terça-feira, 12 de maio de 2020

Readequação de estradas rurais beneficia famílias de Manoel Ribas, Mato Rico, Palmital, Pitanga e Turvo



Aproximadamente 110 quilômetros de estradas rurais na Região Centro-Sul tiveram trabalhos de adequação, readequação, manutenção e ou melhorias. Os municípios de Manoel Ribas, Mato Rico, Palmital, Pitanga e Turvo foram contemplados com uma patrulha rural em sistema de rodízio.

Nesta terça-feira (12), a patrulha rural está em Pitanga, onde as duas últimas estradas projetadas serão concluídas até o final do mês.

A ação é desenvolvida com recursos do programa Estradas da Integração-Pró-Rural, do Governo do Estado, via Banco Mundial, e a iniciativa do consórcio intermunicipal Cid Centro.

A patrulha, adquirida por R$ 2,6 milhões, é composta por uma escavadeira hidráulica, um trator de esteira, um rolo compactador, uma retroescavadeira, uma motoniv ladora, um caminhão comboio de 6 mil litros e quatro caminhões caçamba de 10 m³. Com os trabalhos realizados e consequente melhoria na trafegabilidade e durabilidade das estradas, 1,1 mil famílias já foram beneficiadas nesses municípios.

“Além de trazer benefícios à população, esses trabalhos ajudam a garantir maior competitividade à agroindústria regional”, diz o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara.

O programa é executado pelo Departamento de Desenvolvimento Rural Sustentável (Deagro), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento. Desde 2017, quando os serviços das estradas começaram, até o início de maio de 2020, por meio do Consórcio Cid Centro, foram feitos trabalhos nas estradas dos municípios de Palmital (20 km), Turvo (18 km), Mato Rico (25 km), Manoel Ribas (25 km) e Pitanga (20 km), onde até o final do mês, outros sete quilômetros serão readequados.

O consórcio é responsável pelas despesas diretas, divididas entre os municípios, o que incluiu salários, hospedagem, alimentação e transporte de operadores de máquinas, motoristas de caminhões, técnico de campo, óleo diesel, pneus, peças, filtros, óleos lubrificantes, óleos hidráulicos, serviços (mão de obra), somando um custo de aproximadamente R$ 19 mil por quilômetro.

A produção de grãos é o carro-chefe da agricultura nesses municípios. Na maioria deles, entre 34% e 46% do Valor Bruto da Produção (VBP) vem da soja, segundo dados de 2018 do Departamento de Economia Rural (Deral). As mudanças colaboram para o escoamento da safra e transporte de insumos.

O secretário-executivo do consórcio Cid Centro, Nilson Padilha, acrescenta que esta política de Estado beneficia os municípios da Região do Território da Cidadania Paraná Centro, onde grande parte da população vive no campo.

A produção grãos, leite e agroindústrias é composta essencialmente por agricultores familiares. “A patrulha rural tem se destacado na execução das melhorias, pois o setor produtivo necessita de estradas em boas condições. Isso evidencia o comprometimento do Consórcio no gasto do recurso público bem aplicado”, diz. Além disso, a readequação representa ganhos para a saúde pública, educação e cidadania, já que facilita o transporte escolar, o deslocamento de pacientes e de trabalhadores do setor ambiental, por exemplo. “Esse projeto representa o braço do Estado ajudando os municípios numa questão que é um dos nossos principais gargalos, a recuperação de estradas rurais. E o consórcio é uma forma de unir os municípios para resolver seus problemas comuns em conjunto. Nossa parceria fortalece o trabalho pelo desenvolvimento regional”, acrescenta Padilha.

De acordo com o chefe do Deagro e engenheiro agrônomo, Márcio da Silva, os trabalhos em estradas rurais desenvolvidos pela Secretaria são uma política de Estado de sucesso, que gradativamente ganha adesão nos municípios. O Programa Estradas Rurais Integradas aos Princípios e Sistemas Conservacionistas foi instituído pelo Decreto nº 6515 de 2012. “As patrulhas também ajudam a capacitar os gestores públicos, porque além dos trabalhos executados nas estradas inclui o treinamento de técnicos, operadores de máquinas e motoristas de caminhão. A participação da comunidade atendida é fundamental, desde a elaboração do projeto até as reuniões e audiências públicas realizadas nas comunidades”, diz.

Atualmente, o governo estadual possui 14 patrulhas mecanizadas, distribuídas por meio de convênio com consórcios intermunicipais. Desde 2017, 960,755 quilômetros de estradas rurais foram atendidos. “Neste período de pandemia, a continuidade dos trabalhos no campo auxilia na logística do abastecimento e da saúde pública, que são serviços essenciais além de gerar empregos”, afirma Silva.

PARCERIA – Para o chefe do núcleo regional da Secretaria em Pitanga, José Guilherme Stipp Camilo, o consórcio intermunicipal vem beneficiando a população porque segue projetos elaborados por técnicos especializados e com respaldo dos prefeitos municipais, além de ter uma boa gestão, que busca eficiência e economicidade na execução dos projetos. “O custo é um diferencial enorme, pois o valor é muito mais baixo do que se as prefeituras consorciadas terceirizassem os trechos para empresas executarem”, diz ele.

Na semana passada, Camilo acompanhou uma equipe da Prefeitura de Pitanga nas estradas da localidade Marrequinha Quatro Encruzo. “Lá, as máquinas estão mudando a realidade de uma região, vindo ao encontro das necessidades de escoamento das produções e deslocamentos diários ”, conta.

PROGRAMA - O Paraná dispõe de 97,8 mil quilômetros de estradas rurais municipais, segundo dados de 2017, que necessitam de frequentes manutenções e/ou adequações.

O Programa abrange a Patrulha do Campo, Patrulhas Pró-Rural, Patrulhas Rurais do Estado, Projeto de Recuperação da Trafegabilidade (repasse de óleo diesel), e Pavimentação com Pedras Irregulares, com o objetivo de realizar a gestão das estradas rurais sob a responsabilidade da Secretaria de Estado da Agricultura e Abastecimento.

Fonte: AEN

Nenhum comentário:

Postar um comentário