domingo, 22 de setembro de 2013

Guarapuava-Pr Assistência social atende famílias atingidas pela chuva e ventos fortes | Central Cultura

Assistência social atende famílias atingidas pela chuva e ventos fortes | Central Cultura
Equipes da Secretaria Municipal de Assistência Social e da Defesa Civil fizeram cerca de 100 atendimentos a famílias atingidas pela chuva e ventos fortes neste fim de semana (21 e 22). Foram destelhadas casas em vários bairros e no Distrito do Guairacá. Os moradores receberam lonas, colchões, alimentos, cobertores, roupas, entre outros. Apenas uma família precisou ser encaminhada ao albergue. Os funcionários da Surg atenderam ocorrências de queda de árvores.

A secretária Cristina Silvestri está acompanhando o trabalho das cinco equipes de atendimento e conversando com os moradores. Além de receberem contribuições, as famílias são cadastradas pelas assistentes sociais. “As equipes fazem o atendimento imediato, mas também cadastram as famílias para verificarmos aquelas que precisam de auxílio ou encaminhamento a programas como, por exemplo, de habitação, pois moram em áreas irregulares”, destaca.
As áreas mais atingidas estão localizadas no Campo Velho, Boqueirão, Planalto, São João e Vila Bela. Em Mato Dentro e São Francisco, no Distrito do Guairacá, também teve queda de granizo. Só nessas localidades ocorreram 50 atendimentos. Algumas famílias precisaram de atendimento duas vezes. A população também contribui com a atuação das equipes. Doações foram entregues na sede da secretaria à equipe de plantão.  
Uma das casas visitadas pela secretária foi a dos irmãos Alvina, 62 anos, e João Maria Batista de Almeida, 70, no São João. “Foi a primeira vez que ocorreu isso e levamos um susto”, disse dona Alvina, que agradeceu o auxílio. No Boqueirão, a casa da diarista Maria Helena Kuchar, 49 anos, foi atingida por uma árvore. “Vamos verificar se ela pode ser cadastrada em algum programa habitacional, pois a casa foi bastante danificada”, disse Cristina, destacando que o trabalho continua para que todas as famílias prejudicadas sejam atendidas pela Assistência Social e a Defesa Civil.
Assessoria 
FONTE

JOVEM BALEADO TENTA FUGIR BATE O CARRO E MORRE EM TURVO-PR..

SÁBADO 21/09 POR VOLTA DAS 22.00Hs
JOVEM BALEADO TENTA FUGIR BATE O CARRO E MORRE EM TURVO.E OUTRO JOVEM NA MESMA BRIGA  É BALEADO E SEGUE INTERNADO EM GUARAPUAVA MAS JÁ FORA DE PERIGO.O JOVEM QUE FOI MORTO TINHA 25 ANOS DE IDADE TRATA-SE DE JOCEMAR JESUS DE SOUZA.SEU CORPO ESTA SENDO VELADO NA CAPELA MORTUÁRIA DE TURVO O SEPULTAMENTO SERA SEGUNDA AS 10.00Hs..

Vereador do Paraná quer poder beber e dirigir..

Edson Ducci (PSD) fez declarações polêmicas em sessão da Câmara Municipal da Cidade. Ele ainda propôs que vereadores se unissem contra lei seca
Um vereador do município de Cornélio Procópio, no interior do Paraná, mostrou sua insatisfação com a fiscalização policial e com as penas às quais estão sujeitas as pessoas que têm como hábito consumir bebidas alcoólicas e dirigir. A informação foi divulgada pelo telejornal Paraná TV 2ª edição, da Rede Globo.
“[Se alguém] para num bar, toma uma cerveja e se o guarda rodoviário federal ou estadual fazer [sic] bafômetro nele, se ele se recusar e ver que está alcoolizado com uma cerveja, ele vai preso e algemado, um pai de família, por uma cerveja”, afirmou Edson Ducci (PSD) durante uma sessão da Câmara da cidade que fazia um balanço da feira agropecuária da cidade.
A fala, mostrada em reportagem do Paraná TV 2ª edição, não parou por aí. Ducci chegou a revelar que, naquele mesmo dia, havia tomado duas cervejas e dirigiu com seu filho dentro do carro.
Irritado com a fiscalização policial, o vereador sugeriu que os colegas de Casa se unissem. “A gente tinha que se organizar, porque eu não voltei mais na feira. O que eu vou fazer: eu tomo quatro, cinco cervejas todo dia. Vou lá para levar uma multa e ser preso?”, questionou.
Em resposta, o presidente da Câmara, Edimar Gomes (PSB), disse que homens públicos não podem pedir que coisas erradas aconteçam. “A lei tem que ser cumprida por todos. Se ela diz que não se pode beber e dirigir, você não pode beber e dirigir”, acrescentou.
A Câmara Municipal de Cornélio Procópio foi procurada para comentar o caso, mas ninguém foi localizado.

Farmacêutico poderá prescrever remédios vendidos sem receita..

Farmacêutico poderá prescrever remédios vendidos sem receita..
CLÁUDIA COLLUCCI
DE SÃO PAULO

Uma nova resolução do CFF (Conselho Federal de Farmácia) autoriza os farmacêuticos a prescreverem remédios que não exijam prescrição médica, como analgésicos e antitérmicos.
A medida será publicada na próxima quarta no "Diário Oficial da União" e tem 180 dias para ser implantada.
Com a norma, eles poderão tratar o que chamam de "transtornos menores", como uma dor de cabeça ou diarreia. O cliente que chegar ao balcão da farmácia para comprar um analgésico poderá passar por uma "consulta" e receber um receituário com a assinatura e o carimbo do farmacêutico.
A prescrição, no entanto, não será obrigatória.
Outra ideia, mas que ainda depende de acordos para vigorar, é que os farmacêuticos possam renovar receitas médicas em casos de algumas doenças crônicas, como diabetes e hipertensão.
O paciente passaria pelo médico, receberia o diagnóstico e a primeira receita. A partir daí, o farmacêutico poderia orientar e assumir os cuidados do doente (medir a glicemia ou a pressão arterial) e, se tudo estiver bem, repetir a receita do médico.
A medida é polêmica e deve provocar reação das entidades médicas. "A lei do Ato Médico abriu brecha para qualquer um prescrever medicamentos. É bem complicado", reagiu Renato Azevedo Júnior, presidente do Cremesp (Conselho Regional de Medicina de São Paulo).
A lei, aprovada em junho, deixou de prever como exclusivo do médico o ato de prescrever tratamentos após os vetos feitos pela presidente Dilma Rousseff.
Para Azevedo, o diagnóstico de "qualquer doença" e os respectivos tratamentos são atribuições exclusivas do médico. "Uma simples aspirina pode matar. Pode causar reação alérgica, sangramentos. De quem será a responsabilidade legal por esse doente?"
Do farmacêutico, garante o presidente do CFF, Walter Jorge João. "Estamos tendo essa coragem de dar mais responsabilidade ao farmacêutico. Ele não é profissional só do medicamento, ele também tem que cuidar do paciente."
Segundo ele, tendo um papel mais ativo, o farmacêutico poderá reverter a cultura da automedicação do brasileiro. "O Brasil é o quinto país que mais se automedica no mundo. E isso resulta em muitos casos de intoxicação por medicamentos."
REPETIR RECEITA
Sergio Mena Barreto, presidente-executivo da Abrafarma (Associação Brasileira de Rede de Farmácias e Drogarias), discorda do argumento. "Isso é bobagem. Só 3% das intoxicações são por automedicação. Prescrever receita para medicamentos isento de prescrição é um paradoxo. São drogas seguras, de baixíssimo risco", diz.
Para ele, os farmacêuticos deveriam concentrar esforços para poder renovar o receituário médico, função que já desempenham nos EUA.
"Lá eles podem, inclusive, mudar a dosagem de um remédio prescrito pelo médico. O farmacêutico brasileiro precisa ser mais bem visto. Ele é muito desvalorizado, especialmente pelos médicos."
Em nota, o CFM (Conselho Federal de Medicina) informa que "aguardará a publicação da norma e tomará a providências cabíveis".

Greve provoca fechamento de bancos..

A greve dos bancários que se iniciou ontem em Guarapuava deve seguir por tempo indeterminado. A classe pede reposição salarial de acordo com a inflação, mais aumento real que totaliza 11,93% a mais nos vencimentos dos trabalhadores, ainda cobra dos bancos a contratação de mais funcionários e aumento do piso salarial. 
A contraproposta apresentada aos trabalhadores no início de
 setembro prevê apenas a reposição sobre a inflação acumulada em 12 meses, de 6,1%. Segundo o presidente do Sindicato dos Bancários de Guarapuava e Região, Eloi Myszka, as negociações ocorreram em agosto e após a proposta do início de setembro, não houve avanços. 
Todas as agências bancárias de Guarapuava estão fechadas. Myszka acrescentou que hoje as agências do distrito de Entre Rios e do município de Pinhão também vão aderir à paralisação. “Se até segunda-feira não houver avanço nas negociações, estenderemos a greve aos demais 21 municípios abrangidos pelo sindicato”.  
Além da reposição salarial, os trabalhadores pedem alterações no acordo coletivo de trabalho. Entre os pontos solicitados está o aumento do piso salarial e a contratação de mais colaboradores, porque, segundo Myszka, as agências têm cada vez mais clientes e menos pessoal para atendimento, gerando uma sobrecarga dos funcionários. 
O presidente também comentou que as metas exigidas pelas empresas são alvo das negociações. “Hoje temos um grande número de bancários afastados por problemas psicológicos, tamanha cobrança exigida das empresas”, completou.