sexta-feira, 11 de outubro de 2019

Deputado Estacho economizou mais de 158 mil reais aos cofres públicos em apenas 8 meses de mandato

"O corte de privilégios é para todos"


Economia tem sido um dos principais lemas do Deputado Estadual Estacho. Desde o primeiro dia de mandato o parlamentar se comprometeu com o povo paranaense em fazer um mandato transparente, justo, honesto e de muito respeito no uso do dinheiro público.

Nas palavras do próprio parlamentar “todo o dinheiro que passa pelos cofres do Estado tem origem no cidadão, que é quem efetivamente trabalha, produz riqueza e paga seus impostos. Todo esse dinheiro deve voltar ao povo através de serviços públicos de qualidade, como saúde, educação e segurança. O dinheiro público jamais deve ser usado para sustentar privilégios de poucos”.

Para o Deputado Estacho o corte de privilégios deve atingir todos, inclusive a própria classe política. Apesar de todos os Deputados Estaduais terem assegurado por Lei o direito de utilizar pouco mais de 30 mil reais mensais em verbas de ressarcimento (despesas com aluguel, alimentação, transporte, telefonia, divulgação, entre outros) Estacho vem colocando em práticas os seus princípios, tendo economizado R$ 158.585,13 da verba somente nos primeiros 8 meses de mandato.

Estacho defende ainda que a contenção de despesas e o fim dos privilégios deve atingir todos os poderes. Assim, neste ano de 2019 o Deputado votou a favor do corte da aposentadoria especial de ex-governadores (PEC 01/2019), inclusive para cassar os benefícios já concedidos ao longo do tempo e que ainda hoje custam cerca de 4 milhões aos cofres do Estado do Paraná todos os anos. Também votou a favor do congelamento dos salários do Governador e Secretários de Estado até 2022 (P.L. 311/2019).

Em outras questões polêmicas, o Deputado segue firme na luta ao lado do povo paranaense, sempre decidindo e votando naquilo que acredita ser o melhor para tornar o Estado do Paraná mais justo, sustentável, desenvolvido, empreendedor e com oportunidades para todas as pessoas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário