sábado, 31 de outubro de 2020

Turvo tem mais 01 caso confirmado de coronavírus


Foi confirmado neste sábado (31) um novo caso de covid-19 em Turvo. Ao todo, são 25 casos confirmados por meio do exame PCR, realizado pelo LACEN (Laboratório Central do Estado do Paraná) e 5 casos confirmados por testes sorológicos IGG/IGM, realizados em laboratório. 21 dos casos registrados estão recuperados. 

Veja o Boletim Oficial repassado pelo Departamento de Epidemiologia: 

Suspeitos: 31 

Em investigação: 26 

Confirmados pelo Lacen: 25 

Confirmados por sorologia: 05 

Recuperados: 21 

Descartados: 281 

Liberados: 538 

Devido ao surto de casos positivos para a covid-19 em Turvo, foi editado novo decreto municipal nº 113/2020 (que altera a redação do Decreto em vigor 35/2020) o qual prevê a proibição total de QUAISQUER atividades que envolvam aglomeração de pessoas. Além de medidas restritivas para atividades essenciais. VEJA AQUI.


Paraná registra mais 747 casos e 10 mortes pelo coronavírus


A Secretaria de Estado da Saúde divulgou neste sábado (31) mais 747 casos confirmados e 10 mortes em decorrência da infecção causada pelo novo coronavírus. Os dados acumulados do monitoramento da Covid-19 mostram que o Paraná soma 211.245 casos e 5.165 mortos em decorrência da doença.

INTERNADOS – 595 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 483 pacientes em leitos SUS (243 em UTI e 240 em leitos clínicos/enfermaria) e 112 em leitos da rede particular (37 em UTI e 75 em leitos clínicos/enfermaria).

Há outros 889 pacientes internados, 394 em leitos UTI e 495 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão em leitos das redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo Sars-CoV-2.

ÓBITOS – A Sesa informa a morte de mais 10 pacientes, todos estavam internados. São quatro mulheres e seis homens, com idades que variam de 27 a 96 anos. Os óbitos ocorreram entre os dias 2 de setembro e 31 de outubro.

Os pacientes que foram a óbito residiam em: Ponta Grossa (3), Bandeirantes (2), Piraquara (2), além de um óbito em cada um dos seguintes municípios: Piên, Piraí do Sul e São José dos Pinhais.

FORA DO PARANÁ – O monitoramento da Sesa registra 2.237 casos de residentes de fora, 51 pessoas foram a óbito.

Alteração de município
Um caso confirmado no dia 2/10 em Curitiba foi transferido para São José dos Pinhais
Um caso confirmado no dia 15/6 em Tupãssi foi transferido para Toledo
Dois casos confirmados no dia 28/8 em Tupãssi foram transferidos para Toledo
Exclusões
Um caso confirmado no dia 28/9 em Curitiba foi excluído por duplicidade de notificação
Um caso confirmado no dia 2/10 em Tupãssi foi excluído por duplicidade de notificação

Guarapuava tem mais 45 casos confirmados de Coronavírus







Consulta pública aprova modelo cívico-militar em 163 colégios


O balanço parcial desta sexta-feira (30), quarto dia da consulta pública sobre a migração de escolas do sistema tradicional para o modelo cívico-militar, mostra que a alteração foi aprovada em 163 escolas onde o quórum de votação foi alcançado. Outras 54 escolas continuam a votação na manhã deste sábado (31) e também após o feriado.

A estimativa da equipe da Secretaria de Estado da Educação e do Esporte, que coordena a consulta, é que ainda na noite desta sexta-feira (30) mais 28 escolas, das 54 que ainda estão fazendo consulta, possam atingir o quórum. As demais terão um tempo maior para finalizar o processo na próxima semana.

O balanço divulgado no final da tarde aponta que mais de 72 mil pais, estudantes, funcionários de escola e professores já registraram a opinião sobre a proposta de alterar o modelo de escolas.

No total, 217 instituições de ensino, em 117 municípios do Paraná, estão com processo de consulta pública aberto para que a comunidade escolar vote.

A votação continua neste sábado, das 8 às 12 horas, nas escolas em que o quórum absoluto não tenha sido alcançado ainda. E retoma depois do feriado, com horário das 8h às 20h. O projeto, que criou o modelo Cívico-Militar e a consulta pública, permite a extensão da votação até atingir o quórum necessário.

APROVAÇÃO - Para que a implementação seja efetivada, é preciso que mais de 50% das pessoas aptas a votar na escola participem da consulta e que a maioria simples dos votantes (50% e mais um voto) seja favorável ao programa — o maior do país na área, com investimento de cerca de R$ 80 milhões, direcionado a 129 mil alunos. Nos colégios onde a migração for aprovada, haverá implementação da modalidade cívico-militar em 2021.

As escolas contarão com aulas adicionais de Português, Matemática e Civismo, permitindo aos estudantes que aprendam sobre leis, Constituição Federal, papel dos três poderes, ética, respeito e cidadania. No Ensino Médio, haverá, ainda, a adição da disciplina de Educação Financeira.

Além de questões curriculares, outra mudança trazida pela nova modalidade de ensino — que será aplicada em escolas do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental e no Ensino Médio — é a gestão compartilhada entre civis e militares.

O diretor-geral e o diretor-auxiliar permanecem sendo civis e as aulas continuam sendo ministradas por professores da rede estadual, enquanto o diretor cívico-militar será responsável pela infraestrutura, patrimônio, finanças, segurança, disciplina e atividades cívico-militares. Haverá, também, de dois a quatro monitores militares, conforme o tamanho da escola.

CONSULTA PÚBLICA — É necessário levar documento pessoal com foto para a votação, e recomenda-se que cada pessoa leve sua própria caneta. Pais ou responsáveis votam de acordo com o número de matriculados sob sua tutela na escola, ou seja, uma mãe com três filhos pode votar até três vezes.

Estão sob consulta da comunidade colégios em regiões com alto índice de vulnerabilidade social, baixos índices de fluxo e rendimento escolar, conforme a legislação aprovada pela Assembleia Legislativa.

As escolas também precisam estar em municípios com mais de dez mil habitantes e que tenham ao menos duas escolas estaduais na área urbana.



Período da piracema começa neste domingo e vai até fevereiro


O Instituto Água e Terra (IAT), vinculado à Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, informa que inicia neste domingo (1º) o período de restrição à pesca de espécies nativas no Paraná – a piracema. A determinação deve ser cumprida até 28 de fevereiro de 2021.

São protegidas todas as espécies nativas do Estado, como bagre, dourado, jaú, pintado e lambari. É durante esse período que a maioria delas se reproduz.

Considerando o comportamento migratório e de reprodução, a pesca é proibida na bacia hidrográfica do Rio Paraná – que compreende o rio principal, seus formadores, afluentes, lagos, lagoas marginais, reservatórios e demais coleções de água inseridas na bacia de contribuição do rio.

INSTRUÇÃO - A restrição é instruída pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Ibama), pela Instrução Normativa nº 25/2009. A restrição anual acontece há mais de 15 anos.

Não entram na restrição as espécies consideradas exóticas, que foram introduzidas no meio ambiente pelo homem, como bagre-africano, apaiari, black-bass, carpa, corvina, peixe-rei, sardinha-de-água-doce, piranha-preta, tilápia, tucunaré e zoiudo. Além de híbridos – organismos resultantes do cruzamento de duas espécies.

MULTAS – Quem for flagrado pescando em desacordo com as restrições determinadas pela portaria será enquadrado na lei de crimes ambientais. A multa é de aproximadamente R$ 700,00 por pescador e mais de R$ 20,00 por quilo de peixe pescado. Além disso, os materiais de pesca, como varas, redes e embarcações, poderão ser apreendidos. O transporte e a comercialização também serão fiscalizados.

COMPETIÇÕES – Durante o período, são proibidas, também, competições de pesca, como torneios, campeonatos e gincanas. Somente são permitidas as competições em reservatórios, visando a captura de espécies não nativas e híbridos.

Fiscais do IAT e da Polícia Ambiental vão reforçar as ações de fiscalização em todo o Estado. Aos infratores serão aplicadas às penalidades e sanções previstas na Lei n° 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, no Decreto n° 6.514, de 22 de julho de 2008, na Lei n° 10.779, de 25 de novembro de 2003, e demais legislações específicas.

CRISE HÍDRICA - Alguns peixes nativos das bacias hidrográficas do Paraná já estão protegidos deste 19 de outubro: paty ou barbado-chata, mandi-amarelo, pintado, mandi-prata, Piracanjuva e Jaú.

A decisão foi tomada porque, mesmo que o calor acima da média aguce os instintos de reprodução, com o nível dos rios abaixo da média os peixes não têm estímulo para sua migração, condição essencial para que se reproduzam.



Publicidade