segunda-feira, 20 de julho de 2020

Em 130 dias, Paraná soma mais de 55 mil casos e 1.338 mortes por Covid-19


Após 130 dias, o Paraná atinge a marca de 55.294 casos confirmados e 1.338 mortos em decorrência da Covid-19. Em informe epidemiológico desta segunda-feira (20), a Secretaria de Estado da Saúde divulga 1.268 novas confirmações e 31 óbitos. Há ajustes nos casos confirmados detalhados ao final do texto.

INTERNADOS – Nesta segunda-feira há 1.073 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 internados. Do total, 829 estão em leitos SUS (354 em UTI e 475 em enfermaria) e 244 em leitos da rede particular (80 em UTI e 164 em enfermaria).

Há outros 1.073 pacientes internados, 510 em UTI e 563 em enfermaria, que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos de infecção pelo vírus Sars-CoV-2.

ÓBITOS – Os 31 pacientes que foram a óbito, relatadas neste informe, estavam internados. São 10 mulheres e 21 homens, com idades que variam de 22 a 101 anos.

Os óbitos ocorreram entre os dias 6 a 20 de julho. Os pacientes que faleceram residiam em Curitiba (12), Campo Largo (2), Rolândia (2), São José dos Pinhais (2). Também houve uma morte em cada um dos municípios de Campo Mourão, Colombo, Fazenda Rio Grande, Goioerê, Guaraci, Irati, Itaperuçu, Lidianópolis, Londrina, Ponta Grossa, Rio Branco do Sul, São João e Urai.

FORA DO PARANÁ – O monitoramento da Secretaria da Saúde registra 615 casos de residentes de fora. 19 pessoas foram a óbito.

AJUSTES

Alteração de município:
Um caso confirmado dia 02/06 em Londrina foi transferido para Rolândia.
Um caso confirmado dia 17/07 em Rio Branco do Sul foi transferido para Itaperuçu.
Um caso confirmado dian16.07 em Inácio Martins foi transferido para Curitiba.
Um caso confirmado também ia 16.07 em Inácio Martins foi transferido para Andirá.
Outro caso, também confirmado dia 16/7 em São Jerônimo da Serra foi transferido para Medianeira.
Um caso confirmado na data de 03/07 em Ivaiporã foi transferido para Jardim Alegre.
Um caso confirmado em 16/7 em Ivaiporã foi transferido para Jardim Alegre.
Um óbito confirmado na data de 07/07 em Curitiba foi transferido para Almirante Tamandaré.
Um óbito confirmado em 22/6 em Curitiba foi transferido para Piraquara.
Um óbito confirmado dia 10/7 em Curitiba foi transferido para São José dos Pinhais.
Dois óbitos confirmados na data de 11/7 em Curitiba foram transferidos para São José dos Pinhais.
Um óbito confirmado em 14/7 em Curitiba foi transferido para São José dos Pinhais.
Exclusão:
Um óbito confirmado dia 16/7 em Ivaiporã foi excluído por erro de notificação.

Pitanga chega a 99 casos confirmados de coronavírus


Turvo - Boletim atualizado Covid-19




Guarapuava chega a 340 casos confirmados de coronavírus


Gaeco cumpre 16 mandados de prisão contra empresários e funcionários da Sanepar


O núcleo de Ponta Grossa, nos Campos Gerais, do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná, deflagrou a Operação Ductos nesta segunda-feira, 20 de julho, para o cumprimento de 16 mandados de prisão temporária e 50 mandados de busca e apreensão. As ordens judiciais foram emitidas pela 1ª Vara Criminal de Ponta Grossa e incluem ainda o bloqueio de imóveis e veículos de 22 pessoas ou empresas.

As prisões temporárias (por cinco dias) têm como alvo empresários e servidores da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar). As buscas são cumpridas em 37 residências e 13 empresas, incluindo cinco estabelecimentos privados (em Ponta Grossa, Cornélio Procópio, Telêmaco Borba e Curitiba) e oito da Sanepar (três em Ponta Grossa, dois em Telêmaco Borba e um em Curitiba, Santo Antônio da Platina e Cornélio Procópio).

As investigações, iniciadas há cerca de dois anos, apuram principalmente o pagamento indevido por serviços não prestados e fraudes em licitações. Teria havido benefício ilegal para empresas, mediante pagamento de propinas a servidores da Sanepar. A principal empresa beneficiada seria também a organizadora do pagamento de propinas. Há suspeitas de que as empresas organizavam entre si o resultado de processos licitatórios, a partir do acesso a informações internas da Sanepar. Os crimes investigados são fraude a licitação, peculato, lavagem de dinheiro e corrupção por meio de organização ou associação criminosa, além de falsidade documental.

Propinas

Iniciadas há cerca de dois anos, as investigações apuram principalmente o pagamento indevido por serviços não prestados e fraudes em licitações, bem como benefício ilegal para empresas, mediante propinas a servidores da Sanepar. A principal empresa beneficiada seria também a organizadora do pagamento dos subornos. Há suspeitas de que as empresas organizavam entre si o resultado de processos licitatórios, a partir do acesso a informações internas da Sanepar.

Investiga-se, ainda, o faturamento por serviço não executado integralmente ou por serviço superfaturado, com o uso de medições falsas ou não fiscalizadas por servidores da Sanepar. Em contrapartida, funcionários da Sanepar receberiam propina. O grupo de empresários que liderava a organização das fraudes montou outras empresas para efetivar os pagamentos ilegais e ocultar sua verdadeira origem.

Sanepar

Em nota, a diretoria da Sanepar informou que está acompanhando, desde as primeiras horas desta segunda-feira, 20 de julho, o trabalho do GAECO na operação Ductos, que teve início há dois anos. A empresa informou ainda que "está disponibilizando todas as informações e franqueando o acesso a todas às suas unidades, bem como a documentos e equipamentos em todas as áreas."

Ainda conforme a nota, a empresa afirmou que aguarda o resultado das investigações para proceder também as medidas administrativas cabíveis. 

"A diretoria da empresa reafirma o compromisso com medidas de probidade e reitera apoio irrestrito a esta investigação e se coloca como parte interessada.
Todos os funcionários envolvidos na operação do GAECO estão sendo imediatamente afastados e, internamente, a Companhia também está tomando todas as providências para apurar os fatos e possíveis condutas de empregados e fornecedores", diz a nota.

CGE identifica pessoas falecidas que receberam o Comida Boa


A Controladoria-Geral do Estado (CGE) descobriu mais de 500 pessoas falecidas que receberam pelo menos uma parcela do Cartão Comida Boa e conseguiu que o benefício fosse suspenso, antes da terceira remessa, realizada no fim da semana passada. O resultado foi alcançado com o cruzamento de bancos de dados do Governo Federal com o dos beneficiários do programa paranaense, destinado ao enfrentamento da covid-19.

Boa parte dessas pessoas assinou a autodeclaração de vulnerabilidade para receber o cartão, do programa, que é destinado à proteção de pessoas durante o enfrentamento à Covid-19.

O controlador-geral do Estado, Raul Siqueira, explicou que os indícios descobertos não implicam eventual cometimento de crime e as situações identificadas serão apuradas pelos órgãos de segurança pública. Para ele, apesar do baixo impacto financeiro da suspensão, é necessário garantir a idoneidade do processo e a conformidade com a legislação.

A Secretaria da Agricultura e do Abastecimento e a Secretaria da Justiça, Família e Trabalho, responsáveis pelo programa, foram avisadas assim que o levantamento foi concluído. “Sugerimos suspender o pagamento àquelas pessoas, para que elas possam explicar o que aconteceu”, afirmou Siqueira. O cidadão que teve o benefício suspenso deve procurar os Centros de Referência de Assistência Social (Cras) ou o local em que recebeu o cartão para informações quanto à regularização do CPF nos cadastros.

MÉTODO – A auditoria da Coordenação de Controle Interno, em parceria com o Observatório da Despesa Pública, cruzou CPF de pessoas que receberam o benefício do Governo Estadual e o número registrado no Sisobi - Sistema de Controle de Óbito (Sisobi), da Controladoria-Geral da União. O Cartão Comida Boa fornece R$ 50 a pessoas vulneráveis para o enfrentamento à covid-19.

A precisão dessa investigação depende do preenchimento correto dos dados tanto do Cadastro Único como do Sisobi, ambos do Governo Federal. “Nós confrontamos números de CPF e filtramos os indicados como falecidos que receberam o benefício. Muitos receberam, mas não usaram o cartão Comida Boa”, detalhou Luci Netska, coordenadora de Controle Interno.

NÚMEROS - No total, foram identificados 541 CPF que aparecem tanto no cadastro de óbitos como no de beneficiários do Comida Boa. Do total, 289 já usaram o cartão, em compras que somaram R$ 17,2 mil, referente aos gastos do primeiro carregamento. “Uma parcela pequena, 46 deles, se autodeclararam aptos a receber o benefício de R$ 50, do governo estadual. Desses, 39 receberam e usaram o recurso”, ressaltou Luci.

Durante a investigação, a equipe da coordenadoria encontrou 39 beneficiários do INSS entre os registrados como falecidos. O levantamento indicou que 26 recebem pensão por morte, cinco por amparo social ao idoso, dois receberam amparo social à pessoa com deficiência, cinco são aposentados por idade e um por invalidez.

O controlador-geral explicou que o levantamento mostra a necessidade da atualização dos cadastros do governo federal. “Com a explicação e comprovação da aptidão a receber o benefício, vamos melhorar o nosso cadastro. Informaremos nossas descobertas aos respectivos órgãos para que eles tomem as providências quanto aos seus cadastros. É uma questão de conformidade”, disse Siqueira.

O trabalho da Coordenadoria de Controle Interno segue até quando durar o programa Comida Boa. Os nomes dos titulares dos cartões cancelados não serão informados até que as possibilidades de equívoco, sem dolo, sejam esgotadas.

Fonte: AEN

Veículo capota e duas pessoas ficam feridas na PRC-466, em Pitanga


Por volta das 17h30 desse domingo (19), a Polícia Rodoviária atendeu um acidente do tipo capotamento, ocorrido na Rodovia PRC- 466, no km 181, em Pitanga, envolvendo um veículo Fiat Uno, com placas de Pitanga – PR. 

Do acidente resultou em ferimentos leves no condutor de 41 anos e na passageira de 09 anos, que foram encaminhados ao Hospital São Vicente de Paulo de Pitanga.

Com informações e foto: PRE

Plataforma digital criada para apoiar produtores rurais durante a crise do novo coronavírus está disponível


Sicredi, Bayer Orbia e AgTech Garage estenderam o prazo até 30 de julho para apoiar produção e distribuição de alimentos durante a crise.

A plataforma de ferramentas digitais criada pelo Sicredi em parceria com a Bayer, Orbia e o AgTech Garage para ajudar produtores rurais a atravessarem a crise gerada pela pandemia de covid-19 ficará disponível gratuitamente até o dia 30 de julho.

A plataforma, hospedada no site da empresa parceira Orbia, é resultado do “Desafio Covid-19: soluções digitais para o agronegócio” iniciativa lançada em abril deste ano para reunir startups brasileiras com soluções digitais confiáveis e de alto impacto que pudessem contribuir para a produção e distribuição de alimentos para a população, garantindo o funcionamento da cadeia agrícola durante a fase de distanciamento social. 

O espaço reúne 19 soluções que influenciam na rentabilidade do negócio, digitalizam processos, apoiam o planejamento de compra e venda de produtos agrícolas, ajudam no controle de pragas, no monitoramento das plantações e impulsionam vendas online. Além disso, a iniciativa é uma forma de aproximar os produtores rurais do mundo digital, que tem muito a contribuir com o desenvolvimento do agronegócio brasileiro. Veja mais: www.agtechgarage.com

Homem é atropelado no Distrito da Palmeirinha


Por volta das 17h25min do dia 19 de julho de 2020, na Rua Profº. Evaristo Carneiro, Palmeirinha, a equipe policial atendeu uma ocorrência onde relata a solicitante que seu marido o senhor, 57 anos, colidiu contra um senhor embriagado, na via publica. 

Com a equipe no local, constatou que o senhor, 67 anos, tinha sido vitima de atropelamento, causado por um veículo Fiat/Tempra, de cor azul, sendo que o senhor saiu do local, não prestando atendimento, deixando apenas a sua esposa senhora. 

O senhor retornou posteriormente ao local do acidente e se prontificou com todos os cuidados da vítima, qual informou a equipe que saiu do local, devido a estar nervoso e não saber o que fazer. A equipe PM entrou em contato com o Siate, o qual compareceu no local com os , e encaminharam o senhor a Upa Batel, para atendimento médico, pois o mesmo sentia dores na região do ombro. 

O senhor foi encaminhado ao Sub DPM da Palmeirinha, para realização dos procedimento do termo circunstanciado.

Fonte: PM