sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Paraná vai colher 22,7 milhões de toneladas na safra de grãos



A colheita da safra de grãos de verão 2017/18 iniciou com atraso - há pouco mais de 10 dias - por causa das adversidades climáticas que vêm ocorrendo desde o ano passado. Mesmo assim, o Paraná está colhendo uma safra de 22,7 milhões de toneladas. Com a melhora do clima, produtores estão acelerando a colheita da soja e milho da primeira safra para evitar novos atrasos no plantio da segunda safra de milho que já está em curso.

Tanto a soja como o milho da primeira safra tiveram o início do plantio atrasado, no ano passado, por causa da seca. O clima se normalizou em outubro, mas voltou a penalizar a agricultura paranaense em novembro com excesso de chuvas. Essa situação vem se alongando desde esse período e contribuiu para atrasar tanto a colheita desses grãos como o plantio da segunda safra de milho.

Devido ao clima, que está passando por uma trégua nos dias atuais, os produtores estão acelerando a colheita no campo, que está em ritmo acelerado.

SOJA E MILHO - Segundo o acompanhamento do Deral (Departamento de Economia Rural) correspondente ao mês de fevereiro, a colheita da soja está atrasada, com 9% da área colhida, quando em igual período do ano passado 31% da área plantada já estava colhida. Com isso, menos de 500 mil hectares da área plantada foi colhida, quando no ano passado foram cerca de 1,6 milhão de hectares.

Segundo o economista Marcelo Garrido, do Deral, esse quadro não deverá prejudicar a produtividade da soja, de forma geral, mas poderá afetar a qualidade do grão. Também pode aumentar os custos para o produtor. Isso porque, com o excesso de umidade, terá que gastar mais para conter as doenças fúngicas que atacam as plantas.

O Deral está estimando uma safra de soja de 19,3 milhões de toneladas, apenas 300 mil toneladas a menos que a safra anterior, que foi considerada excepcional. “Acreditamos que essa perda ainda poderá ser diluída daqui para frente com o avanço da colheita”, disse. “A soja, apesar dos problemas climáticos, ainda terá uma grande safra este ano”, afirmou.

As perspectivas de comercialização são favoráveis ao produtor. Segundo Garrido, o mercado está especulando uma perda de soja na safra da Argentina, devido ao período de seca intensa por lá, provocado pela corrente climática La Niña. “Se isso for confirmado, é possível uma reação nas cotações”, diz.

Por enquanto o mercado trabalha com a cotação de R$ 64,00 a saca, que é considerado um bom valor.

O milho de primeira safra, também submetido às mesmas condições climáticas que a soja, está com a colheita atrasada, com apenas 6% da área colhida. Este ano, cerca de 20 mil hectares foram colhidos até agora, quando no ano passado, nessa mesma época, já havia 150 mil hectares plantados.

Segundo Edmar Gervásio, analista da cadeia do cereal pelo Deral, estima-se uma colheita de 2,97 milhões de toneladas para o milho da primeira safra, que corresponde a uma redução de 40% em relação à produção anterior. Essa retração acompanha a diminuição na área de plantio, que foi de 35%. No ano passado foram plantados 513.627 hectares com milho da primeira safra e, este ano, 332.833 hectares.

Devido ao clima, houve alongamento do ciclo de desenvolvimento das plantas, explicou Gervásio. Com muitos dias nebulosos, com falta de luminosidade natural, as plantas não se desenvolveram como deveriam. Com o retorno do sol, a expectativa é que melhore a produtividade e a qualidade dos grãos, disse o técnico.

O atraso na colheita da soja e do milho da primeira safra também está atrasando o plantio da segunda safra de milho. Com isso, a expectativa de plantio de 2,14 milhões de hectares – neste período – pode não se confirmar. Este ano, o Deral já constatou uma redução na área plantada de milho da segunda safra de 11%. A produção esperada é de 12,3 milhões de toneladas. “Com o plantio tardio, pode se esperar uma produção até menor”, adiantou.

Segundo Gervásio, os produtores não estão muito animados como em anos anteriores por causa da estabilidade dos preços, em torno de R$ 22,00 a saca.

FEIJÃO - Após o mês de janeiro, as condições climáticas melhoraram, o que permitiu acelerar a colheita do feijão da primeira safra. O avanço da colheita revelou perdas de 19% na produção, que correspondem a 71 mil toneladas, por causa do excesso de chuvas e frio durante o desenvolvimento das plantas. A produção estimada de feijão da primeira safra, atualmente, é de 308 mil toneladas. A estimativa inicial do Deral apontava para uma colheita de 379 mil toneladas.

De acordo com o economista do Deral, Methódio Groxko, esse ano atípico por causa do excesso de chuvas provocou perdas em qualidade e produtividade no feijão da primeira safra. Mas não houve impactos na comercialização porque o mercado segue abastecido.

Em início de ano, é normal queda de demanda por causa das férias escolares e os preços não estão reagindo. Os preços do feijão preto e cores estão estáveis em R$ 118,00 e R$ 94,00 a saca, respectivamente.

A comercialização é que está atrasada, disse Groxko. Segundo ele, cerca de 54% da saca está vendida, quando no ano passado, nessa mesma época, 62% da safra estava vendida.

A melhoria das condições climáticas está beneficiando o plantio do feijão de segunda safra. A pesquisa do Deral constatou uma redução de 21% na área plantada, que cai de 251.625 hectares para 198.963 hectares. Mas aponta para uma produção 10% maior em relação ao ano passado por causa das condições favoráveis ao aumento de produtividade.

A estimativa do Deral para o feijão de segunda safra é de 380.492 toneladas, 10% a mais que em igual período do ano passado, quando foram colhidas 346.610 toneladas do grão.

PREOCUPAÇÃO - O secretário estadual da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara, disse estar preocupado com a possibilidade de atraso no plantio da segunda safra de milho e encaminhou ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, no início deste mês, pedido de prorrogação no plantio. Ele diz que se os produtores não conseguirem concluir o plantio uma possível redução na produção de milho da segunda safra poderá afetar o abastecimento das cadeias produtivas dependentes desse grão, como a produção de aves, suínos e leite.

Para o diretor do Departamento de Economia Rural (Deral), Francisco Carlos Simioni, este ano-safra vem sendo marcado com vários desafios para os produtores, clima, mercado, economia interna entre outros. Contudo, o clima, que é um dos fatores de maior risco, com muitas variações ao longo do ciclo dos principais cultivos de verão, tem sido amenizado devido ao uso de tecnologia adequada, como conservação de solos e plantio dentro da recomendação da pesquisa – Zoneamento de Risco Agropecuário (Zarc).

Essa disciplina do produtor na condução da atividade agrícola – ressaltou Simioni – tem mostrado reflexos positivos, com redução de perdas em produtividade e qualidade, mesmo com clima adverso como vem ocorrendo durante todo o ciclo de desenvolvimento das culturas.

Fonte: AEN

Criança de um ano e onze meses morre após ser estuprada e espancada pelo padrasto


Uma menina de um ano e onze meses morreu após ser estuprada e espancada pelo padrasto, segundo a polícia. O caso foi registrado na tarde de quinta-feira (22), em Ramilândia, no oeste do Paraná.

De acordo com o delegado Edgar Santana, responsável pelas investigações, o suspeito, de 28 anos, confessou o crime e foi preso.

O homem contou à polícia que estava morando com a mãe da criança havia cerca de seis meses. Disse ainda que bateu na menina porque ela não parava de chorar.

As agressões foram cometidas à tarde, mas descobertas apenas à noite, quando o padrasto levou a criança a um hospital em Matelândia.

A menina já chegou morta ao local, onde os profissionais de saúde constataram que ela estava machucada e com sangramento e chamaram a polícia.

O delegado disse também que a mãe foi ouvida e contou que a relação da criança com o padrasto era saudável e que ficou surpresa com o que aconteceu. Ela não estava na casa no momento das agressões, havia viajado na noite anterior para resolver problemas pessoais.

O corpo da criança passou por exames na manhã desta sexta (23) no Instituto Médico-Legal (IML) de Cascavel.

Fonte: G1 - PR

Radialista de Quatro Pontes morre em acidente entre Marechal e Toledo


Acaba de falecer no Hospital Bom Jesus de Toledo, Guilherme Kuns, 28 anos, filho do ex-prefeito de Quatro Pontes, Rudi Kuns. Ele foi vítima de um acidente de trânsito registrado na madrugada desta sexta-feira (23), na BR 163, entre Marechal Cândido Rondon e Toledo.

Segundo informações, Guilherme Kuns e Jhony Sott, de 30 anos, eram ocupantes de uma Saveiro que colidiu frontalmente com um caminhão Ford Cargo, nas imediações da cooperativa Primato de Toledo.

Jhony Sott, de 30 anos, radialista em Quatro Pontes, morreu na hora. Guilherme chegou a ser socorrido, mas devido à gravidade dos ferimentos, também faleceu.

A tragédia chocou o município de Quatro Pontes e região. As informações sobre os velórios ainda não foram divulgadas.

A Polícia Rodoviária Federal registrou o acidente.

CAD APRESENTA NOVA DIRETORIA E DISCUTE PROJETO COM AUTORIDADES


O Clube Atlético Deportivo realizou na noite de 21/02 (quarta feira), uma confraternização de apresentação da nova diretoria para apoiadores do projeto CAD 2018. 
Na ocasião estiveram presente autoridades da Prefeitura Municipal de Guarapuava, representados pelo Secretário de Esportes Pablo Almeida e o Prefeito Municipal Cesar Silvestri Filho, representando o empresariado patrocinador estiveram presentes Claudinei Pereira da Imperium Imóveis, Marcos Aurélio da QSL Auto peças e Marcelino Anizeski do supermercado Hrinczuk. 
Além da apresentação dos novos diretores, todos aproveitaram a oportunidade para discutir e opinar sobre assuntos que são necessários para o desenvolvimento desta reconstrução do clube, desta forma o clube concentra suas tarefas em buscar o incentivo dos apoiadores necessários para sequência do projeto que é tão importante neste avanço de Guarapuava, o CAD além de ser motivo de orgulho do município, tem sua parcela de evolução e caminhada junto às conquistas da cidade, através de suas conquistas e representatividade no cenário nacional, o clube levou o nome de Guarapuava para o conhecimento várias cidades e setores, como feitos gigantescos pelas suas conquistas, trazendo investimentos para o município.


Aviso sobre recolhimento de entulho e entrega de terra


A prefeitura de Turvo avisa que a partir desta semana, os serviços de entrega de terras, recolhimento de entulhos e galhos, serão executados toda sexta-feira. Em caso de chuva, o trabalho será realizado no dia seguinte com tempo bom.

Os serviços devem ser agendados previamente na Secretaria de Infraestrutura e Obras. Maiores informações pelo telefone 3642-1129.

Prefeitura de Turvo. 

Richa entrega obras na PR-364, entre Guarapuava e Inácio Martins


O governador Beto Richa inaugurou nesta quinta-feira (22) o asfaltamento de um trecho de 12,6 quilômetros da PR-364, que liga o distrito de Guará, no entroncamento da BR-277 em Guarapuava, até o distrito de Góes Artigas, em Inácio Martins. A modernização vai beneficiar cerca de 180 mil pessoas, moradoras dos municípios, e encurtará a distância entre as regiões Central e Sul do Paraná. O tempo de viagem entre Inácio Martins e Guarapuava vai diminuir em cerca de 30 minutos.

O governador afirmou que o Governo do Estado investiu R$ 50,4 milhões na obra, sendo R$ 37,6 milhões na rodovia, R$ 7,1 milhões em uma trincheira de 2,13 quilômetros e R$ 5,6 milhões em duas novas pontes, uma de 39 metros sobre o Rio Bananas e outra de 60 metros sobre o Rio Iratim.

“Agora o trânsito pode fluir de maneira mais tranquila, garantindo segurança e conforto aos motoristas e moradores. Isso contribui de forma direta para o desenvolvimento mais intenso de Guarapuava e toda esta região”, disse.

O governador ressaltou também que além desta obra outras estão em execução no entorno da cidade. Ele citou os trechos de duplicação da BR- 277, no sentido Foz do Iguaçu a Curitiba, que somam sete quilômetros em obras, e a duplicação de 3,4 quilômetros da PR-466, no perímetro urbano de Guarapuava, que deve começar nos próximos meses.

“As obras estão acontecendo o mais rápido possível porque sabemos da importância para a população” afirmou. “Hoje o Paraná é um canteiro de obras e todos os investimentos atestam a boa situação financeira do Paraná e da capacidade de pagamento das contas que o Estado tem hoje, na contramão da crise nacional”, acrescentou.

O secretário estadual da Infraestrutura e Logística, José Richa Filho, disse que trecho foi o mais difícil da rodovia - em função da característica do solo e da existência de muitas curvas - e o único que ainda não tinha pavimentação. “Aqui é encontro com a BR-277, com pontos em curva, muita água e pedras. É um corredor que, para funcionar, era preciso fazer este fechamento. A população já não acreditava mais que seria possível, mas hoje entregamos a última etapa”, afirmou.

Para o prefeito de Guarapuava, Cézar Silvestre Filho, a obra vai integrar os municípios e contribuir para a industrialização de Guarapuava e Inácio Martins. “Faremos uma reaproximação, fortalecendo a economia de ambos os municípios. Isso vai apoiar a industrialização de Inácio Martins, que tem grandes maciços florestais, mas a falta de infraestrutura dificultava este processo e também fortalecer muito Guarapuava porque os consumidores, o comércio e prestação de serviços ficarão muito mais facilitadas”, disse.

MAIS SEGURANÇA - A obra também vai trazer mais segurança. A comunidade que vive ao largo da PR-364, perto da trincheira de acesso à BR-277, usa uma via marginal na contramão em vez de fazer o retorno que fica a 1,3 quilômetro de distância.

Richa Filho disse que o DER-PR vai transformar esta via marginal de mão única em uma via de duas mãos e atualizar as sinalizações verticais e horizontais. “A ideia é construir uma rotatória e aumentar ainda mais a segurança deste trecho”, afirmou.

O motorista José Rodrigues da Silva é morador de Guarapuava e vai quase todo dia para Inácio Martins, e já percebeu as melhorias em segurança e agilidade na viagem. “Está mais seguro e muito mais rápido, antes nós levávamos duas horas daqui a Inácio Martins, agora levamos 1h10. Isso bem carregado, se for com pouquinha carga é muito mais rápido”.

BR 277- O trecho duplicado da rodovia fica entre os quilômetros 331 e 336, na parte leste da cidade. Também está prevista a construção de um viaduto e um acesso secundário que liga a rodovia à Rua XV de Novembro. Ambas as obras são da concessionária Caminhos do Paraná

O trecho da BR-277 em Guarapuava, cedido para a Ecocataratas, deve receber ainda este ano 2,14 quilômetros de duplicações, além de marginais, uma trincheira e uma ponte. A previsão de término destas obras é para outubro deste ano, com investimentos de R$ 25 milhões.

Esta obra é um dos dois lotes que completariam 4,1 quilômetros de duplicação. Os quase dois quilômetros restantes estão sendo negociados com o Governo do Estado, que pode realizar a obra com recursos próprios.

PRESENÇAS - Participaram da entrega das obras o secretário de Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, Artagão Júnior; os deputados estaduais Ademar Traiano, Cristina Silvestre e Bernardo Carli; e o prefeito de Reserva do Iguaçu, Sebastião Campos.

Fonte: AEN