segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Pai e filho caem em golpe do falso sequestro em Guarapuava


Um empresário e o filho dele caíram em um golpe do falso sequestro no início da tarde desta segunda-feira (25), em Guarapuava, na região central do Paraná, segundo a Polícia Civil. Os dois tiveram um prejuízo de R$ 700.

De acordo com a Polícia Civil, o empresário, que é dono de uma revenda de carros, recebeu uma ligação dizendo que o filho dele havia sido sequestrado.

Ao mesmo tempo, o rapaz recebeu uma chamada dizendo que a irmã dele havia sido sequestrada e que ele deveria ficar com o celular e telefone fixo ligados.

Conforme a polícia, o empresário estranhou que o filho não atendia o telefone e acreditou se tratar de um sequestro. Por conta disso, ele acabou depositando R$ 400 em uma conta.

O filho dele também obedeceu as ordens dos suspeitos e fez uma recarga de créditos para celular no valor de R$ 300, segundo a polícia.

Após serem pagos, os golpistas encerraram as chamadas. Na sequência, pai e filho conseguiram conversar e descobriram que haviam sido enganados.

O delegado Bruno Miranda disse que a polícia investiga o caso, no entanto afirmou que é difícil recuperar os valores perdidos. Ele também explicou como evitar cair nesse tipo de golpe.

"A vítima deve questionar ao golpista porque está fazendo o sequestro e também perguntar dados específicos de quem estão sequestrando. Também é preciso manter a calma e tentar entrar em contato com a pessoa que estaria sendo sequestrada", disse.



Vem aí grandiosa Festa na Comunidade dos Pachecos



Atletas turvenses são campeões da Taça Gercy de Paula em Candói jogando pelo Danúbio


Na tarde desse domingo (24) em Candói, os atletas de Turvo, Ricardo Silva e Mateus Augusto Garcia, foram campeões da Taça Gercy de Paula jogando pelo Danúbio. 

Foi realizada no Estádio Municipal Gercy de Paula, a grande final da Taça Gercy de Paula de Futebol Regional. O evento esportivo que reuniu equipes de toda região distribuiu mais de R$ 20 mil em prêmios, além de troféus e medalhas. 

A terceira colocação ficou para a equipe de Alto Pinhal/ Coronel Vivida, que venceu Saudade do Iguaçu, por 2 a 1. 

Já na decisão do título quem levou a melhor foi a Associação Esportiva Danúbio, de Guarapuava. A equipe derrotou o Bugre Alto/Chopinzinho, nos pênaltis, por 3 a 2. No tempo normal, o jogo terminou empatado em 0 a 0. 

A partida teve transmissão da Extra FM, emissora do Grupo Bom Jesus de Comunicação. Além da final da competição, a administração aproveitou o momento para apresentar os alunos da Escola Furacão, projeto em parceria com o Clube Athletico Paranaense. O evento contou com a participação de pais dos alunos, vereadores, dirigentes esportivos e demais autoridades do município.

Com informações do RBJ
Ricardo Silva

Mateus Augusto Garcia

Igreja Presbiteriana do Brasil comemora 91 anos em Turvo


A Igreja Presbiteriana do Brasil comemorou neste domingo (25/11), 91 anos de organização em Turvo. Pela manhã foi realizado o culto com apresentações e ao meio dia foi servido um delicioso almoço para os presentes. 

A Igreja Presbiteriana é uma comunidade evangélica que visa cumprir o chamado de Deus de levar as Boas Novas de Jesus Cristo. Como base para cumprir este chamado, investe no estudo da Palavra de Deus e na prática da oração, visando o crescimento espiritual de cada membro da igreja. Procuramos realizar todos os trabalhos com esforço e dedicação, contudo reconhecemos que estamos num processo de constante aprendizado. 

Tudo que fazemos tem um objetivo final.

A Glória de Deus Pai - pois Ele é o nosso Senhor.

Único digno de toda Honra Glória e Louvor. Amém.


Clique na foto para ampliar:
Fotos: Elisangela Rickli



























Adote uma cartinha no Correio de Turvo e realiza o sonho de uma criança da Escola Elias Abrahão




Governo vai dobrar programa Escola Segura em 2020


O Governo do Paraná prevê implantar o programa Escola Segura em mais 150 escolas em 2020. A iniciativa, que reforça a segurança nos colégios estaduais, funciona hoje em 77 unidades que atendem 81,7 mil alunos.

“O programa teve resultados expressivos e grande aprovação da comunidade escolar”, afirma o chefe da Casa Civil, Guto Silva. “A queda de ocorrências, com acionamento da Patrulha Escolar, caiu muito, chegando, em alguns casos, a mais de 70%”, diz.

Para auxiliar a expansão do programa, o governador Carlos Massa Ratinho Junior sancionou a lei 20011, que altera legislação anterior, de 2017, modificando os critérios para enquadramento de veteranos no Corpo de Militares Estaduais Inativos Voluntários – CMEIV.

MUDANÇAS – Na prática, a nova lei amplia o universo de inativos que poderão participar do Escola Segura. “As mudanças feitas vão facilitar o processo de convocação de policiais para exercer atividades junto ao poder público”, acrescenta Silva.

Pela nova redação, poderão integrar o CMEIV o militar estadual que tenha sido transferido para a reserva remunerada com proventos integrais; compulsoriamente por ter atingido a idade limite; ou que tenha sido transferido para a reserva remunerada, com proventos proporcionais. Em todos os casos, o militar deverá atender os requisitos de comportamento e atuação estabelecidos pela corporação.

“Existia uma grande demanda de policiais inativos que tinham interesse em participar do Escola Segura, mas eles esbarravam em duas exigências: a obrigatoriedade de cumprir no mínimo dois anos de reserva e o impedimento daqueles que iam para a reforma automaticamente. A lei muda isso, reduzindo a restrição”, explica o chefe do Estado-Maior da PM do Paraná, coronel Lanes Randal Prates.

SELEÇÃO - O processo seletivo para participar do programa e o treinamento intensivo dos selecionados continuarão responsabilidade da Polícia Militar.

Até o final do ano, a PM prevê a publicação de um edital de chamamento, já com base na nova lei, que vai oferecer as 48 vagas ainda não ocupadas das 200 autorizadas este ano pelo Governo. Hoje, 152 policiais militares da reserva atuam no Escola Segura nas cidades de Londrina (25 escolas), Foz do Iguaçu (12 escolas) e na Região Metropolitana de Curitiba (40 escolas).

Um edital com novas vagas deverá sair no início de 2020. “O programa será ampliado porque foi um sucesso absoluto, com adesão de professores, diretores, pais, alunos e também dos policiais. O Escola Segura trouxe tranquilidade para os colégios”, afirma o coronel Prates.

COMO FUNCIONA - O Escola Segura integra a Polícia Militar e as secretarias de Estado da Educação e do Esporte e da Segurança Pública. Criado neste ano para estreitar laços entre comunidade escolar e A PM, o programa prevê a presença física de policiais militares da reserva nas escolas em dois turnos, das 7h às 15h e das 15h às 23h, e também o suporte de unidades móveis e integração com o serviço de inteligência da área de segurança.

O programa também foi pensado para complementar as atividades preventivas já desempenhadas pelo Batalhão de Patrulha Escolar Comunitária (BPEC).

Hemepar ressalta importância da doação de sangue


A Secretaria de Estado da Saúde celebra nesta segunda-feira (25) o Dia Nacional do Doador de Sangue ressaltando a importância deste ato de amor e solidariedade.

O Hemepar é o órgão responsável no Paraná pela coleta, armazenamento, processamento, transfusão e distribuição de sangue para 385 hospitais públicos, privados e filantrópicos, além de atender 92,8% de leitos SUS no Estado.
“O sangue é a vida que corre nas veias dele”, assim que Clarice Raimunde se refere às transfusões que seu filho Marcos Daniel de Quadros (Marquinhos) de apenas cinco anos, recebe regularmente no Hemepar - Centro de Hematologia e Hemoterapia do Paraná.
Há um ano e três meses, Marquinhos trata a Talassemia Major (doença que impede a produção de hemácias – responsáveis por carregar o oxigênio para as células) através de transfusões de sangue no ambulatório do Hemepar Curitiba. Somente em 2018,

Marquinhos recebeu 11 bolsas com concentrado de hemácias e em 2019, de janeiro a novembro, mais 16. Esse tratamento só foi possível graças a, no mínimo, 27 doações de sangue.
Sabrina da Silva, 20 anos, possui falciforme (doença que faz com que os glóbulos vermelhos fiquem deformados e quebrem), e também faz tratamento na rede. “Os médicos estimaram cinco anos de vida para minha filha, e graças à existência do tratamento e possibilidade de transfusões de sangue mensais, ela está viva hoje. É preciso entender que tem gente que precisa desse sangue, e isso é muito importante, salva a vida de uma pessoa”, disse Sofia Augusta da Silva, mãe de Sabrina.

A Talassemia e a Falciforme são duas doenças pelas quais, em média, 240 pessoas precisam receber transfusões de sangue, todos em meses, na Hemorrede. “Nós mães que estamos nessa lida e correria constante com eles sabemos o quanto é importante a doação. Se não houvesse doações e a possibilidade de transfusões de sangue, meu filho não estaria vivo”, diz Raimunde.

“Não há substituto para o sangue, a única forma de salvar a vida de alguém que precisa é doando. O ideal é que cada cidadão doe pelo menos duas vezes ao ano, pois uma única bolsa de sangue pode salvar pelo menos quatro pessoas”, disse o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto.
Segundo ele, para manter um estoque adequado no banco, são necessárias muitas doações. “Existe a necessidade que as pessoas compareçam aos bancos de sangue de uma forma sistemática e regular para que sempre tenhamos em estoque todos os hemocomponentes prontos para uso”, afirmou.

DADOS – Na Hemorrede no primeiro semestre de 2018 foram feitas 110.959 entrevistas com doadores, e um total de 91.262 bolsas de sangue coletadas. No primeiro semestre de 2019, 111.215 entrevistas e 91.492 bolsas. Nos meses de julho, agosto, setembro e outubro, em 2018, 53.310 candidatos e 43.295 bolsas e, no mesmo período em 2019, cerca de 50.498 candidatos e 41.135 bolsas coletadas, o que demonstra uma diminuição significativa neste segundo semestre.
“Dizemos que a cada doação, o doador pode viabilizar o tratamento de até quatro pessoas, pois o sangue é separado em quatro componentes diferentes e é utilizado para o paciente somente o hemocomponente que ele precisa”, explicou a diretora do Hemepar, Liana Andrade Labres de Souza.
De acordo com ela, doações em massa nem sempre significam efetividade de doações. “É muito importante que os doadores compareçam aos bancos de sangue não só neste período, mas durante o ano todo, porque o sangue tem validade, a plaqueta tem validade de cinco dias, o concentrado de hemácias, 42 dias, e o plasma e o crio podem ser armazenados por até dois anos”.

Danielli Grosso, 38 anos, esteve no Hemepar nesta sexta-feira (22) para doação e falou sobre a importância deste gesto que realiza em média três vezes ao ano, há mais de 15 anos. “A importância é mantermos o banco sempre abastecido. Eu acredito que as pessoas têm que colocar doação de sangue na sua rotina, assim como programamos de ir ao médico e ao dentista regularmente, devemos nos programar para doar sangue”.

Um primo da doadora teve leucemia aos 17 anos e precisava constantemente de doações. O incentivo a este ato de amor também veio de seu pai, que é bombeiro e, por ser militar, possui o hábito de doar. “Não temos ideia de quantas pessoas podemos ajudar e quantas pessoas necessitam dessa doação. Não são só os acidentados ou as pessoas em tratamento de câncer, tem pessoas que tem deficiência na produção de plaquetas e que dependem dessas doações regulares para ter seu tratamento atendido”, afirmou.

INVESTIMENTOS – Neste ano, o Governo do Estado já investiu cerca de R$ 2,267 milhões em equipamentos e pesquisas em toda a Hemorrede, além de um pouco mais de R$ 550 mil em recursos federais. Ainda em 2019 estão previstos mais de R$ 1,2 milhão entre recursos estaduais e federais para inovação e tecnologia, além de melhorias visando à segurança transfusional dos pacientes e doadores.

REDE – A Hemorrede, como é chamada a rede do Hemepar, é uma instituição referência no Paraná em hemoterapia e hematologia e possui 23 unidades, sendo: um Hemocentro Coordenador, quatro Hemocentros Regionais, uma Agência Transfusional, nove Hemonúcleos e oito unidades de coleta e transfusão.

PARA SER DOADOR – Estar em boas condições de saúde; ter entre 16 e 67 anos (menores de idade com autorização e presença do responsável legal); pesar no mínimo 51 quilos; estar descansado e alimentado (evitar alimentação gordurosa nas quatro horas que antecedem a doação); apresentar documento oficial com foto (Carteira de Identidade, Carteira do Conselho Profissional, Carteira de Trabalho, Passaporte ou Carteira Nacional de Habilitação).
Homens podem doar sangue a cada 60 dias e no período de 12 meses até quatro doações e mulheres em um intervalo de 90 dias e no período de 12 meses até três doações.

IMPEDIMENTOS TEMPORÁRIOS – Gripe ou resfriado: aguardar sete dias após a cura; diarreia: aguardar sete dias após a cura; durante a gravidez: 90 dias após parto normal e 180 dias após cesariana; amamentação (se o parto ocorreu há menos de 12 meses); ingestão de bebida alcoólica nas 12 horas que antecedem a doação; tatuagem nos últimos 12 meses; piercing nos últimos 12 meses (piercing genital e oral 12 meses após a retirada); tratamento dentário: período varia de 1 a 7 dias; situações nas quais houve maior risco de adquirir doenças sexualmente transmissíveis (aguardar 12 meses) e outras situações a serem avaliadas.

IMPEDIMENTOS DEFINITIVOS – Hepatite viral após os 10 anos de idade; diabetes insulinodependente; epilepsia ou convulsão; hanseníase; doença renal crônica; antecedentes de neoplasias (câncer); antecedentes de acidente vascular cerebral (derrame); evidência clínica ou laboratorial das seguintes doenças transmissíveis pelo sangue: hepatites B e C, Aids (Vírus HIV), doenças associadas ao HTLV I/II e doença de chagas.

DIA NACIONAL DO DOADOR – Na segunda (25), o Hemepar Curitiba distribuirá um lanche especial aos doadores, além da decoração com balões de gás com desenhos de pacientes e frases de agradecimento pela doação.