sábado, 24 de março de 2018

GUARAPUAVA - Justiça ouve testemunhas do caso de vereadores acusados de interferir na fila de consultas


A Justiça começou a ouvir nesta quinta (22) e sexta-feira (23) as testemunhas de defesa e acusação sobre o processo de dois vereadores e um ex-presidente da Câmara Municipal de Guarapuava, na região central do Paraná, acusados de fraudes na lista de consultas médicas do Sistema Único de Saúde (SUS) em Guarapuava.

São 15 réus, ao todo, que respondem por um processo penal derivado da Operação Fantasma II, deflagrada em março de 2016.

Na quinta-feira, segundo a Justiça, foram ouvidas 15 testemunhas e, nesta sexta-feira, outras quatro. A audiência para ouvir os réus foi remarcada para o dia 10 de maio.

Entre os réus estão os parlamentares afastados vereadores Celso Costa e Márcio Carneiro – ambos do PPS – e o ex-vereador Edony Klüber, além da ex-diretora do Consórcio Intermunicipal de Saúde Guarapuava, Pinhão e Turvo (Cisgap), Márcia de Brito.

O esquema ficou conhecido como ''fura-fila do SUS''. Segundo a acusação, os vereadores interferiam na fila das consultas para beneficiar pacientes, e ofereciam vantagens em serviços públicos para eleitores da cidade, com o objetivo de garantir votos.

O vereador afastado Marcio Carneiro disse, no primeiro dia de audiência, que aguardava a oportunidade de esclarecer os fatos na Justiça. "Foram informações desencontradas, que eram do serviço legislativo, foi mal interpretado. Estamos prontos para responder a qualquer indagação do judiciário", afirmou.

Celso Costa, também afastado do cargo de vereador, ressaltou que se considera inocente. "Também é do nosso interesse que isso seja rapidamente esclarecimento. Nós confiamos na Justiça e eu vejo como uma oportunidade de nos defendermos", disse.

O ex-presidente da Câmara de Guarapuava, Edony Klüber, não se pronunciou sobre o assunto.

A defesa da ex-diretora do Cisgap, Márcia de Brito, informou que as instruções probatórias ainda não terminaram e que as testemunhas ouvidas corroboram com a absolvição da ré. (Veja mais clicando aqui).

Fonte: G1 - PR

Nenhum comentário:

Postar um comentário