terça-feira, 18 de abril de 2017

Mãe de funcionário de banco sabe de assalto e morre do coração


A mãe de um funcionário de um banco de Rosário do Ivaí, no norte do Paraná, morreu após saber de um assalto a um banco na tarde desta terça-feira (18). A idosa, de 60 anos, teve um ataque cardíaco após ouvir os tiros e saber do assalto. Ela foi levada à Santa Casa por familiares, foi socorrida, mas não resistiu.

Segundo a Polícia Militar, a ação na agência levou cerca de meia hora e foi praticada por oito homens, alguns armados com fuzis. Dois vigias foram feitos reféns.

Moradores registraram parte do assalto.

Para evitar a aproximação da polícia, os assaltantes fizeram vários disparos e fizeram um cordão humano com alguns clientes e funcionários. O grupo tentou acessar o cofre da agência, mas não conseguiu. Eles fugiram levando o dinheiro de um dos caixas. O valor não foi divulgado.

Na fuga, um dos vigias foi posto no capô do carro. Ambos foram liberados na saída da cidade em estradas rurais que dão acesso a cidades como Ortigueira e Reserva, nos Campos Gerais.

Buscas estão sendo feitas pela região. Mas, até o fim da tarde nenhum suspeito havia sido identificado ou preso.

Fonte: G1 - PR

Governo divulga resultado do concurso da Polícia Científica do Paraná


O Governo do Estado divulgou nesta terça-feira (18) o resultado dos aprovados na prova objetiva do concurso público da Polícia Científica do Paraná. São 54 vagas no total, entre nível médio e superior. O concurso é para provimento nos cargos de Médicos Legistas (31), Perito Criminal (13), Odonto Legista (1), Químico Legista (1), Toxicologista (1), Auxiliar de Necropsia (6), e Auxiliar de Perícia (1). 

A lista dos aprovados nesta etapa pode ser conferida no site do Instituto Brasileiro de Formação e Capacitação, responsável pelo concurso pode ser conferido AQUI

Foi considerado aprovado na prova objetiva o candidato que obteve no mínimo 50% do total de pontos, sem ter zerado em nenhuma das áreas de conhecimento. 

ANTECIPA - A previsão inicial era divulgar os resultados no dia 24 de abril, mas os examinadores conseguiram antecipar a publicação. “Depois de demonstrarmos planejamento para continuar investindo em novas contratações, estamos demonstrando agilidade, qualidade e todo o esforço possível em cada nova etapa do processo seletivo”, afirmou o secretário da Segurança Pública e Administração Penitenciária, Wagner Mesquita.

DEMAIS FASES - O concurso contou com 42.210 inscritos, mas 21 mil pessoas efetivamente realizaram as provas no dia 26 de março. Após a divulgação dos aprovados na prova objetiva, será aberta a fase de recursos no dia 19 de abril (quarta-feira). O processo segue com a correção das provas discursivas e, posteriormente, chamamento para avaliação de títulos. A última fase será a avaliação psicológica, de caráter eliminatório. Não há data definida para essas próximas etapas do concurso.

A carga de trabalho varia em jornadas de 20h ou 40h semanais, conforme especificado para a função desejada, e os salários variam de R$ 3.163,35 a R$ 9.264,57.

Fonte: www.aen.pr.gov.br

IAP analisa licenciamento ambiental para instalação de frigorífico da Frimesa


O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) recebeu os documentos e estudos para continuidade do licenciamento ambiental para instalação do frigorífico da Cooperativa Frimesa, em Assis Chateabriand, no Oeste do Estado. Os documentos são condicionantes da Licença Ambiental Prévia, emitida em agosto do ano passado pelo órgão ambiental, e exigidos para a próxima etapa – a análise da Licença de Instalação.

Entre esses documentos, a empresa apresentou o Plano de Gerenciamento Regional de Utilização Agrícola de Dejetos Suínos que serão gerados nas propriedades que vão fornecer matéria-prima para frigorífico. O plano de gerenciamento será pioneiro no Paraná.

A previsão é que o frigorífico receba, em 2030, 15 mil suínos para abate por dia. Para atingir essa meta será necessário um rebanho de mais de 4 milhões de animais, que deverão ser criados por proprietários rurais próximos e membros da cooperativa. 

“Pensando nisso e na responsabilidade compartilhada, nós estamos nos preocupando e exigindo que a cooperativa dê apoio e suporte aos futuros fornecedores, como assessoria de planejamento, de execução de projeto, destinação de dejetos e carcaças, entre outros”, explica o presidente do IAP, Luiz Tarcísio Mossato Pinto. 

A proposta considera os poluentes que limitam o uso agrícola dos dejetos de suínos, tais como fósforo, potássio e nitrogênio, que podem ser usados como fertilizantes, dependendo da aptidão do solo na região. A medida reduziria custos de adubação das culturas e pastagens.

“Nossa preocupação é que a suinocultura é uma atividade poluidora, que gera uma quantidade muito grande de dejetos por dia e é preciso controlar onde serão aplicados”, disse Tarcísio. “Por isso, trabalhamos para estabelecer um ambiente sustentável no qual a cooperativa tenha um Termo de Responsabilidade de Gestão Integrada da empresa com os seus cooperados, o que vai contribuir para que possamos monitorar e fiscalizar as atividades com mais eficiência”, explica o presidente do IAP.

Os estudos apresentados serão analisados por técnicos do Instituto, que poderão ainda pedir complementações ou alterações, de acordo com suas experiências de campo para compor condicionantes da Licença de Instalação, que deverá ser emitida no próximo mês, e também da Licença de Operação. 

Da mesma maneira, os licenciamentos ambientais das propriedades rurais que irão fornecer matéria-prima ao frigorífico também serão condicionados de acordo com o Plano de Gerenciamento apresentado.

FRIGORÍFICO - O frigorífico de abate de suínos da cooperativa Frimesa será o maior frigorífico de abate de suínos da América Latina. O empreendimento conta com investimento de R$ 2,7 bilhões e parte do projeto será financiada pela agência paranaense do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE). 

A previsão é de que sejam gerados 8,5 mil empregos quando a unidade atingir a capacidade máxima. Destes, 5,5 mil serão empregos diretos. Após a conclusão de todas as etapas produtivas, a capacidade de abate da nova unidade será de 15 mil animais por dia.

Fonte: www.aen.pr.gov.br

CÂMARA DE TURVO: NOTA DE ESCLARECIMENTO


Diante das polêmicas que tomaram conta das redes sociais de nosso município nos últimos dias a Câmara Municipal de Turvo, tem por obrigação e no afã de informar, esclarecer os fatos que se seguem:

1 – Deu entrada para apreciação do plenário, dois projetos de leis de nº 11 e 12/2017, os quais tratam de aquisição de duas áreas de terras para implantação de duas unidades de conservação municipal de proteção integral, isso no dia 03 de abril, lido em plenário e apreciado o regime de urgência dos mesmos, conforme determina o artigo 133 do Regimento Interno, aprovado por unanimidade de votos, foram os mesmos encaminhados as comissões de Legislação, Justiça e Redação e de Finanças, Orçamentos e Fiscalização, onde permaneceram durante aquela semana, com reunião das mesmas e apresentação do relatório e parecer na sessão ordinária do dia 10 de abril.

2 – Na sessão do dia 10 d e Abril abriu-se espaço, para técnicos do IAP, discorrerem sobre o ICMS Ecológico, onde o senhor OTAVIO MANFIO – Geógrafo do IAP e responsável pelo ICMS ecológico na regional de Guarapuava e região, esclareceu todos os pontos sobre o recebimento do ICMS ecológico por razão da aquisição dessas áreas, esteve ainda presente o prefeito da cidade de Mato Rico, expondo as suas experiências com a implantação dessas áreas e o recebimento do ICMS Ecológico.

3 – Nessa mesma sessão ordinária foram discutidos os pareceres das comissões e votados e aprovados por unanimidade de votos, foi também colocado em primeira discussão os projetos de leis, os quais foram aprovados também por unanimidade de votos. Na sequência foi apresentado requerimento de autoria do vereador Antonio Schinemann Sobrinho, solicitando a dispensa do segundo turno de discussões dos projetos nº 11 e 12/2017, com justificativa de que a aprovação dentro do mês de abril, com sanção pelo prefeito, dará direito ao município de receber os valores do ICMS Ecológico a partir do mês de janeiro de 2018. Requerimento este aprovado por unanimidade de votos. Portanto aprovados os dois projetos de leis.

4 – Refutamos aqui as inverdades colocadas nos meios sociais de que a Câmara teria dispensado inclusive a apresentação de pareceres e feito tudo ao arrepio do Regimento Interno, citando inclusive artigos 133 e 134, sem o menor conhecimento, pois antes mesmo de dar entrada aos projetos, já haviam sido feito reuniões com todos os vereadores para apresentação dos projetos e falar sobre as vantagens dos mesmos, e todo o tramite ocorreu de maneira correta e transparente, podendo inclusive, aqueles que se acharem prejudicados, entrar com representação contra os atos do Poder Legislativo.

5 – Ao final citamos que quanto à aquisição dessas áreas o município não irá dispor de nenhum valor, pois todo o pagamento por essas áreas será feito após o inicio do recebimento dos valores do ICMS Ecológico, que será dividido da seguinte forma: 50% (cinquenta por cento), do valor arrecadado serão utilizados para o pagamento das áreas aos proprietários, os outros 50% (cinquenta por cento), serão subdivididos, sendo 10% (dez por cento), para investimentos nas unidades de conservação, 25% (vinte e cinco por cento), para aplicação em ações de Educação e 15% (quinze por cento), para aplicações em ações de Saúde.

Sempre na condição de representantes legítimos de nossa população e na busca do que é de melhor para todos, é que a discussão e aprovação de tais matérias se deu com toda a urgência aqui disposta, mas nunca passando por cima de qualquer dispositivo legal e sempre com total transparência, podendo a qualquer momento as pessoas requerer junto a esta casa cópias de qualquer documento e inclusive existe o áudio da sessão onde tudo isto pode ser verificado.


Atenciosamente

ERALDO MATTOS DE OLIVEIRA

Presidente



FONTE: www.camaraturvo.pr.gov.br


Escolas estaduais começam a receber 75 toneladas de carne bovina



As 2,1 mil escolas da rede estadual de ensino começaram a receber a segunda remessa de carne bovina para a merenda escolar. Nos próximos dias serão entregues 75 toneladas de carne bovina (patinho) em cubo a todas as unidades de ensino. No final do mês de maio as escolas estaduais vão receber a segunda remessa, contendo peito de frango. 

Para garantir a qualidade dos alimentos que integram a merenda escolar, o Governo do Estado faz um rigoroso controle dos itens, como os testes de rotina que garantem o nível adequado dos produtos da alimentação do estudantes. 

O Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional (Fundepar), responsável pela alimentação escolar, esclarece que se houver qualquer inconformidade, o produto é recusado. Eventuais fornecedores que não entreguem o produto em conformidade são suspensos e ficam proibidos de contratar com o poder público.

O investimento anual para a aquisição dos gêneros alimentícios congelados, que inclui as carnes de frango, bovina, suína e filé de peixe, é superior a R$ 22 milhões. 

Este ano o Governo do Paraná destinará ao todo cerca de R$ 100 milhões para a aquisição de alimentos da merenda. O investimento é parte do Programa Estadual de Alimentação Escolar, que prevê refeições com cardápio diversificado, de forma que os estudantes tenham todos os nutrientes necessários ao seu desenvolvimento.

CARDÁPIO VARIADO– No Colégio Estadual Leôncio Correia, em Curitiba, os cardápios de segunda, quarta e sexta-feira são mais leves, com lanches doces e salgados como achocolatado, torradas e chás. Já nas terças e quintas a merendeira Loreni Ressel e suas colegas preparam um cardápio mais elaborado com arroz, feijão, farofa, macarrão, carnes e saladas. “Principalmente para os alunos da noite é necessário fazer uma refeição mais reforçada e é preciso ter criatividade”, disse Loreni.

O colégio recebeu, nesta segunda-feira (17), 72 quilos de carne bovina em cubos. “Com cardápios criativos podemos variar entre carnes e ovos e garantir a alimentação saudável, com boa apresentação. Aí eles comem também com os olhos”, lembrou.

A lista de alimentos entregues anualmente às escolas contempla mais de 150 itens, divididos em três grupos: produtos não perecíveis, entregues entre quatro e cinco vezes por ano; alimentos congelados (carnes e peixes), entregues a cada 15 dias; alimentos da agricultura familiar, que são encaminhados semanalmente às escolas, por serem perecíveis; além dos ovos, cuja entrega é contínua ao longo do ano letivo.

AGRICULTURA FAMILIAR – O processo de classificação dos fornecedores está em fase de conclusão. A entrega está prevista para o mês de maio. Os alimentos oriundos da agricultura familiar compreendem 12 grupos que incluem frutas, hortaliças e pinhão, legumes, tubérculos, temperos, leite, lácteos (queijos, iogurte entre outros), panificados, carnes, sucos, complementos (geleias e doces), feijões e cereal.

BALANÇAS – A Secretaria de Estado da Educação já iniciou a entrega de 1,5 mil balanças de precisão para auxiliar as equipes de cozinha a medirem a quantidade e peso exato dos alimentos, evitando desperdícios e garantindo que os pratos tenham o valor nutricional adequado às necessidades dos estudantes. O investimento é de R$ 1,7 milhão.

Fonte: www.aen.pr.gov.br

DE JOGADOR À APOIADOR: ALVARO GÁS E SUAS HISTÓRIAS PARA CONTAR



O mundo do esporte guarda muitas memórias, ainda mais àquelas que formam personagens principais do futebol-arte. É o caso do Alvaro Monteiro de Mato de Ubaíra-BA, que jogou a bola para escanteio no auge da carreira e, escolheu a terra dos campos gerais para empreender e viver a vida pós futebol. Em Guarapuava, conhecido como “Alvaro gás”, poucos sabem da verdadeira história do jogador que brilhou na era Pelé.

Hoje, com 70 anos e dono de uma vida tranquila, conta que começou sua vida esportiva muito cedo, no juvenil do Vasco em 1965. Por lá ficou cinco anos, tendo como companheiro de equipe Joel Santana; “Antigamente você ia para o profissional depois que completava vinte anos. Mas, com dezoito, já treinava com os profissionais e jogava no Maracanã”, relata.

O futebol sempre foi paixão nacional, e nas décadas de 60/70 os estádios lotavam. O clássico da vez era Vascoda Gama versus Flamengo pelo campeonato carioca. Com mais de 50 mil torcedores no Maracanã, Alvaro que era zagueiro titular deixou seu registro marcado com um gol de pênalti. Nesse dia, ocorreu uma das maiores goleadas da história sofrida pelo Flamengo contra rivais, que perdeu de quatro a zero.

Em 1969 foi emprestado como reforço para o antigo Grêmio Oeste de Guarapuava, jogando ao lado de Garrincha. A equipe participou de grandes campeonatos na época, como o paranaense da primeira divisão. Já na década de 70, estava acertado com o Coritiba e o Paysandu queria seu passe – que possibilitaria a Alvaro de ter melhores condições financeiras. Mas quem teve a felicidade de fechar com o jogador foi o Colorado – atual Paraná Clube; “Antigamente o passe era preso, não se podia escolher onde jogar. Hoje é feito contrato com passe livre”, conta.

O JOGO DA SUA VIDA

Graças ao futebol ou ao próprio destino, o jogador conheceu a mãe de seus filhos em Guarapuava e são casados até hoje “Uma companheira para toda a vida”, descreve. Mas como no futebol não existe lugar fixo, viajou o Brasil e o mundo com a bola nos pés. Em 1973, ainda quando estava no Colorado, foi emprestado para o Comercial de Campo Grande para disputar o campeonato brasileiro. Sua habilidade em campo, fez com que disputasse a bola de ouro pela revista placar. Porém, pouco tempo antes do término do campeonato, se afastou para casar, ficando um mês longe dos gramados. Infelizmente acabou perdendo a bola de ouro e a posição na revista, mas, não a do time. No último jogo do campeonato os dirigentes queriam Alvaro pela última vez, já que estava retornando para Curitiba. Esse jogo foi contra o Vasco – antigo clube. Digna de uma atuação brilhante, conta que um dos momentos mais emocionantes da carreira foi jogar contra o time que iniciou a sua vida no esporte; “é diferente você começar num time e depois jogar contra ele”, diz o ex jogador.

Num jogo contra o Santos, ainda vestindo a camisa do Comercial de Campo Grande, Alvaro teve o prazer de marcar o Rei do Futebol. E quem disse que é fácil passar pelo zagueiro? Nem Pelé. O Santos perdeu por um a zero na capital mato-grossense. “A diretoria ficou tão feliz que pagou uma gratificação aos jogadores. Foi uma época que marcou, porque não é todo mundo que teve a oportunidade de jogar contra o Pelé”, lembra.



NOVA ERA

Em uma excursão para África em 1976, a equipe do Colorado ficou mais de um mês fora das terras brasileiras. Era uma época que o clube estava passando por dificuldades financeiras que os salários chegaram a atrasar por três meses. Alvaro não queria embarcar sem ter o dinheiro devido o nascimento de sua filha, os dirigentes prometeram o depósito na conta, porém o trato não foi cumprido nas datas estipuladas. “Terminei parando de jogar futebol por falta de pagamento”, disse.

Com 27 anos veio trabalhar em Guarapuava em uma loja de eletrodoméstico a qual pertencia ao seu sogro. Como carregava consigo o espírito empreendedor, resolveu abrir uma revenda de gás. Foi então que iniciou os trabalhos na rua XV de novembro – ao lado do antigo Komilão. Mas um incêndio que causou numa distribuidora da Saldanha Marinho, fez com que a prefeitura exigisse a saída da loja de Alvaro do centro da cidade, indo para o bairro do Aeroporto.

Apesar da saída repentina do futebol, o ex jogador não se arrepende de ter parado. Atualmente, além da distribuidora de gás, possui uma empresa de aquecedores. “Devido ter sentido muito frio, procurei aquecer a vida dos Guarapuavanos”, diz o empresário.

DESPORTISTA

A experiência com o futsal também o fez jogar para a seleção de Guarapuava, disputando torneios contra times de grande parte do Paraná. No futebol, era zagueiro entroncado, difícil de não pegar uma bola. No futsal, suas habilidades foram para a ala direita e esquerda, por conta de seus bons passes e visão de jogo.

Na década de oitenta, já com 44 anos e afastado há um bom tempo dos gramados, jogou pelo Madeirit no amador do campeonato guarapuavano. Logo depois, fez um belo campeonato pelo Batel que por consequência veio torná-lo treinador, montando um time profissional com jogadores de todo o Brasil. Nos três anos que ficou sob comando da equipe, deu grandes alegrias para Guarapuava, no momento em que subiu para a primeira divisão e brigou pelo título do paranaense. Por conta dos compromissos que um time demanda, como viagens e dedicação total, deixando muitas vezes a própria família de lado, Alvaro resolveu abandonar de vez a bola dentro e fora do campo para se dedicar exclusivamente a suas empresas.

O empresário ainda mantém contatos com alguns ex atletas. “Todo mês há um jantar em Curitiba com os jogadores do passado. Sempre quando posso, eu vou”, relata. Em 2011, esteve com Joel Santana – com quem jogou no Vasco -,“na hora do autógrafo, falei que para meu neto, ele (Joel) era meu reserva”, conta aos risos.

Por ter jogado em vários clubes, Alvaro sabe da dificuldade financeira das pessoas que trabalham para manter uma equipe eficaz e competitiva. Hoje o empresário continua assistindo o futebol pela televisão e pelos estádios Brasil a fora, mas também prestigia e apoia o esporte guarapuavano. “Eu acho importante uma contribuição da gente para divulgar o esporte na cidade onde você vive e trabalha”, diz.

Alvaro Gás é um dos patrocinadores/apoiadores do Clube Atlético Deportivo “CAD”, que vem trazendo alegrias para a torcida e levando o nome de Guarapuava para o Brasil inteiro, nas grandes competições disputadas.

Texto: Priscila Pollon

ASSESSORIA CAD/ FOTO ARQUIVO PESSOAL.