sábado, 15 de maio de 2021

Policial Militar de Turvo morre em acidente na rodovia que liga Ramilândia à Matelândia



O policial militar Ederson Fassini, morreu após se acidentar com sua caminhonete na rodovia que liga os municípios de Ramilândia à Matelândia.

O acidente ocorreu na tarde deste sábado (15), e de acordo com as primeiras informações, o veículo teria saído da pista e capotado em meio à lavoura. A rodovia não tem acostamento.

O policial Ederson, que estava lotado em Ramilândia, chegou a ser encaminhado para o hospital, porém não resistiu e veio à óbito.

Segundo informações repassadas ao Blog do Elói, Ederson é filho do senhor Ildo Fassini, que é morador da Localidade do Passa Quatro, em Turvo. Ederson foi seminarista da Congregação Mariana.

O velório de Ederson será em Matelândia, onde ele morava. Ele deixa esposa e dois filhos menores.




Com informações e foto: Guia Medianeira

Polícia Rodoviária apreende mais de 100 quilos de maconha em Nova Tebas



Neste sábado (15), a Polícia Rodoviária realizou operação na rodovia estadual, PRC 487 km 251 no Município de Nova Tebas.

Durante a operação, foi dada a ordem de parada ao veículo VW/Gol placas MBH-0852-SC que não acatou, foi realizado acompanhamento tático, logo à frente o condutor abandonou o veículo e entrou em uma mata as margens da rodovia não sendo possível captura-lo.

Quando realizada a busca no veículo foi observado que dentro havia volumes com a cor azul que pareciam ser tabletes e um saco com invólucros prensados a vácuo tudo substância análoga a maconha, num total de 124 tabletes e 35 invólucros.

Após pesada foi constatado 100 quilos e 200 gramas do entorpecente devidamente acomodados no chão do veículo e bagageiro. 

Diante dos fatos o veículo e substância ilícita foram encaminhados até a Delegacia de Polícia de Manoel Ribas.


Fonte e fotos: PRE

Neste domingo tem Sobrecoxa desossada e recheada com bacon na Igreja Assembleia de Deus, em Turvo

 


Neste domingo (16), tem mais uma super promoção na Igreja Evangélica Assembleia de Deus, em Turvo.

Aquela sobrecoxa desossada e recheada com bacon que trás alegria para toda a família.

Apenas R$ 20,00 a porção, que serve 3 pessoas adultas.


Deus abençoe a todos.


Produção de leite diminui no Paraná em razão das condições climáticas


A produção leiteira paranaense diminuiu nos últimos dias. Entre as principais causas estão a estiagem, que prejudicou pastagens já implantadas e o plantio de novas, e os custos crescentes da atividade. A análise está no Boletim de Conjuntura Agropecuária elaborado pelo Deral (Departamento de Economia Rural), da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento, referente à semana de 8 a 14 de maio.

O Estado vive uma situação de falta de chuvas generalizadas há quase 60 dias. Com isso, muitas propriedades precisaram adaptar bebedouros ou buscar água fora. E, tão grave quanto essa situação, é a das pastagens em péssimas condições em algumas bacias leiteiras, como a do Sudoeste e do Oeste. Com menos oferta de alimento, a produção se reduz.

Aliado a isso, o atual período é de transição de pastagens. Ou seja, as forrageiras de verão estão em fase final e começa o plantio das espécies de inverno: aveia e azevém. Entretanto, a seca impossibilitou a semeadura na época mais propícia, que seria até o início deste mês, prevendo-se que a falta de alimentação pode persistir.

Mas as dificuldades do produtor não se restringem às pastagens. As lavouras de milho safrinha destinadas à produção de silagem foram igualmente prejudicadas pela estiagem e muitas não poderão ser usadas para alimentar o rebanho. Com isso, a dieta deverá ser de produtos com preço em alta no mercado, como milho e soja, o que acarreta aumento no custo de produção do leite e desistência de alguns produtores.

Como em outras atividades, também na agropecuária o uso de tecnologias garante uma condição mais confortável. É o que acontece com produtores de leite da região centro-oriental do Estado, onde estão municípios como Palmeira, Ponta Grossa e Castro. Ali, a dependência de pastejo é menor e os produtores trabalham com alimentação estocada de boa qualidade e produzida na propriedade, ajudando a reduzir custos e ter menos problemas com a produção. Há relatos pontuais de perda de menos de 5%. Nessa região, a dificuldade atual é o atraso no plantio das forragens de inverno.

FEIJÃO, MILHO E TRIGO – O boletim retrata também a situação da cultura de feijão no Paraná, que igualmente sofre as consequências de adversidades climáticas. Da produção inicial projetada para a segunda safra de 491 mil toneladas, estima-se redução de, pelo menos, 93 mil toneladas, segundo levantamento do final de abril.

O milho é outra cultura que tem sentido o problema hídrico. A segunda safra 2020/21 continua apresentando piora nas condições de lavoura. Da área estimada em 2,5 milhões de hectares, 25% estão em boas condições, enquanto 45% apresentam situação mediana e 30%, ruim. Espera-se que as chuvas desta semana, ainda que poucas, possam minorar as perdas.

Sobre o trigo, o documento fala da importação de 2,2 milhões de toneladas pelo Brasil no primeiro quadrimestre de 2021. Grande produtor do cereal, o Paraná também está importando e é responsável por 7% do que entrou no País. Para o Estado, as principais regiões de origem são a Argentina e o Paraguai.

OUTROS PRODUTOS – O boletim registra, ainda, as previsões divulgadas nesta semana para uma safra brasileira de 135,41 milhões de toneladas de soja no período 2020/21, também afetada pela seca. Ao tratar da fruticultura, o documento faz considerações sobre o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), que foi adotado como política pública desde 1996.

A avicultura também é destaque, sobretudo em razão de a Arábia Saudita ter anunciado, nesta semana, a suspensão de importação de carne de frango de 11 plantas frigoríficas brasileiras, três delas instaladas no Paraná. De forma unilateral, os sauditas alegaram que ultrapassaram limites e padrões microbiológicos estabelecidos em regulamento.

Sobre a suinocultura, o documento preparado pelos técnicos do Deral registra exportação de 346,4 mil toneladas de carne entre janeiro e abril de 2021. Do Paraná, saíram 46,5 mil toneladas. O quadrimestre também marcou a entrada da JBS no segmento de pescados, o que pode significar maior disponibilidade ao consumidor.

Fonte e fotos: AEN

Caminhão carregado com tijolos tomba na BR-277 e motorista fica ferido



Em Candói/PR no Km 389 da BR-277 por volta das 21:50 ocorreu um acidente do tipo colisão frontal envolvendo uma Fiat/Toro de Toledo/PR e um um caminhão Ford/Cargo carroceria aberta de Prudentópolis/PR.

O veículo Ford/Cargo seguia sentido Guarapuva/Candói, quando invadiu a faixa contrária em princípio para efetuar ultrapasagem e colidiu frontalmente contra o Fiat/Toro, onde viajava apenas o condutor.

Com a violência do impacto a Fiat/Toro foi projetada para fora da pista, contudo seu condutor não sofreu lesões aparentes e o caminhão Ford saiu da via vindo a capotar parando suas rodas voltadas para cima na mata ao lado da rodovia, tendo sua carga/tijolos se espalhada pelos dois sentidos da via forçanda a parada total do trânsito.

O motorista do Caminhão, um homem de 23 anos, ficou preso nas ferragens e após trabalho intenso dos Bombeiros e Equipe SAMU o mesmo foi retirado com vida com um corte na cabeça e lesões aparentemente leves no corpo segundo informações da equipe SAMU, sendo encaminhado ao Hospital Santa Tereza de Guarapuava.

Foi realizado teste com etilômetro apenas no condutor do Fiat/Toro, não sendo possível realizar no condutor do caminhão devido a situação de socorro médico a que se encontrava. As vias ficaram interditadas das 21h 55min às 01h 15min, formando-se um fila de aproximadamente 5km para ambos os sentidos.

O condutor do Fiat/Toro não necessitou de atendimento.

Publicidade