domingo, 2 de setembro de 2018

PM decreta luto oficial de três dias e lamenta tragédia ocorrida em Ivaiporã em que três policiais militares morreram



A Polícia Militar do Paraná está combalida diante da tragédia que acometeu a Corporação na manhã deste domingo (02/09) na cidade de Ivaiporã, Centro-Norte do Estado. A Polícia Militar lamenta profundamente a perda de seus entes queridos, e reconhece que antes de eles serem policiais militares, são filhos, maridos, pais e integrantes da sociedade e deixarão um vazio em seus companheiros e familiares. Diante do fato a Corporação decretou luto oficial de três dias.

“Oramos a Deus que conforte os corações destas famílias neste momento que é muito doloroso e triste. A PM está consternada com a perda destes irmãos de farda e com a dor dos familiares, por isso peço a proteção de Deus a todos os integrantes desta Corporação, que diariamente dedicam suas vidas em prol da comunidade, para que situações como esta não voltem a acontecer. Que Deus continue a nos iluminar nesta caminhada árdua em defesa da sociedade”, pede a Comandante-Geral da PM, coronel Audilene Rosa de Paula Dias Rocha.

O Subcomandante-Geral da PM, coronel Arildo Luis Dias, também lamenta a tragédia. “Independente das circunstâncias que envolvam os fatos que levaram às mortes destes policiais, o que dói para nós militares estaduais é a perda de irmãos de farda, principalmente em uma situação desta complexidade”, lamentou. “Este é um fato isolado e não faremos juízo de valor sobre a ocorrência, aguardaremos os devidos trâmites legais, ou seja, faremos os levantamentos necessários para saber qual foi a motivação, e como se deram os fatos que resultaram nesta tragédia que abateu nossa Corporação”, disse.

Logo após o ocorrido, a PM instaurou um Inquérito Policial Militar (IPM) que vai apurar as circunstâncias do fato, bem como a motivação, entre outras questões pertinentes. “Todos os policiais presentes no local serão ouvidos, as armas e viatura utilizadas recolhidas para perícias e outros procedimentos adotados a fim de esclarecer esta tragédia. A Polícia Científica também esteve no local para os procedimentos cabíveis”, afirmou o tenente-coronel Luiz Roberto Costa, Comandante do 2º Comando Regional de Polícia Militar (2º CRPM).

A TRAGÉDIA – As informações iniciais apontam que por volta das 7h20 o soldado Lucas Santos Araújo chegou à Companhia Independente e atirou contra uma viatura composta pelo Subtenente Luiz Antônio Abba e pelo Soldado Robson Alves Medina que sairiam do quartel. O subtenente morreu na hora e o soldado Medina, que também foi atingido, foi socorrido e encaminhado em estado grave à UTI do Hospital local.

Em seguida, também houve a morte do policial soldado Santos (autor destes disparos); no entanto está sendo apurada ainda como esta morte ocorreu. Pouco depois das 10h foi confirmada a morte do soldado Medina no hospital. “Infelizmente, apesar de todos os procedimentos e da agilidade no encaminhamento, ele não resistiu e acabou falecendo na UTI”, conta o tenente-coronel Roberto.

HISTÓRIA – O Subtenente tinha 26 anos de corporação (ingressou em 1991) e 51 anos de idade, era pastor evangélico, casado e deixa esposa e duas filhas adultas. Já o soldado Medina, ingressou na Corporação em 2016, tinha 36 anos de idade e dois de Corporação. Ele era casado, deixa esposa e duas crianças.

O soldado Santos, por sua vez, ingressou na PM em 2016, tinha dois anos de Corporação, 26 anos de idade, era casado e não tinha filhos. De acordo com informações da 6ª Companhia Independente, não possuía em seu histórico registro de transtornos psicológicos e nem de atestado médico, mas respondeu a dois procedimentos disciplinares internos recentemente.

Desde o Comando-Geral, passando pelo 2º Comando Regional da PM até o Comando da 6ª CIPM, todos estão consternados com o fato. “É lamentável ter que lidar com uma situação trágica entre irmãos de farda, algo sem precedentes, que choca toda a sociedade, mas Deus está acima de tudo. A Polícia Militar dará toda a assistência, que estiver ao alcance, às famílias dos policiais militares”, explicou. “O Comandante da 6ª CIPM está pessoalmente, com equipes policiais, acompanhando as famílias e os procedimentos”, conta o tenente-coronel Roberto.

O Comandante do 2º CRPM sintetizou o trágico evento com a mensagem do livro de Eclesiastes, no capítulo 3, que fala acerca do tempo para cada propósito, seja o tempo para nascer, o tempo para morrer, o tempo de chorar, de rir e de prantear.

Por Marcia Santos
Jornalista PMPR

Nenhum comentário:

Postar um comentário