de todo o primeiro trimestre do ano passado.

Neste fim de semana, somente nos postos rodoviários do Noroeste, cerca de 200 veículos foram flagrados em excesso de velocidade, sendo que dois deles chamaram a atenção dos policiais militares rodoviários na PR-317, no trecho entre Floresta e Engenheiro Beltrão. A fiscalização flagrou um carro com velocidade de 157 Km/h e outro a 212 Km/h.

Para combater esses abusos, as equipes estão ativas com fiscalizações intensas para inibir o excesso de velocidade em toda a malha rodoviária estadual. O Batalhão tem aplicado os efetivos com radares móveis em pontos estratégicos e em dias e horários específicos para atenuar o comportamento dos motoristas.

Os números também são um alerta importante que será ampliado pela unidade durante a campanha educativa Maio Amarelo, que inicia na próxima semana.

“Neste ano a unidade está fazendo um intenso trabalho de aplicação operacional e combate ao excesso de velocidade nas rodovias com operações e maior presença nas estradas. Nós entendemos que essa infração é o grande inimigo a ser combatido, pois é fator causador da maioria dos acidentes, das lesões corporais nas pessoas e o elevado número de mortes”, disse o comandante do BPRv, tenente-coronel Wellenton Joserli Selmer.

O porta-voz da unidade, tenente Sidnei Hudach, explica que, além da intensificação do trabalho ostensivo, o BPRv também promove ações educativas para demonstrar aos motoristas os perigos de dirigir em velocidades acima do permitido.

“Estamos sempre buscando prevenir por meio da educação. Com a chegada da campanha Maio Amarelo vamos reforçar os trabalhos com foco no tema respeito e responsabilidade, características muitas vezes ausentes no comportamento de pessoas que cometem irregularidades no trânsito e colocam em risco a própria vida e a de outros”, explicou.


Mais 13 casos de Covid-19 são registrados em Turvo

 


Paraná se aproxima de 1 milhão de vacinados com as duas doses contra a Covid-19


O Paraná ultrapassou 900 mil pessoas que receberam as duas doses da vacina contra a Covid-19 e se aproxima do marco de 1 milhão de cidadãos completamente imunizados. Na noite desta terça-feira (27), o número dos duplamente vacinados havia chegado a 903.343 pessoas, o que corresponde a 54,45% dos que já receberam a primeira dose (1.658.736 pessoas).

O número de segundas doses aplicadas corresponde a 8,65% da população total do Estado, enquanto o número de primeiras doses representa 15,88%. Segundo o ranking de vacinação da Secretaria Estadual de Saúde, os municípios com maior percentual de população vacinada com ambas as doses são Nova Laranjeiras (18,54%), Tamarana (17,11%), São Jorge D’Oeste (17,04%), Rio Bom (15,99%) e Flórida (15,22%).

“A segunda dose é estratégica. Reforço que é tão importante quanto a primeira para garantir a proteção dos paranaenses contra o vírus e, por isso, é necessário tomar esse reforço na data correta”, afirma o secretário estadual da Saúde, Beto Preto.

“Também insisto com os prefeitos e secretários municipais de saúde para que possamos ter o controle dessa aplicação na ponta do lápis. É esse controle que vai garantir a imunização completa da população, potencializando a eficácia das vacinas”, destacou o secretário.

Parte da diferença no número entre D1 e D2 aplicadas se dá pelo intervalo de tempo entre doses recomendado pelas fabricantes. A CoronaVac, fabricada pela Sinovac e Instituto Butantan, requer 21 dias de intervalo; e a Covishield, da Universidade de Oxford/Astrazeneca/Fiocruz, três meses.

No entanto, a evasão da segunda dose também é um problema verificado pelos municípios. No último levantamento do Ministério da Saúde, 1,5 milhão de brasileiros que receberam a primeira dose não voltaram para o reforço na data correta. Segundo a secretaria etadual de Saúde, no Paraná este número está na faixa de 10% dos que receberam a D1.

Esse não comparecimento pode prejudicar a imunização da população como um todo, uma vez que as fabricantes garantem seu percentual de eficácia apenas com o ciclo completo da vacinação. “Pedimos a todos que marquem corretamente o retorno da segunda dose. Existem pessoas que não procuraram as unidades de saúde para a segunda dose, e é importante que isso não aconteça para que, ali na frente, a gente possa ter resultados mais favoráveis”, reforça o secretário Beto Preto.

FASE ATUAL - Com a última remessa de imunizantes recebida pelo Paraná, os municípios continuam na vacinação de pessoas a partir de 60 anos e nos profissionais de forças de segurança pública e salvamento e das Forças Armadas. O 14º lote enviado pelo Ministério da Saúde foi composto de 166 mil doses da Covishield e 39.130 da Coronavac. No total, foram 149.459 primeiras doses (72% do total) e 35.149 segundas doses, além da reserva técnica indicada pelo Ministério.

Com as 1.658.736 primeiras doses já aplicadas, o Paraná contemplou 35,79% da população do Plano Estadual de Vacinação.

EM MENOS DE 24H POLICIAIS MILITARES DO 16º BPM LOGRAM ÊXITO EM QUATRO SITUAÇÕES DE TRÁFICO DE DROGAS

O combate ao tráfico de drogas não para no 16º BPM. Nas últimas 24h quatro situações de apreensões de drogas, 3 pessoas presas, 1 apreendida, somando mais de 1kg de maconha, 110g de cocaína, 16g de crack e 20 unidades de LSD, além de materiais para embalar os entorpecentes e celulares.

A primeira ocorrência iniciou por volta das 11h30min, onde em patrulhamento pelo bairro São Cristóvão, a equipe policial visualizou um indivíduo que ao perceber a viatura policial, rapidamente se virou e saiu andando em direção a um mercado, na tentativa de se evadir. Realizada a abordagem e identificado o rapaz, 16 anos, sendo que em busca pessoal foi localizado em seu bolso certa de substância análoga a maconha. Deslocado até sua residência, foi localizado 34g de maconha, além de uma balança de precisão. O adolescente foi apreendido e encaminhado juntamente com sua genitora.


Durante a tarde, às 16h30min, após levantamento de informações de que uma mulher estaria realizando o tráfico de cocaína foram realizadas diligências até que a residência foi identificada, onde havia um senhor de 70 anos em frente ao portão. Após ser indagado confirmou o nome de sua filha, momento em que tomou conhecimento das informações em desfavor de sua filha, o pai imediatamente solicitou que a equipe entrasse em sua residência e procurasse por entorpecentes, pois ele não concordava com ilegalidades. No interior da casa foi localizada a possível autora em seu quarto. Em buscas, foram localizadas 23 buchas de cocaína embaladas e prontas para venda, além de diversos invólucros plástico da mesma substância ainda não fracionada, totalizando 104 gramas. Foram localizados também 20 "pontos" de LSD, uma balança de precisão e R$ 411,00 em notas diversas. Também em cima da mesa, estavam dois cadernos com anotações relativas às vendas dos entorpecentes, além de diversas embalagens plásticas, utilizadas para organizar e separar a droga.


E às 17h30min policiais militares realizaram a abordagem de uma pessoa em atitude suspeita que ao visualizar a equipe demonstrou nervosismo. Durante busca pessoal no abordado foi encontrado uma embalagem metálica contendo, oito porções fracionadas embaladas de substância análoga a maconha, totalizando 45 (quarenta e cinco gramas), e certa quantia em dinheiro.

Por último, já na parte da noite, por volta das 22h30min policiais militares realizaram a abordagem de uma motocicleta Honda CG 150, e durante busca pessoal no passageiro foi localizado no bolso da calça 48 (quarenta e oito pedras de substância análoga a crack) fracionadas embaladas em papel alumínio, característico de tráfico de drogas ilícitas, totalizando 6,2 (seis vírgula duas gramas) em outro bolso da calça R$ 156,25 (cento e cinquenta e seis reais e vinte e cinco centavos) e uma aparelho celular. Em busca pessoal no condutor nada de ilícito localizado, sendo liberado no local. Deslocado até a residência do primeiro abordado, em buscas foram localizados dois tabletes de substância análoga a maconha que pesou 935 (novecentos e trinta e cinco gramas) mais um invólucro de alumínio contendo substância análoga a crack que pesou 16,9 (dezesseis vírgula nove gramas), um rolo de papel filme e um rolo de papel alumínio, além de uma balança de precisão.

Guarapuava, 27 de abril de 2021.
Disque denúncia: 181

POLÍCIA MILITAR DO PARANÁ
“Sua Proteção é nosso o compromisso“

Termina nesta quarta-feira prazo para lances no leilão de veículos da PM



Termina nesta quarta-feira (28), às 9 horas, o prazo para formalização de lances no leilão de 98 veículos da Polícia Militar do Paraná. Os veículos se tornaram inservíveis para uso policial nas ruas, mas são úteis para uso no cotidiano, fora da atividade.

Eles estão em pátios de quartéis de cidades do Oeste do Estado e em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. O dinheiro arrecadado nesse leilão servirá para reequipar a frota da Polícia Militar.

Toda a negociação ocorre virtualmente pelo site do leiloeiro . Os compradores precisam formalizar um cadastro com dados pessoais neste site para efetivar os lances. Com os outros 99 veículos já leiloados até esta terça-feira (27), a PM coloca à venda, nestes dois lotes, 197 automóveis, motocicletas, ônibus e pequenos caminhões.

O leilão é uma cooperação técnica entre a Secretaria da Segurança Pública, a Polícia Militar e o Departamento de Trânsito do Paraná (Detran). Todo o processo foi elaborado atendendo aos requisitos de viabilidade técnica, financeira, orçamentaria e jurídica, para dar o devido destino aos bens do Estado.

O principal objetivo é desonerar a PMPR de gastos excessivos com manutenção de veículos antigos, além de liberar espaço nos pátios de unidades da corporação para evitar proliferação de insetos e ratos e, consequentemente, focos de dengue e outras doenças.

Segundo o chefe do Centro de Motomecanização da Polícia Militar, capitão Ismael Veiga, a meta é leiloar todos os veículos com mais de 10 anos de uso em um curto espaço de tempo. “Vamos otimizar a frota da PM através do descarte e leilão dos inservíveis, sucatas e veículos mais antigos e, posteriormente, adequar o número de viaturas à Corporação”, disse ele. O objetivo, explicou, é gerar menor custo possível ao contribuinte e utilizar as viaturas de forma eficiente.

O planejamento é de que todos os Comandos Regionais da PM e unidades especializadas sejam abrangidos por esta medida até o final de 2021, somando aproximadamente 1.800 viaturas retiradas dos pátios da Polícia Militar em todo o Etado. "Neste primeiro leilão, com dois lotes, são 197 viaturas leiloadas e temos a expectativa de, no próximo mês de maio, atender o Batalhão de Polícia de Fronteira e as unidades do Noroeste paranaense”, destacou o capitão.

LEILÃO - Os veículos estão nos pátios das unidades do 14º Batalhão (Foz do Iguaçu), 6º Batalhão (Cascavel), 3º Batalhão (Pato Branco), 21º Batalhão (Francisco Beltrão), 19º Batalhão (Toledo) e do 17º Batalhão (São José dos Pinhais).

Conforme consta no edital, os veículos serão vendidos no estado de conservação em que se encontram. Para participar, os interessados devem se cadastrar no site que promove o certame www.danieloliveiraleiloes.com.br/externo e informar os dados pessoais. Podem participar pessoas físicas e jurídicas que não possuam algum tipo de ligação com a organização do leilão.

Os cidadãos que vencerem o certame terão de 15 a 16 dias úteis para retirar o veículo do pátio, com todos os ônus legais de remoção e pagamento de taxas administrativas para legalizar a circulação do veículo.


Banco do Agricultor Paranaense marca nova aposta do Estado no agronegócio


O Banco do Agricultor Paranaense, programa de financiamento para empresários do campo lançado nesta terça-feira (27) pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior, é estratégico para o Estado dar um novo salto e se tornar ainda mais protagonista no agronegócio mundial. É um programa voltado ao desenvolvimento sustentável, a inovação tecnológica e a melhoria da competitividade dos produtos paranaenses.

O Paraná é uma das principais potências agrícolas do Brasil e o programa é uma aposta em uma das principais vocações dos municípios, que é a integração entre o campo e o ritmo da cidade. O Estado tem um dos melhores solos do mundo, diversidade climática (sub-tropical e temperado), pequenas e médias propriedades, um sólido sistema cooperativista, apoio técnico de entidades públicas e da academia, portos eficientes e emprega, há muitos anos, estratégias modernas de produção e gestão.

Segundo o secretário estadual de Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, o programa é uma aposta ousada e inédita no País para subsidiar modernizações e resolver gargalos históricos, como a irrigação no Arenito Caiuá. “Estamos reservando recursos para facilitar e baratear o dia a dia dos produtores rurais, principalmente daqueles pequenos que têm aspirações de crescimento. O agronegócio paranaense emprega milhares de famílias e tem margem para crescer com sustentabilidade e responsabilidade”, afirmou.

Segundo a Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, o agronegócio tem Valor Bruto de Produção (VBP) na casa de R$ 120 bilhões. O agro representa 34% do PIB total do Paraná. Ou seja, de cada R$ 100 produzidos num ano, R$ 34 tem a ver diretamente com o agronegócio. O campo e suas vertentes também respondem por 80% do esforço exportador do Paraná, com balança comercial superavitária. O Estado é o terceiro maior exportador do agro, com mais de 13% do total.

“As projeções são mais ainda otimistas com esse programa. É essa a nossa estratégia mais arrojada para crescer e criar um bom ambiente para os empresários e cooperados crescerem por conta própria”, acrescentou Ortigara.

No País, o campo já produz mais de R$ 1 trilhão. O agronegócio representa cerca de 21% do PIB e é relevante sob o ponto de vista do emprego, da renda e do valor agregado à produção de máquinas, implementos, equipamentos, fertilizantes, pesticidas, combustíveis e outros insumos, além do valor agregado no processamento agroindustrial.

PROTAGONISTA – O Paraná é protagonista em diversos setores. Um deles é o de grãos. Com mais de 41 milhões de toneladas por ano, é o segundo maior produtor do País, com mais de 15% do total. O Paraná lidera a produção de trigo, feijão e cevada e é o segundo maior produtor de soja, milho e aveia. Essa produção é vendida in natura e transformada em alimentos que servem de base para a produção de proteínas animais, o que favorece outra potencialidade: a cadeia de carnes do Paraná.

Com quase 6 milhões de toneladas produzidas por ano, o Estado responde por 22% da produção de proteínas animais do País, liderando a produção de frangos (um terço da produção nacional) e peixes, pleiteando o primeiro lugar em suínos com investimentos robustos no Oeste, e segundo maior produtor de leite e de ovos. O Estado também marca boa presença há diversos anos entre os maiores da pecuária bovina de corte.

Além do macro, o agronegócio paranaense tem vertentes especializadas em diversos outros grupos. O Estado é o terceiro maior produtor de açúcar e o quinto de etanol; é o principal polo produtor de fécula de mandioca, largamente usada nas indústrias alimentícias; o terceiro maior produtor de tabaco, gerando renda para 30 mil famílias; e produz 85% dos casulos de seda do Brasil, cujos fios ocupam posição de destaque na indústria mundial da moda.

Além disso, tem a mais completa e organizada cadeia de produtos florestais, usados em energia, serraria, laminação, papel e celulose, com plantio responsável; é o principal polo produtor de erva-mate, para o consumo tradicional e novos usos nas indústrias de cervejas, remédios e material de limpeza; e fundamental na cadeia da horticultura, na batata, tomate, couve-flor, alface, repolho, laranja, uva, banana, morango, tangerinas e uma diversidade de outras espécies de legumes, verduras, frutas, flores, plantas aromáticas, condimentos e medicamentos.

Também é o principal polo nacional de alimentos orgânicos e conta com um sólido sistema de abastecimento a partir de produtos oriundo da agricultura familiar.

EMPREGO – Todo esse panorama reflete na geração de oportunidades, emprego e renda. Centenas de milhares de paranaenses trabalham em indústrias que fabricam máquinas, equipamentos, insumos ou no processamento de alimentos, como em frigoríficos ou laticínios. São as bases produtivas de inúmeros municípios paranaenses – o Estado tem nove cidades com valor bruto da produção superior a R$ 1 bilhão.

O Paraná também é sede das maiores cooperativas do Brasil, que convivem com as maiores tradings do mundo. Juntas, as 217 cooperativas faturaram R$ 115,5 bilhões em 2020, empregaram 117.500 pessoas e exportaram US$ 4,5 bilhões. Elas fornecem insumos, soluções e assistência. Recebem 60% da produção de grãos e já agregam valor em metade.

O Estado ainda tem outras 179 pequenas cooperativas que faturam cerca de R$ 600 milhões/ano.

DESENVOLVIMENTO – O Banco do Agricultor Paranaense também ataca diretamente os desafios pendentes do Estado, que são aumentar a eficiência do uso dos recursos naturais e dos sistemas de produção. Ou seja, produzir mais e melhor, com menos recursos. Está dentro das estratégias de desenvolvimento sustentável, alicerçados nas mudanças energéticas, e do selo de Área Livre de Febre Aftosa sem Vacinação, que o Estado receberá no próximo mês, projetando novos ganhos comerciais para a indústria de carnes.

Ele também tem como foco atender as crescentes exigências sanitárias, de qualidade, de custos e de informação; fazer o uso de energias limpas, como solar e de biomassa; reduzir, cada vez mais, a penosidade do trabalho; integrar alimentos e saúde, como alimentos funcionais e biofortificados; e sacramentar o momento Agritech com biotecnologia, nova genética, digitalização dos processos e a nova mecanização, na forma de robôs, drones, plataformas e inteligência artificial.

Fonte: AEN
Publicidade