terça-feira, 31 de outubro de 2017

Pastor da Igreja Luterana fala na Câmara de Turvo sobre os 500 Anos da Reforma Protestante


Na sessão ordinária do dia 30 de outubro do ano de 2017, o pastor GILMAR LANG, da Comunidade Evangélica Luterana Cristo de Turvo, esteve presente, para falar sobre as comemorações dos 500 anos da reforma protestante, que se comemora neste dia 31 de outubro.

Como marco dessa comemoração o pastor presenteou os senhores vereadores e todos os pressentes com a bíblia comemorativa aos quinhentos anos, a qual é escrita na linguagem do povo e, portanto, pode ser melhor entendida, lembrou que “Ao ler a palavra de Deus, a Bíblia aberta entre as mãos, lembramos a manjedoura onde Jesus Cristo repousa no centro”.

A reforma é lembrada, pois foi neste dia que, há quinhentos anos o Monge Agostiniano Martinho Lutero, afixou na porta da igreja do castelo de Wittenberg as suas noventa e cinco teses. Como era de costume da época Lutero, com a afixação dessas teses na porta da igreja, queria chamar a todos para um debate sobre o que vinha acontecendo com a igreja de então, pois naquele tempo culminava a venda das indulgências, que era o pagamento, pelo perdão dos pecados, pois como dizia o maior vendedor de indulgências da época, Johann Tetzel, “Assim que a moeda no cofre tilintar, a alma do purgatório irá saltar”. Alem é claro de muitas outras coisas que vinham acontecendo com a igreja da época, lembrando ainda que muitos outros reformadores já vinham com esse intento, destacando dentre eles o Frances João Calvino, que também fez parte da reforma protestante e outros que, descontentes com tudo que vinha acontecendo, participaram da reforma da igreja.

Bom lembrar que acima de qualquer disputa religiosa ou de credo, a reforma tem como base levar as pessoas a entender que a salvação Deus nos deu por graça somente, sem nenhum mérito do ser humano, e que o centro de toda a redenção do ser humano é o sacrifício de Jesus Cristo na Cruz, pois ele mesmo afirmou, “Eu sou o caminho a verdade e a vida, ninguém vai ao pai senão por mim”. Jo 14.6

O senhor presidente do Poder Legislativo, Eraldo Mattos de Oliveira, ainda falou em agradecimento ao pastor pela brilhante explanação e na sequencia disse.

A Reforma Protestante foi edificada sobre o fundamento seguro da Palavra de Deus. Martinho Lutero confessou: “As Escrituras são a nossa vinha, na qual todos nós devemos trabalhar”. E ele trabalhou nessa vinha. Inicialmente, Lutero estudou artes e ciências. Fez Mestrado em Direito, mas em todo tempo havia um luta dentro de sua alma.

Lutero foi para um mosteiro, mas ainda assim não conseguiu amenizar as suas batalhas internas. Então, Lutero empreendeu um curso de investigação teológica. Ao comparar o texto bíblico com algumas práticas da igreja em sua época, Lutero fez um protesto, pregando as suas Noventa e Cinco Teses à porta da igreja em que trabalhava. Com a Bíblia na mão, Lutero e a Reforma ergueram-se de modo determinado. Poucos anos depois Lutero produziu o Novo Testamento em alemão. Mais tarde, os dois testamentos seriam disponibilizados para os leitores alemães.

A Reforma foi edificada sobre a Bíblia, então não devemos nos surpreender ao encontrar nos Reformadores uma sólida doutrina das Escrituras. O reformador João Calvino defendeu que, sem as Escrituras, interpretamos o mundo natural, a natureza humana e o Criador de forma distorcida. Somente as Escrituras nos dão a imagem clara de quem é Deus, quem somos nós e qual é o plano de Deus para o mundo. Sem as Escrituras, tropeçamos na escuridão. As Escrituras são necessárias para que toda a esfera da existência seja vista corretamente.

A Bíblia é muito clara quanto a sua mensagem central – a reconciliação da humanidade com o seu Criador através de Jesus Cristo. O reformador Ulrico Zwínglio afirmou que Deus nos deu o Espírito Santo, ou seja, “o Mestre da Verdade”, para nos ajudar no entendimento das Escrituras, e que Deus supriu a sua igreja com mestres para que a sua Palavra seja ouvida.

A nobre inglesa Lady Jane Grey, que viveu no século XVI, escreveu algumas palavras em sua cópia do Novo Testamento que deixou para a sua irmã. Ela escreveu que aquele livro não era enfeitado com ouro, como eram alguns livros refinados de sua biblioteca, mas “interiormente valia mais do que pedras preciosas”. A Palavra de Deus é suficiente para nos dizer o que devemos crer para que sejamos salvos e como podemos agradar a Deus.

Um dos lemas da reforma - Sola Scriptura (somente a Escritura) - é o padrão final em questões de fé e prática para as igrejas protestantes. Cremos que a Bíblia é a Palavra de Deus, portanto, é verdadeira; autoritativa; inerrante; infalível; e, portanto, é o nosso único guia seguro. Consequentemente, a Escritura deve ser pregada, lida, estudada e anunciada amplamente.

Se olharmos para o futuro com esperança, podemos imaginar tudo o que a Palavra de Deus pode realizar no Turvo, na Brasil e no mundo nos anos vindouros. Que Deus nos abençoe!



Nenhum comentário:

Postar um comentário