terça-feira, 22 de junho de 2021

Saúde confirma 13.593 novos casos e 109 óbitos pela Covid-19 no Paraná


A Secretaria de Estado da Saúde divulgou nesta terça-feira (22) mais 13.593 casos e 109 mortes pela Covid-19 no Paraná. Os números são referentes aos meses ou semanas anteriores e não representam a notificação das últimas 24 horas.

Os dados acumulados do monitoramento da doença mostram que o Estado soma 1.224.177 casos e 29.979 óbitos.

Os casos confirmados divulgados nesta data são de janeiro (21), fevereiro (82), março (73), abril (114), maio (5.980), junho (7.298) de 2021 e dos seguintes meses de 2020: junho (2), julho (2), setembro (1), outubro (1), novembro (10) e dezembro (9).

INTERNADOS – O informe relata que 2.385 pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 estão internados. São 1.896 em leitos SUS (915 em UTIs e 981 em enfermarias) e 489 em leitos da rede particular (277 em UTIs e 212 em enfermarias).

Há outros 2.754 pacientes internados, 1.123 em leitos de UTI e 1.631 em enfermarias, que aguardam resultados de exames. Eles estão nas redes pública e particular e são considerados casos suspeitos.

MORTES – A Secretaria da Saúde informa a morte de mais 109 pacientes. São 39 mulheres e 70 homens, com idades que variam de 26 a 95 anos. Os óbitos ocorreram de 23 de fevereiro a 22 de junho de 2021.

Os pacientes que morreram residiam em Curitiba (22), Paranaguá (20), Londrina (9), Maringá (8), Piraquara (6), São José dos Pinhais (6), Apucarana (3), Ponta Grossa (3), Telêmaco Borba (3), Arapongas (2), Araucária (2), Foz do Iguaçu (2), Moreira Sales (2), Pato Branco (2) e Sarandi (2).

O informe registra ainda a morte de uma pessoa que residia em cada um dos seguintes municípios: Antonina, Cafelândia, Campo Mourão, Candói, Carlópolis, Jacarezinho, Mandaguari, Mangueirinha, Nova Aurora, Pinhais, Roncador, Santa Terezinha de Itaipu, São João do Triunfo, Tamarana, Toledo, Virmond e Wenceslau Braz,

FORA DO PARANÁ – O monitoramento registra 6.553 casos e 169 óbitos de residentes de fora do Estado.

Fitch revisa perspectiva de rating do Sicredi para Estável

Análise reflete boa avaliação em relação ao modelo de negócio e capacidade da instituição financeira cooperativa de gerar receitas, lucratividade e manter bons índices de qualidade de ativos e liquidez

A Fitch Ratings afirmou o Rating Nacional de Longo Prazo 'AA(bra)' do Banco Cooperativo Sicredi, revisando a perspectiva de Negativa para Estável. A agência de classificação de riscos, uma das principais do mundo, também afirmou o Rating Nacional de Curto Prazo da instituição financeira cooperativa em 'F1+(bra)'.

A revisão reflete a percepção dos analistas de que os impactos da pandemia do novo coronavírus foram mais baixos que os esperados nos negócios do Sicredi, principalmente nas métricas de qualidade de crédito e rentabilidade, o que confere credibilidade ao modelo de negócio e ao perfil financeiro da instituição.

“Este é um dos maiores sistemas cooperativos do país, com grande base de clientes e distribuição, apesar do tamanho moderado quando comparado com o sistema financeiro em geral. Este vínculo propicia [à instituição] recorrente escala de negócios, estável geração de receitas e elevado volume de depósitos. O Sistema Sicredi tem apresentado adequada lucratividade, bons índices de qualidade de ativos e liquidez, e baixa alavancagem”, afirmou a Fitch em seu comunicado.

Outro fator que levou a agência a divulgar uma avaliação positiva em relação ao Sicredi foi o fato de suas cooperativas operarem de acordo com estratégias, políticas e controles de riscos centralizados e padronizados por estatuto, além de contarem com sete fundos garantidores e um mecanismo de garantia solidária, que conferem solidez à operação. Também foram levados em conta o apetite moderado por riscos, ainda que a instituição tenha registrado crescimento da carteira de crédito em 2020, e sua diversificação geográfica e por setor de atividade.

O Sicredi registrou em maio de 2021 R$ 177 bilhões em ativos, R$ 117, 9 bilhões em depósitos totais e R$ 21, 7 bilhões de patrimônio líquido. A carteira de crédito da instituição financeira cooperativa é atualmente de R$ 106 bilhões e a Gestora de Recursos (Asset) do Sicredi administra mais de R$ 55 bilhões em investimentos. Além do rating AA(bra) da Fitch, conta com classificação “Forte” para a sua Asset também concedida pela agê ncia de classificação de risco. A instituição também conta com classificação das agências Moody`s (Aa2) e Santard & Poor`s (AAA).

Acesse aqui o parecer completo da Fitch Ratings.

Sobre o Sicredi

O Sicredi é uma instituição financeira cooperativa comprometida com o crescimento dos seus associados e com o desenvolvimento das regiões onde atua. O modelo de gestão do Sicredi valoriza a participação dos mais de 5 milhões de associados, os quais exercem papel de donos do negócio. Com presença nacional, o Sicredi está em 24 estados* e no Distrito Federal, com mais de 2.000 agências, e oferece mais de 300 produtos e serviços financeiros (www.sicredi.com.br).

*Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe e Tocantins.

Turvo registra mais 07 casos de Covid-19

 

Faleceu Valdir Rodrigues Couto (Graia)

Faleceu na tarde desta terça-feira (22) Valdir Rodrigues Couto, aos 56 anos, vítima de câncer.

Seu corpo está sendo velado na Capela Mortuária de Turvo.

O sepultamento será nesta quarta-feira, em horário a ser designado.

Valdir era conhecido como Graia da Cambucica.


Informou Funerária Nossa Senhora Aparecida de Turvo.

Hospital Bom Pastor contrata Técnico em Enfermagem e Auxiliar de Cozinha






 



Sanepar lança fatura digital e traz comodidade aos consumidores


A Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) lançou nesta terça-feira (22) a segunda via digital. Os clientes podem receber a segunda via da fatura de água por e-mail ou no aplicativo Sanepar Mobile.

“Com a 2ª via digital a Sanepar oferece aos clientes uma opção mais ágil e fácil para pagamento. Também evita extravio e dificuldade no recebimento da conta de água”, destaca o diretor-presidente da Sanepar, Claudio Stabile.

Neste primeiro momento, a fatura completa, em papel, continua sendo emitida no ato da leitura. A previsão é lançar a fatura completa em formato eletrônico no segundo semestre de 2021.

A solicitação deve ser feita no site da Sanepar. É necessário confirmar as informações cadastrais e ter um e-mail registrado. Pelo aplicativo Sanepar Mobile, tanto para a versão Android como iOS, é preciso baixar a atualização na loja de aplicativo.

Os clientes que têm entrega alternativa de fatura também podem aderir à segunda via digital. Para cada matrícula deve ser feito um cadastro separado. A adesão ao sistema de entrega eletrônica não tem custo para o cliente e a exclusão do serviço pode ser feita a qualquer momento.

CADASTRAMENTO – Para aderir à 2ª via digital o cliente deve acessar o site o link site.sanepar.com.br/clientes/2a-via-digital e informar o número da matrícula da fatura que deseja receber por correio eletrônico e atualizar os dados no sistema. O e-mail cadastrado neste sistema não é o mesmo dos demais serviços virtuais. São serviços distintos. No aplicativo Sanepar Mobile a segunda via está no ícone consulta de débitos.

Paraná lança Vale do Genoma, ecossistema de inovação aplicado à saúde em Guarapuava


Guarapuava é a sede de um novo ecossistema de inovação voltado à pesquisa genética e à inteligência artificial aplicadas à saúde. Batizado de Vale do Genoma, o projeto foi lançado oficialmente pelo governador Carlos Massa Ratinho Junior nesta segunda-feira (21) em evento online com parceiros da iniciativa.

O projeto tem como objetivo se tornar um polo de startups ligadas à pesquisa genômica, além de englobar também as áreas de meio ambiente e agropecuária. A iniciativa foi criada pela Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) e envolve atores da academia, iniciativa privada e sociedade civil – articulação conhecida como quádrupla hélice.

“O ativo cerebral que o Paraná possui ultrapassa 20 mil doutores e é muito importante. Mas, às vezes, ele ficava distante do setor produtivo. A pesquisa aplicada é transformadora e de forma muito dinâmica colabora para a qualidade de vida do cidadão, com o desenvolvimento social e sustentável de uma região”, disse o governador. “Nossa visão é de unir esse setor produtivo, acadêmico, empresarial e privado para que possam conversar, construir em conjunto soluções para a nossa sociedade, para o bem da nossa população”.

“Não tenho dúvidas de que o Vale do Genoma vai ser uma referência no mundo, porque ele já nasceu grande e com oportunidade de reunir muitos talentos. É um orgulho poder participar deste momento histórico do nosso Estado e da ciência brasileira”, acrescentou Ratinho Junior.

Após o lançamento do ecossistema, o objetivo da iniciativa é ampliar a prospecção de novos parceiros empresariais nas áreas correlatas, com vistas principalmente à identificação de oportunidades de negócios inovadores, contribuindo para a competitividade do setor produtivo.

ESTRUTURA – O Vale do Genoma terá como uma de suas plataformas tecnológicas o Instituto para Pesquisa do Câncer (Ipec) de Guarapuava, situado na Cidade dos Lagos, bairro planejado inteligente no município. No local, já foram construídos o Hospital Regional e o Complexo Câncer Center, além dos câmpus da Universidade Estadual do Centro-Oeste (Unicentro) e da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

As atividades do empreendimento terão foco no desenvolvimento de produtos e serviços viáveis para o mercado. Para tanto, a estrutura laboratorial vai dispor de equipamentos de última geração para o armazenamento e processamento de dados.

Para o David Livingstone Alves Figueiredo, presidente do Ipec e coordenador do curso de Medicina da Unicentro, o Vale do Genoma é algo singular, uma experiência única no País, que traz uma quádrupla hélice para construir, em esforço conjunto, um ambiente inovador.

“É uma mudança de paradigma nessa relação que envolve academia e empresas. Os campos de atuação são muito amplos: o vale vai atuar na área de alimentos, agricultura, pecuária, biotecnologia, além de uma ênfase na saúde humana. Os impactos serão visíveis nas diferentes áreas do conhecimento e no desenvolvimento econômico do Estado”, ressaltou.

O ecossistema é administrado por um conselho lançado em março, composto pelo Governo do Estado, através de um representante da Seti e um da Fundação Araucária; dois institutos de tecnologia, Ipec e Centro de Inovação no Agronegócio (Ciag); e as instituições Fundação Shunji Nishimura de Tecnologia (FSNT) e Associação Cilla Tech Park.

CONEXÃO – O grande diferencial do Vale do Genoma é a conexão da academia, por meio do Novo Arranjo de Pesquisa e Inovação do Paraná – Napi Genômica, com a iniciativa privada, na busca de soluções e inovações que impactem a qualidade de vida.

Para impulsionar o setor produtivo, o projeto contará com uma venture builder, um tipo de organização com foco no desenvolvimento de novas empresas, por meio do compartilhamento de recursos humanos e logísticos, como infraestrutura física e setores jurídico, contábil e mercadológico.

A instituição vai capitalizar, acelerar e escalonar empresas e startups de acordo com os estudos e soluções propostas pelos pesquisadores.

DESENVOLVIMENTO – Para o superintendente de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná, Aldo Nelson Bona, o mercado está cada vez mais competitivo e, por isso, a articulação de parcerias estratégicas se torna parte importante no processo de desenvolvimento econômico e social.

“Estamos articulando a organização de todos os ativos tecnológicos disponíveis no Paraná em um grande ecossistema de inovação. A ideia é incrementar um celeiro de startups e novos negócios, envolvendo o tema da genômica na saúde humana, assim como agricultura e pecuária, alavancando mais um grande motor de desenvolvimento no Estado”, ressaltou Bona.

Ele explica que as soluções inovadoras e tecnológicas serão produzidas a partir do conhecimento científico, com participação de pesquisadores e membros da comunidade universitária e acadêmica.

“É preciso assegurar oportunidades para alavancar as relações comerciais inseridas nesse ecossistema de inovação, impactando a geração de negócios entre startups e outras empresas”, reforçou o superintendente, mencionando a Rede Paranaense de Pesquisa Genômica, instituída recentemente e que já reúne mais de 270 pesquisadores.

PRESENÇAS – Participaram do encontro online o vice-governador Darci Piana; o secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara; o diretor-presidente da Invest Paraná, Eduardo Bekin; o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), deputado Ademar Traiano; o prefeito de Guarapuava, Celso Fernando Góes; o prefeito de Cascavel, Leonaldo Paranhos; o presidente da Fundação Araucária, Ramiro Wahrhaftig; o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Marco Antonio Zago; o cientista adjunto do Centro Internacional de Pesquisa (Cipe) do A.C.Camargo Cancer Center, Emmanuel Dias-Neto; os reitores das universidades estaduais do Paraná e de três universidades federais (Unila, UTFPR e IFPR); representantes do Grupo Jacto, dentre outros representantes da sociedade acadêmica, civil e empresarial voltados à inovação.

Turvo registra a 27ª morte por complicações da Covid-19


Na noite desta segunda-feira (21), Turvo registrou a 27ª morte por complicações da Covid-19.

A vítima, Edimar Sergio, de 37 anos estava internado em Guarapuava.

Edimar morava na Localidade da Saudade Santa Anita.

O sepultamento será nesta terça-feira, ás 12h00 no cemitério da Saudade.


Informou Funerária SerLuto de Turvo.
Publicidade