quarta-feira, 22 de julho de 2020

Começou a Pavimentação Asfáltica na Rodovia João Maria De Jesus em Turvo


Foi dado início nesta terça-feira (21), a Pavimentação Asfáltica na Rodovia João Maria De Jesus, que inicia na PRC-466 e liga ao Distrito de Faxinal da Boa Vista e região. 

Nessa etapa serão pavimentados 08 km com recursos vindos Governo do Estado e com recursos próprios do município. 

O município vinha realizando tapa buracos e tratamentos no pavimento existente. 

As próximas etapas contemplam os demais trechos com micro pavimentação, melhorias diversas no pavimento e pinturas.

Essa importante obra é de suma importância para população por ser ligação do distrito e inúmeras comunidades rurais, sendo a principal rodovia de escoamento de produção industrial e agropecuária do município, além de grande parte da população que utiliza essa rodovia diariamente.


Caminhoneiro de Turvo morre em grave acidente na PRC-466 em Guarapuava


Por volta das 16h00 dessa quarta-feira (22), um grave acidente aconteceu na PRC-466, próximo ao posto da Polícia Rodoviária, em Guarapuava, envolvendo um caminhão de Turvo e um bitrem. 

Segundo informações repassadas ao Blog do Elói, o caminhão de Turvo era conduzido por Carlos Bonfin (Carlão) de 49 anos, que veio a óbito. 

Ainda não temos informações sobre motorista do bitrem. 

Segundo a família, o velório do Carlão será na Capela Mortuária de Turvo, a partir das 16h00 desta quinta-feira, e o sepultamento será ás 09h00 desta sexta-feira.

A morte do Carlão está gerando grande comoção entre amigos, familiares e caminhoneiros, ele deixa esposa e três filhas. 

ATUALIZADO: Velório de Carlos Bonfim (Carlão) será a partir das 14h00 na Capela Mortuária de Turvo





Aproveite as Ofertas da Quinta Maluca do Suprema Supermercado de Turvo


Turvo - Boletim atualizado Covid-19



TCE-PR multa ex-dirigentes do IAP pela realização de despesas irregulares


O Pleno do Tribunal de Contas do Estado do Paraná julgou parcialmente procedente Tomada de Contas Extraordinária relativa à realização de despesas irregulares pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP) em 2016. As falhas foram identificadas pela Quinta Inspetoria de Controle Externo (5ª ICE) do TCE-PR, em fiscalização realizada naquele ano na autarquia, hoje denominada Instituto Água e Terra (IAT).

Conforme a Comunicação de Irregularidade emitida pela unidade técnica do Tribunal, o instituto realizou despesas com desvio de finalidade e gastos sem prévio empenho, além de não ter dado publicidade à aplicação de recursos provenientes de processos de compensação ambiental.

As verbas que foram destinadas a fins diversos daqueles previstos em lei referem-se a valores reservados para a implantação e manutenção de unidades de conservação. Em lugar disso, as quantias foram utilizadas, por exemplo, para comprar móveis de escritório e reparar o telhado de uma das sedes regionais da entidade.

Em função das inconformidades, o então diretor presidente do IAP, Luiz Tarcísio Mossato Pinto, recebeu três multas, que somam R$ 12.760,80. Já ao antigo diretor Administrativo e Financeiro, Ilton Ferreira Mendes Júnior, foram aplicadas duas sanções, que totalizam R$ 8.507,20. Finalmente, o à época diretor jurídico, Luciano Tinoco Marchesini, e a ex-chefe do Departamento de Contabilidade e Finanças, Eliane das Graças Nahhas Schmitz, foram penalizados em R$ 4.253,60 cada um.

As sanções estão previstas no artigo 87, inciso IV, da Lei Orgânica do TCE-PR (Lei Complementar Estadual nº 113/2005). Cada uma delas corresponde a 40 vezes o valor da Unidade Padrão Fiscal do Estado do Paraná (UPF-PR). O indexador, que tem atualização mensal, valia R$ 106,34 em junho, quando o processo foi julgado.

Em seu voto, o relator dos autos, conselheiro Artagão de Mattos Leão, defendeu ainda a emissão de duas recomendações à atual administração do instituto: para que cumpra efetivamente os dispositivos legais relativos à gradação de metodologia de impacto ambiental a projetos; e para que recomponha o capital humano da entidade com a maior brevidade possível, considerando que as atividades básicas da autarquia se encontram comprometidas.

Os demais membros do órgão colegiado do TCE-PR acompanharam, de forma unânime, o voto do relator na sessão virtual nº 4, concluída em 18 de junho. Cabe recurso contra o Acórdão nº 1226/20 - Tribunal Pleno, veiculado no dia 3 de julho, na edição nº 2.331 do Diário Eletrônico do TCE-PR (DETC).

Fonte: TCE-PR

Paraná será sede da maior fábrica de queijos do Brasil


São Jorge D'Oeste, município com pouco mais de 9 mil habitantes, no Sudoeste do Paraná, vai abrigar a maior fábrica de queijo do Brasil. A unidade é da Piracanjuba e ficará em um espaço de 48,74 hectares, nas margens da PR-281. O anúncio foi feito nesta terça-feira (21), em solenidade com a presença do governador Carlos Massa Ratinho Junior.

A previsão inicial de investimento é de R$ 80 milhões e a expectativa é de geração de 300 empregos diretos. Inicialmente, a fábrica deverá processar cerca de 600 mil litros de leite por dia. Porém, a capacidade de processamento da unidade vai ultrapassar os 2 milhões de litros por dia quando estiver em pleno funcionamento.

O governador afirmou que este empreendimento demonstra a força do Paraná, que segue atraindo investimentos mesmo com a crise derivada da pandemia do novo coronavírus. “Temos feito contato com grandes empresas para que, mesmo com esse momento econômico difícil, estes investimentos sigam gerando emprego para os paranaenses”, destacou Ratinho Junior.

“Esta indústria reforça a vocação regional, já que o Sudoeste é a maior bacia leiteira do Estado. Então a nossa produção será industrializada aqui, gerando mais valor agregado”, disse o governador. Ele destacou a importância da produção leiteira paranaense, que processa mais de 4 bilhões de litros de leite por ano e é a segunda maior do País.

O superintendente da companhia, César Helou, destacou que o projeto inicial passou por uma reformulação, que fará da unidade uma das mais importantes da Piracanjuba. “Esta não será apenas mais uma, mas sim a maior fábrica de queijo do Brasil, além de uma pequena fábrica de leite longa-vida e uma de manteiga”, disse Helou. “Estamos ainda calculando qual será o investimento total nesta fábrica”, explicou.

POTENCIAL - O prefeito de São Jorge D’Oeste, Gilmar Paixão, reforçou que estes avanços ampliam ainda mais o potencial industrial do município. “É um momento histórico para o nosso município, uma oportunidade que São Jorge D'Oeste tem de agregar valor, produzindo o leite e transformando aqui, para gerar emprego e renda”, celebrou o prefeito.

Esta será a segunda unidade própria da Piracanjuba no Paraná. A outra fica na mesma região, na cidade de Sulina, e entrou em funcionamento em setembro do ano passado. Com capacidade para processar 150 mil litros de leite por dia, a indústria gera 70 empregos diretos na produção de queijo. Há ainda duas unidades de resfriamento de leite, em Itapejara do Oeste e em Cascavel, ambas alugadas.

LEITE – O secretário de Estado da Agricultura, Norberto Ortigara, lembrou que o leite é o quarto produto em geração de valor nas propriedades rurais do Paraná. “São entre 70 mil a 80 mil famílias paranaenses produzindo leite todo dia no Estado”, destacou. “Ao trazer uma indústria desse porte para o Sudoeste, a Piracanjuba mostra que acredita nesse nosso potencial, não apenas no volume de produção, mas também na qualidade do produto paranaense”, afirmou.

Pesquisa da Pecuária Municipal (PPM) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) confirma que o Paraná passou de terceiro para segundo maior produtor de leite do Brasil – foram 4,4 bilhões de litros produzidos em 2018. O Estado fica atrás da Minas Gerais e na frente do Rio Grande do Sul.

Castro, nos Campos Gerais, lidera a produção brasileira com 292 milhões de litros. Em segundo lugar está o município de Patos de Minas (MG), que produziu 193 milhões de litros. No Paraná, outro destaque é Carambeí, com 180 milhões de litros, que ocupa a terceira posição no ranking nacional.

Em dez anos (2008 a 2018), a produção paranaense de leite cresceu 55%. Carambeí e Castro produzem quatro vezes mais do que a média brasileira, que é de dois mil litros ao ano por animal – os dois municípios paranaenses produzem, respectivamente, 9 mil litros e 8, 3 mil litros por vaca ao ano.

INFRAESTRUTURA – O Governo do Estado vai investir para melhorar a infraestrutura em São Jorge D’Oeste. A Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas formalizou convênio com a prefeitura para a construção de um trevo na PR-281, que vai facilitar o deslocamento para o setor industrial da cidade.

O valor da obra é de R$ 1,3 milhão, e conta com investimento a fundo perdido pelo Plano de Apoio aos Municípios (PAM). “Este é um incentivo do Governo do Estado para potencializar este empreendimento, que vai gerar empregos e arrecadação de impostos”, disse o secretário do Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas, João Carlos Ortega.

DIVERSIFICAÇÃO – São Jorge D’Oeste fica às margens do Rio Iguaçu e abriga a terceira maior hidrelétrica do Sul do Brasil: a Usina de Salto Osório. O município conta, ainda, com um complexo turístico, repleto de casas de veraneio nas praias artificiais que foram formadas no lago da usina.

Agora, a economia desponta também na área industrial, sediando importantes indústrias na área do vestuário e a Mocelin, segunda maior fabricante de extintores do país.

PIRACANJUBA – A empresa nasceu em 1955 e hoje é uma das marcas mais presentes nos lares do Brasil. A primeira unidade foi instalada na cidade de Piracanjuba (GO), o que deu origem ao nome da marca. Mais tarde, em 1986, a empresa mudou para Bela Vista de Goiás, o que gerou grande crescimento.

Hoje, a Piracanjuba pertence ao Grupo Laticínios Bela Vista e possui um portfólio com mais de 160 produtos. A empresa reúne sete Unidades Fabris, localizadas em Bela Vista de Goiás, Governador Valadares (MG), Maravilha (SC), Sulina (PR), Araraquara (SP), Três Rios (RJ) e Carazinho (RS).

As fábricas têm capacidade de processar mais de 6 milhões de litros de leite por dia, mobilizando quase 3,2 mil colaboradores diretos. A companhia é uma das quatro maiores indústrias de laticínios do Brasil.

Sete projetos apoiados pelo Sicredi vão concorrer a premiação internacional voltada para o protagonismo jovem no cooperativismo de crédito

Edição do WYCUP Fórum deste ano será virtual, entre os dias 22 e 24 de julho. Os projetos apoiados pelo Sicredi foram criados por colaboradores e associados e beneficiam cidades nas regiões Centro-Oeste, Norte, Sudeste e Sul do Brasil, além de uma inciativa voltada para crianças e adolescentes no Haiti


Por mais um ano, associados e colaboradores do Sicredi vão representar a instituição financeira cooperativa no World Council Young Credit Union People (WYCUP), um programa mundial que estimula a formação de jovens lideranças e premia participantes que desenvolveram projetos com potencial de causar influência global no segmento de Cooperativismo de Crédito. Historicamente, o WYCUP Fórum sempre integrou a programação da Conferência Mundial das Cooperativas de Crédito (Woccu, na sigla em inglês), mas como a Conferência deste ano aconteceria nos Estados Unidos e foi cancelada por causa da pandemia de covid-19, o evento será virtual, entre os dias 22 e 24 de julho.

Este ano, o Sicredi vai concorrer com sete cases. As iniciativas são lideradas por quatro colaboradores e três associados em municípios do Acre, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Rondônia, Tocantins e uma delas no Haiti, país do Caribe. Os projetos têm foco em temas como participação dos jovens no Cooperativismo de Crédito, no relacionamento das cooperativas com a comunidade local com o objetivo de contribuir para o desenvolvimento econômico e social, educação financeira, agricultura familiar e empoderamento feminino, entre outros.

Um dos representantes do Sicredi nesta edição, o engenheiro agrônomo Vinícius Mattia, 26 anos, associado a Cooperativa Vale do Piquiri ABCD/PR/SP, vai concorrer com um projeto focado em agricultura familiar. “O WYCUP é uma iniciativa que ajuda jovens do mundo inteiro a entenderem a importância da nossa participação no Cooperativismo de Crédito e a relevância desse segmento não somente para o nosso crescimento pessoal, mas também do ponto de vista do coletivo, para o desenvolvimento das regiões onde vivemos. Nesse sentido, o apoio do Sicredi também motiva colaboradores e associados, como eu, e desperta o interesse de outros jovens a fazerem o mesmo, a pensarem em ações que sejam cooperativas”, explica.

Já Hiana Batista Leal, 29 anos, colaboradora da Central Sicredi Centro Norte, destaca que a satisfação com a oportunidade de utilizar seu conhecimento em um projeto que transforma a vida de muitas pessoas na comunidade. “Poder participar do WYCUP tem sido uma grande experiência. Ansiosa pela cerimônia, mas independentemente do resultado, o mais importante é o legado que os projetos deixam nas comunidades e a transformação que eles causam”, declara.

Na edição de 2019 do evento, o Sicredi participou com 11 cases, sendo dois deles premiados. Um deles foi o projeto “Mulheres que Cooperam”, que reuniu um grupo de mulheres em Guarantã do Norte (MT) para contribuir com o desenvolvimento local e para estimular a participação da figura feminina nos negócios da cidade. A outra iniciativa é o “Programa Líder Jovem”, criado para atender a região do Alto Uruguai (RS), incentivando o espírito de liderança nos jovens. O projeto já formou mais de 400 jovens na região. Esses cases foram construídos, respectivamente, pelas colaboradoras do Sicredi Carla Borré e Micheli Thiesen, que realizarão uma apresentação para os participantes deste ano no dia 23.

“A participação no WYCUP é uma agenda muito relevante para o Sicredi. Nós acreditamos que o Cooperativismo de Crédito, que tem muito a contribuir com o desenvolvimento econômico e social do Brasil, a exemplo do impacto positivo de todos os projetos que já apresentamos nas últimas edições do WYCUP, pode ganhar muito mais força com a participação dos jovens. A presença de jovens em nosso segmento é fundamental para que ele tenha perenidade, além de trazer grandes acréscimos em termos de ideias e inovações. Programas como o WYCUPS são fundamentais para incentivar esse público, agregando ainda os benefícios do intercâmbio entre os participantes de diferentes partes do mundo”, comenta Manfred Alfonso Dasenbrock, presidente da SicrediPar, da Central Sicredi PR/SP/RJ e conselheiro do Woccu.

Gisele Gomes, associada do Sicredi, membra do Steering Committee do WYCUP e Embaixadora da Global Women Leadership Network, vai fazer parte da apresentação com os temas “Institucionalização da Inclusão, Legado de ex-Alunos e Engajar, Inspirar e Conectar” no dia 22. No último dia do evento, 24, Manfred Dasenbrock integrará o painel “Empoderamento de Jovens para o Mundo”, abordando o trabalho do Sicredi com esse público, que tem gerado consecutivas premiações no WYCUP. Essa temática também contará com a apresentação do gerente de Desenvolvimento do Cooperativismo da Central Sicredi PR/SP/RJ, André Assis, com a palestra “Sicredi: Desenvolvendo Profissionais e Comunidades através de Comitês de Jovens”.

Conheça os projetos que serão apresentados pelo Sicredi no WYCUP 2020

A coordenação de núcleo e o seu papel junto à comunidade, desenvolvido pela associada Leiza Santos, da Cooperativa União MS/TO e Oeste da Bahia, e que beneficia associados da região de Aquidauana (MS).

Agricultura Familiar e Alimentos Sustentáveis, criado por Vinícius Mattia, associado da Cooperativa Sicredi Vale do Piquiri ABCD PR/SP, e que atende a população de Palotina (PR). 

Educação Financeira: fazer mais com o mesmo e realizar sonhos, da colaboradora Mainara Weirich, da Cooperativa Sicredi Integração RS/MG, voltado para a população de Lageado (RS). 

Intercooperar para Transformar, criado pela colaboradora Ana Claudia Zanatta, da Cooperativa Sicredi Grandes Rios MT/PA, e que atende a comunidade de Peixoto de Azevedo (MT). 

Missão Zilda Arns, iniciativa da colaboradora Carla Guedes, da Cooperativa Sicredi Centro Oeste Paulista, e que beneficiou crianças e adolescentes de uma instituição de ensino no Haiti, no caribe. 

O Jovem não é o futuro, mas sim o presente, desenvolvido pela associada Camila Medeiros, da Cooperativa Sicredi Campos Gerais PR/SP, e com iniciativas voltadas para a população de Ponta Grossa (PR). 

Sicredi na Comunidade, iniciativa da colaboradora Hiana Batista, da Central Sicredi Centro Norte, e que atende a regiões do Acre, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Rondônia e Tocantins.