sexta-feira, 8 de março de 2019

Café especial produzido por mulheres chega ao mercado externo

Cafeicultoras de Carlópolis e Tomazina, no Norte Pioneiro do Paraná, estão exportando o café especial que produzem na região. A venda das 460 primeiras sacas do produto ao Japão e à Austrália, nos últimos dois anos, representou aumento na renda das famílias e também mais um passo do projeto Mulheres do Café, implantado pelo Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) na região.

O café especial rende três vezes mais do que o comum. Uma saca do grão verde do especial é vendida entre R$ 1,2 mil e R$ 1,5 mil. A economista doméstica da Emater de Pinhalão, Cíntia Mara Lopes de Souza, explica que a assistência técnica para as cerca de 250 cafeicultoras da região envolve desde a escolha do local do plantio até a comercialização do produto. Onze profissionais da Emater estão envolvidos diretamente no projeto.

“A exportação é um dos resultados do trabalho que desenvolvemos. O mercado externo exige qualidade, sendo um desafio para as produtoras da agricultura familiar”, afirma Cíntia. Além do exterior, o mercado interno também tem demanda para o café especial produzido pelas mulheres do Norte Pioneiro. O produto já pode ser encontrado em cafeterias do Sul do país e de São Paulo.

AGREGAR VALOR – O objetivo do projeto Mulheres do Café é agregar valor à produção, com um tipo de produto que consegue valores mais elevados na venda. Com base em um protocolo internacional, criado pela Associação Americana de Cafés Especiais (SCAA), o produto deve apresentar pontuação acima de 80.

No processo de produção, os grãos devem passar por uma padronização na peneira e os que apresentam defeitos são eliminados. A classificação especial ainda envolve o acréscimo de atributos que dizem respeito aos sabores identificados, conforme o lote. Alguns sabores podem estar relacionados a especiarias, chocolate ou frutas e são atribuídos por especialistas da SCAA, degustadores oficiais e avaliadores da qualidade (Q-Grader).

TIPO EXPORTAÇÃO – O projeto Mulheres do Café está presente em 11 municípios do Norte Pioneiro, sendo que dois grupos começaram a exportar. As produtoras de Carlópolis venderam 260 sacas para uma empresa japonesa e o grupo Matão, de Tomazina, vendeu 200 sacas para a Austrália.

A cafeicultora e coordenadora do projeto no município, Rosana de Azevedo Felet, conta que receberam a visita de compradores japoneses, gravaram um vídeo de divulgação e venderam as primeiras 260 sacas com destino ao Oriente. “Ficamos satisfeitas, porque pudemos receber melhor pelo produto”, afirma.

Em Carlópolis o grupo soma 25 mulheres, que se reúnem com regularidade com a equipe da Emater. “O técnico da Emater explica certinho como cuidar da lavoura. Em cada época tem uma reunião diferente, antes da colheita e depois da colheita, como fazer a poda no cafeeiro, como adubar. É muito importante o projeto”.

O valor do café especial é recompensado no momento da venda. Diferente do café comum, que custa cerca de R$ 400 a saca, o especial chega a ser vendido por até R$ 1,5 mil a saca como ocorreu durante leilão realizado em Tomazina. As cafeicultoras do Grupo do Matão logo perceberam que o retorno financeiro surge quando o trabalho pela excelência do produto surge.

A coordenadora do Grupo do Matão, Maristela Fátima da Silva Souza, conta que o resultado positivo só foi alcançado pelo trabalho conjunto das cafeicultoras. “Nosso grupo arregaçou as mangas e partiu para a coleta seletiva para fazer um café de qualidade. Vencemos em três categorias em concurso de café de qualidade realizado no Paraná. A empresa exportadora veio no leilão e arrematou os lotes para exportar para a Austrália, com valor bem acima do normal”.

No ano passado, a empresa exportadora voltou a comprar café especial do Grupo do Matão, que oferece produtos com atributos diversos, como acidez cítrica, adocicado, gosto de fruta, mel e chocolate. Além das 200 sacas já vendidas à Austrália, a perspectiva para 2019 é positiva para a exportação.

“A renda do café mantém as famílias de cada uma das 23 cafeicultoras que compõem o Grupo do Matão. É característica deste grupo de Tomazina o processo essencialmente manual e que exige mais tempo nos estágios de produção”, explica Maristela.
Box
Projeto orienta as mulheres, valoriza o trabalho e gera renda
O projeto Mulheres do Café foi idealizado e é coordenado e executado pelo Instituto Emater desde 2013. Com metodologia criada exclusivamente para atender o projeto, o Emater disponibiliza equipe multidisciplinar para orientar as mulheres, valorizar o trabalho feminino e gerar renda.

As 250 cafeicultoras atendidas possuem pequenas propriedades em 11 municípios do Norte Pioneiro do Paraná: Curíúva, Figueira, Ibaiti, Japira, Jaboti, Pinhalão, Tomazina, Siqueira Campos, Salto do Itararé, Joaquim Távora e Carlópolis. A Emater promove reuniões técnicas, encontros, visitas técnicas, cursos e colabora na valorização do café produzido pelas cafeiculturas.

Em 2013, o Norte Pioneiro foi a primeira região a formalizar o Sub Capítulo da Aliança Internacional das Mulheres do Café - IWCA Brasil e ganhar o reconhecimento do projeto como referência entre os trabalhos desenvolvidos nos países onde a Aliança está presente.

Fonte: AEN

Cresol CAD Futsal vence primeiro jogo treino


Na tarde desta sexta-feira, o Cresol CAD Futsal realizou um jogo treino contra a equipe do Ivaiporã Futsal que irá disputar a chave bronze do paranaense, a partida serviu para ambas equipes testarem formações e ganharem ritmo de jogo, o placar final da partida ficou em 6 x 2 para a equipe Guarapuavana, gols assinalados pelos jogadores Willian Cunha, Gabriel, Vitão, Evaldo, Fabricio e Andrei. 

O próximo compromisso será na sexta-feira que vem, também em casa as 20 horas, contra a equipe de Campo Mourão que irá disputar a liga nacional 2019 e está com um elenco recheado de jogadores multi campeões, os ingressos estarão disponíveis a partir da próxima segunda na casa esporte.


Ex-prefeito de Goioxim e servidor municipal têm os direitos políticos suspensos e devem pagar multa a partir de ação do MPPR


O ex-prefeito de Goioxim, no Centro-Sul do estado, (gestão 2005-2008), e um servidor municipal foram condenados por ato de improbidade administrativa por conta de uma licitação fraudulenta. Eles tiveram os direitos políticos suspensos por três anos e devem pagar multa (em valor equivalente a dez vezes a remuneração recebida à época dos fatos, com correção). A decisão, proferida na quinta-feira, 7 de março, atende ação civil pública proposta pelo Ministério Público do Paraná, por meio da Promotoria de Justiça de Cantagalo, responsável pela comarca.

Conforme relata o MPPR na ação, o procedimento licitatório questionado culminou na contratação da empresa do pai da então secretária municipal de Finanças, que também participou da comissão responsável pelo certame. Além do ex-gestor e do servidor condenados, a ação tinha outros sete réus, incluindo a empresa favorecida e a ex-secretária de Finanças, que foram absolvidos por prescrição dos atos de improbidade praticados. O prefeito foi eleito como vice, mas assumiu a prefeitura em 2006 em face de falecimento do então titular da pasta.

Ilegalidades – A licitação questionada teve como principais irregularidades o parentesco entre os réus, o fato de não respeitar os prazos mínimos do procedimento licitatório (o edital tem a mesma data do dia do julgamento das propostas para a concorrência), a violação do número mínimo de licitantes, o não cumprimento de requisitos do edital (ausência de assinaturas e notas fiscais sem datas), a inexistência de contrato e aditivo contratual com a empresa e o pagamento ter sido feito em contas diversas.

A empresa beneficiada foi vencedora em várias licitações realizadas em Goioxim para serviços como “construção de pontos de ônibus”, “reforma de sala de aula”, “manutenção de estabelecimentos”, todos não especificados, sem descrição de projeto, execução, etc. Foi observada ainda a vigência simultânea de contratos como objetos similares ou idênticos.

Fonte: www.mppr.mp.br

Polícia prende 282 homens por violência contra mulher


A Polícia Civil do Paraná prendeu, em uma semana, 282 homens por prática de crimes contra a mulher em todo Estado. O balanço parcial da Operação Respeito, divulgado na manhã desta sexta-feira (8) em Cascavel, informa que 241 suspeitos foram autuados em flagrante por violência doméstica e outros 41 foram presos por mandados de prisão, incluindo suspeitos de autoria de feminicídio. A Operação Respeito termina às 18h desta sexta-feira.

Entre as prisões em flagrante, as unidades com maior número de registros no período foram a Divisão Policial Metropolitana, que prendeu 33 suspeitos, a Delegacia da Mulher da Capital (19), a Delegacia da Mulher de Ponta Grossa (19) e a Delegacia da Mulher de Maringá (18).

Os mandados de prisão foram cumpridos nas Delegacias da Mulher de Jacarezinho (8), Toledo (7), Maringá (6), Capital (5), Londrina (3), Pato Branco (3), Foz do Iguaçu (2), São José dos Pinhais (2), Umuarama (2), Telêmaco Borba (2) e Francisco Beltrão (1).

Segundo o coordenador da operação e delegado-chefe da Divisão de Polícia Especializada, Alexandre Macorin de Lima, a maioria dos crimes foi de ameaça e agressões físicas. Foram registrados 3 feminicídios nas cidades de Curitiba, Foz do Iguaçu e Toledo, além de 2 tentativas de feminicídio, uma em Cascavel e outra em Francisco Beltrão.

Alexandre falou sobe a importância da denúncia diante da violência doméstica. “Não deixem de procurar a delegacia diante de uma mulher agredida. Não só as vítimas, mas os vizinhos, os parentes ao observar uma mulher ser agredida devem evitar um mal através da denúncia”, diz.

CARNAVAL - A escolha do período de Carnaval para a força-tarefa foi motivada pelo aumento no consumo de bebida alcóolica durante as festa e a respectiva ocorrência de crimes dessa natureza. Os locais de prisão foram diversos, desde blocos de Carnaval até residências. A ação da Polícia Civil contou com o apoio da Polícia Militar e Guarda Municipal, que colaboram através da Patrulha Maria da Penha.

Apesar da Operação Respeito ser pontual, o coordenador da operação afirma que o trabalho de combate à violência contra a mulher é exaustivo e rotineiro. Existem 20 Delegacias da Mulher no Paraná. Todas as prisões geram inquérito, o que reforça o poder de investigação e punição diante deste tipo de crime.

CRIMES EM CASCAVEL - Em 2019 foram registrados um feminicídio consumado e 3 tentativas na cidade de Cascavel, além de outros duas tentativas de feminicídio em cidades vizinhas.

A delegada-chefe da Subdivisão Policial de Cascavel, Mariana Antonieta Badotti, lembra que a violência contra a mulher não se resume ao enfrentamento por parte da segurança pública. O atendimento multidisciplinar é essencial para o enfrentamento e por isso estão sendo feitas readequações na unidade da cidade.

Em 2017 e 2018 foi feito um diagnóstico pela Delegacia de Cascavel em relação aos crimes praticados contra a mulher. Segundo Mariana, a maioria foi praticada na residência da vítima ou locais que ela costuma frequentar. Em relação à motivação foi constatado que a mulher tinha revelado o desejo de separação, que não era de acordo do companheiro. Devido à possessividade, o autor é levado à prática de violência contra a mulher. Nem todas as vítimas haviam sofrido violência antes, e muitos dos autores que cometeram feminicídio não tinham passagem pela Polícia.

Diante desse diagnóstico, Mariana analisa outras características em relação à violência doméstica. “Era comum a reiteração da violência. No momento é verificada outra característica. Começamos a perceber a possessividade, o homem tratando a mulher como propriedade. É um fator comportamental importante para identificar nos relacionamentos. Como se desenvolve entre quatro paredes alertamos a sociedade a identificar uma situação que pode evoluir de algo normal para algo letal”, afirma.

OPERAÇÃO RESPEITO - A ação conta com a participação de 250 policiais civis e recebeu o nome de Operação Respeito em alusão ao Dia Internacional da Mulher.

As ações tiveram início no sábado de Carnaval. A força-tarefa agilizou todos os pedidos de medidas cautelares e prisões referente aos casos de violência contra a mulher que ocorreram durante o período de Carnaval com intuito de dar uma resposta rápida contra esses crimes de gênero.

Fonte: AEN

Bombeiros evitam suicídio na passarela da BR-277 em Laranjeiras do Sul


Na manhã desta sexta dia 08, uma tentativa de suicídio foi registrada em Laranjeiras do Sul.

Uma mulher estava em pé, apoiada no guarda corpo da passarela, consciente e sem resposta verbal.

Após uma conversa da equipe com à vítima, foi constatado que ela queria tentar suicídio devido a uma doença que havia descoberto no dia anterior.

Após longa conversa, a vítima concordou em ser transportada apenas para um psicólogo de sua confiança.

Devida circunstância de risco eminente à vida, foi concordado e realizado transporte até o posto de saúde.

Fonte: Portal Cantu

Dia da Mulher terá programação especial em Turvo


A administração municipal, através das secretarias da Família e Desenvolvimento Social e de Saúde organizaram uma programação especial para o Dia da Mulher em Turvo.
Neste sábado, dia 09 de março, a programação será realizada entre às 13h e às 17h, no salão da Igreja Luterana, na Vila Jaime.
Haverá oficinas de diversos temas, e palestra com Maria Lucia Raimondo

Participe, pois este assunto interessa a todas.

Pela primeira vez, uma mulher assume a presidência da CACICOPAR

Desde fevereiro deste ano, a empresária guarapuavana Maria Inês Guiné está à frente da Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresariais do Centro-Oeste do Paraná

O associativismo funciona dentro de um sistema. A ACIG (Associação Comercial e Empresarial de Guarapuava) é uma entidade que representa a classe empresarial local e, ao mesmo tempo, integra também uma rede associativista em nível regional com a CACICOPAR (Coordenadoria das Associações Comerciais e Empresariais do Centro-Oeste do Paraná), em nível estadual com a FACIAP (Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná) e nacional com a CACB (Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil).

É a primeira vez que uma mulher será presidente da CACICOPAR, Coordenadoria que compreende 16 Associações que, juntas, somam mais de duas mil empresas associadas dos mais diversos segmentos. Atuante no sistema associativo há quase duas décadas, a empresária Maria Inês Guiné é uma das fundadoras do Conselho da Mulher Empresária, já foi Diretora de Eventos da ACIG por duas oportunidades e atualmente ocupa o cargo de vice-presidente da mesma entidade. Além das experiências em âmbito local, Guiné atua dentro da CACICOPAR há seis anos, onde iniciou como Diretora de Eventos passou para a vice-presidência e agora se firmou como presidente. Em nível estadual já compôs a diretoria da FACIAP Mulher e, desde 2016, é uma das representantes da região de Guarapuava no Conselho de Administração da FACIAP.

Conforme a presidente da CACICOPAR, Maria Inês Guiné, a sua gestão de dois anos será marcada pela atuação em prol da união das 16 Associações da Coordenadoria. “Quanto mais organizado e fortalecido for o comércio de um município, maiores são as possibilidades de crescimento, geração de tributos e postos de trabalho. Nossa gestão será por uma regional mais atuante economicamente e mais reconhecida em nível estadual. Temos uma região com muitas riquezas, e precisamos fortalecer todo este potencial. Para mim é muito claro que o associativismo é o melhor caminho neste processo”, afirma a presidente.

Além do foco principal no fortalecimento das entidades da região, Guiné também ressalta a sua preocupação em integrar cada vez mais as mulheres ao sistema associativo. “Meu sentimento é de alguém que tem missão intensa pela frente, dentre essas, a de bem representar as mulheres e ao representa-las, convoca-las a uma maior participação também no associativismo, pois hoje a grande maioria das empresas tem em sua linha de frente mulheres, mas na participação em entidades de classe não é esse quadro que vemos. Por quê? O que as impede? Vamos buscar essas respostas”, destaca.

Fonte: www.acig.com.br

Índios realizaram protesto na BR 277 em Nova Laranjeiras



Na manhã desta sexta-feira (08), indígenas iniciaram um protesto no Km 477 da BR 277, em Nova Laranjeiras. A Polícia Rodoviária Federal foi acionada para acompanhar a situação e garantir a segurança no local

Os índios se reuniram para pedir melhorias na área da saúde, entregar panfletos e orientar a população sobre suas demandas. O protesto foi encerrado pelos lideres.


Fonte: Tarobá News

Nesta sexta e sábado tem Bazar Beneficente na Igreja Assembleia de Deus em Turvo


Funcionário foi 'sugado' por máquina quando temperava embutidos


O funcionário que morreu após cair numa máquina de um frigorífico de frangos em Eldorado – a 447 quilômetros de Campo Grande-, esta tarde (07) foi “sugado” pela máquina enquanto lançava os temperos para os embutidos produzidos no equipamento.

Conforme o boletim de ocorrência sobre o caso, Rodrigo Lopes, de 33 anos, executava as suas funções de rotina no frigorífico da Bello Alimentos que fica às margens da BR-163, quando ocorreu o incidente. 


Aos lançar os temperos no misturador de massas que prepara as carnes de embutidos como salsichas e mortadelas, ele caiu e morreu na hora. A vítima foi "sugada" pelo equipamento e ficou presa entre as peças.

Toda a área onde ocorreu a situação foi isolada. O delegado responsável pelo caso, Pablo dos Reis, titular da delegacia na cidade, assim como um perito da Polícia Civil estiveram no local, apurando as circunstâncias da morte.



Família é amarrada durante assalto em Palmital


No dia 07 de março de 2019, por volta das 06h50min, na Rua Jandir Campanini, Centro relatou o solicitante, 76 anos, via número de emergência, que 2 indivíduos armados haviam pulado o muro de sua residência lhe assaltado e que o mesmo ainda estaria trancado e amarrado em um quarto de sua casa. 

No local a equipe constatou o fato, sendo que foram levados da vítima um veículo Fiat/Strada, 3 folhas de cheque em nome de terceiros e certa quantia em dinheiro que havia recebido na tarde anterior, proveniente de uma parcela da venda de sua casa. 

De acordo com a vítima ambos os assaltantes eram jovens, morenos, estatura mediana, usavam luvas, um deles cobriu o rosto com uma blusa, o outro deixou o rosto a mostra, que pediam por dinheiro e reviraram a casa até encontrar o cofre no quarto do casal, e obrigaram a vítima a abrir sob ameaças de morte. 

Que após lograrem êxito em conseguir o dinheiro, ordenaram às vítimas que entrassem em um dos quartos e amarraram as mesmas utilizando cintas plásticas, o solicitante e sua esposa, 74 anos e um filho do casal que é deficiente. 

Em diligências no intuito de localizar suspeitos, o genro da vítima entrou em contato dizendo que recebeu informações que o veículo estaria na localidade de São José abandonado. 

Deslocado até o local, logrando êxito na localização do veículo em uma estrada próximo à rodovia, sendo conduzido a DP de Palmital para providências cabíveis.

Fonte: 16º BPM

Defensivos agrícolas são furtados em Santa Maria do Oeste


Por volta das 00h27min do dia 07 de março de 2019 na PR 456 em Santa Maria do Oeste relata o solicitante, 35 anos que ao chegar na empresa onde trabalha constatou que de um barracão onde é armazenado defensivos agrícolas, foram furtados 4 UN DE 5L BATENT, 221 UN DE CLORIM 300GR, 1 UN ELATUS 5KG, 1 UN ENGEO PLENO 5LT, 5 UN FOX 5LT, 5 UN FUSAO 10LT, 4 UN SPHERE MAX 5 LT, 2 UN ACTARA 250 WG 100GR E ACTARA 100 WG 1KG. Feito patrulhamento, porém sem êxito. Diante dos fatos o solicitante foi orientado e repassada a situação a Policia Civil de Pitanga.

Fonte: 16º BPM