sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Após velório interrompido, corpo com supostos batimentos é enterrado



O corpo do homem que a família chegou a acreditar estar vivo durante o velório foi enterrado no fim da tarde de quinta-feira (10) em Toledo, no Paraná. O velório havia sido interrompido duas vezes: na quarta (9), para que o corpo fosse levado ao hospital depois de supostos batimentos cardíacos terem sido registrados, e na manhã de quinta (10), quando a polícia determinou que fosse levado ao Instituto Médico-Legal (IML) para a necropsia.

Segundo o delegado Pedro Lucena, o laudo com a causa da morte deve ficar pronto em até 60 dias e será incluído no inquérito instaurado após a família registrar o boletim de ocorrência.

“Ao ficarmos sabendo do caso, chamei o médico que fez o atendimento para dar explicação. Ele disse que o cidadão estava sem vida. Mas, para não ficar qualquer dúvida, mandamos o corpo para o IML e o perito vai dizer qual foi a causa da morte”, comentou o delegado Pedro Lucena.

O homem tinha 44 anos, e a família ficou em dúvida sobre a morte após um aparelho registrar supostos batimentos cardíacos. O corpo chegou a ser levado ao hospital durante o velório, mas exames comprovaram a morte.

Na noite de terça (8), ele passou mal e procurou o pronto atendimento de São José das Palmeiras, na mesma região. Horas depois, teve a morte por infarto confirmada pelo médico de plantão. Em seguida, o corpo foi levado à funerária - onde teve todo o sangue e fluídos corporais retirados - e liberado para o velório.

Na quarta (9), pela manhã, familiares estranharam a temperatura do corpo do homem e chamaram um médico. O aparelho usado pelo clínico Fernando Santin registrou 74 batimentos cardíacos por minuto, semelhante ao de uma pessoa viva e com as mesmas características.

“Comuniquei que precisava levar o corpo até o pronto-atendimento, onde teria condições melhores de avaliar, e a família aceitou. Em nenhum momento eu disse que ele poderia estar vivo”, comentou o médico.

Os exames de eletrocardiograma e o monitoramento pulmonar e cardíaco foram acompanhados por um médico cardiologista e outro clínico. Eles constataram que não tinha pulso e que não havia reação da pupila, além da rigidez cadavérica. Portanto, ele estava morto, segundo os especialistas.

Para o clínico Fernando Santin, a hipótese trata-se de um caso de atividade elétrica sem pulso, opinião, segundo ele, compartilhada por um médico do Samu também consultado.

“Mesmo depois de parar de bater, o coração pode continuar emitindo ondas elétricas. E isso é o que pode ter sido captado pelo oxímetro. Casos assim são raríssimos. Em 14 anos de profissão, nunca havia sido chamado para um atendimento como este", explicou.

Fonte: G1 - PR

Motorista foge e abandona carreta com maconha escondida em carga de milho



Um motorista fugiu e abandonou uma carreta carregada com maconha. A apreensão foi feita na manhã desta sexta-feira (11) em um trecho da BR-277 próximo à praça de pedágio de Céu Azul, no oeste do Paraná, onde o veículo foi abordado. Os policiais estimam que tenham sido tiradas de circulação entre três e cinco toneladas da droga, escondida entre sacos de milho.

Segundo a PRF, o veículo seguia de Foz do Iguaçu, na fronteira com o Paraguai, para São Paulo.

A carreta e a carga serão encaminhadas para a delegacia da Polícia Federal em Foz do Iguaçu, onde a droga será pesada.

Fonte: G1 - PR

Operador de máquina morre soterrado em Saudade do Iguaçu



No início da manhã desta sexta-feira (11), por volta das 8h30min, um acidente de trabalho tirou a vida de um operador de máquina no interior de Saudade do Iguaçu, sudoeste do estado.

José Carlos Brandalise, 43 anos, trabalhava com uma escavadeira na retirada de terra na Comunidade de Santa Rosa, quando houve um desmoronamento, uma pedra grande caiu sobre a cabine da máquina. Profissionais do Posto de Saúde do município foram até o local, porém constataram que José já estava em óbito.

A Polícia Militar fez o isolamento do local para perícia da Criminalística. Na sequencia, o corpo foi recolhido ao Instituto Médico Legal (IML), de Pato Branco.

Fonte: www.rbj.com.br
Foto: Edson Zuconelli.

Neste domingo tem Almoço com Churrasco e Sarau na Comunidade do Rio Bonito


A Comunidade do Rio Bonito - Turvo, convida a todos para um grandioso Almoço com Churrasco, que acontecerá no dia 13 de agosto. Logo após o almoço terá sarau com animação do Grupo Aquerenciado. 

Às 17h00 tem bingo de uma novilha de 10 arrobas e um carneiro.

Os vale-almoço e cartelas podem ser adquirida na Panificadora Bom Gosto e Distribuidora de Bebidas Vaurek.

Movimentação no Corredor de Exportação cresce 129% em julho


A movimentação no Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá aumentou 129% em julho, em comparação ao mesmo período do ano passado. Em 2016, haviam sido exportadas 801.071 toneladas de produtos agrícolas, como soja, milho e trigo. Neste ano, a quantidade mais que dobrou, passando de 1,8 milhão de toneladas. Esse é o melhor julho de todos os tempos.
“O aumento na produtividade aponta que a agricultura do Paraná está em um excelente momento e que o nosso Porto está conseguindo atender mais e melhor os seus clientes”, afirmou o secretário de Estado da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho.
PRODUTOS EXPORTADOS - Entre os itens exportados, a soja desponta como o principal. No total, mais de 1 milhão de toneladas foram embarcadas, o que representa quase três vezes a mais que a quantidade registrada no mesmo mês de 2016, quando 375.245 toneladas foram escoadas.
Em segundo lugar, aparece o milho, cuja quantidade exportada foi de 358 mil toneladas. Esse volume representa mais que o dobro do registrado no ano passado, quando 177 mil toneladas foram embarcadas.
MOTIVOS DO AUMENTO – De acordo com informações da Ocepar (Organização das Cooperativas do Paraná), as duas principais razões para o aumento das exportações no mês passado são o grande volume de soja produzido no primeiro semestre e o começo da segunda safra do ano, chamada de safrinha, que ocorre entre julho e agosto. Nessa etapa, o principal produto colhido é o milho.
“Na primeira e maior safra, que ocorre entre os meses de janeiro e abril, o grande destaque é a soja. A superprodução do produto, registrada neste ano, levou a uma lotação dos armazéns. Com o começo da segunda safra, os produtos que estavam armazenados precisaram ser escoados, para dar lugar aos que passaram a ser colhidos”, explicou o gerente técnico da Ocepar, Flávio Turra.
COLHEITAS NO PARANÁ - No Paraná, além das duas primeiras etapas, existe mais uma safra, que tem como destaque o trigo. A colheita ocorre entre os meses de setembro e novembro. Em 2017, o estado deverá produzir aproximadamente 42 milhões de toneladas de soja, milho e trigo, expectativa que tem sido confirmada pela Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa).
“Depois da exportação histórica de soja, que tivemos nos primeiros seis meses, esses dados preliminares do segundo semestre apontam que essa produtividade deve continuar”, disse o diretor-presidente da Appa, Luiz Henrique Dividino.
CONFIANÇA PARA EXPORTAR - Segundo o diretor-presidente da Appa, outro fator que contribuiu muito para o recorde alcançado no Corredor de Exportação no mês de julho foi a confiança do produtor na capacidade de escoamento da produção pelo Porto de Paranaguá, ampliada com novas obras de infraestrutura.
“Os picos de escoamento determinados, que aconteciam anos atrás, já não existem mais. A safra agora está se distribuindo ao longo da cadeia e, confiando que o Porto vai exportar e atender o mercado, o produtor acaba retendo a mercadoria para exportar nos momentos de alta do preço”, explicou o diretor-presidente.
Nos últimos sete anos, o Porto de Paranaguá recebeu R$ 620 milhões em investimentos destinados à modernização e ampliação da sua estrutura terrestre e marítima. “Como resultado, ampliamos a potencialidade do porto, dando condições de escoamento adequadas para a agricultura do Paraná e do Brasil”, acrescentou Dividino.
 Fonte: AEN