sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Suspeita de matar menino de 6 anos diz que agiu por ódio e vingança da mãe da criança


A suspeita de matar o pequeno Izaque Furlan, de seis anos, confessou o crime à polícia na tarde desta sexta-feira (25). Segundo o delegado responsável pelo caso, Tito Livo Barrichello, Ana Gouveia, de 19 anos, alegou que cometeu o crime por ódio e vingança da mãe da criança – que teriam sido motivados por discussões banais entre as duas, como o uso da internet, por exemplo.

“Ela descarregou toda essa energia malévola que tinha contra a vizinha em um ser inocente. Em depoimento, ela admitiu o assassinato da criança e deu todos os detalhes”, comentou o delegado durante entrevista coletiva.

Izaque foi morto na casa da suspeita, na Rua do Cedro, em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba. “Ana contou que bateu várias vezes na cabeça da criança com um tijolo de concreto, até ela ficar inconsciente. Nisso, ela pegou o fio de uma enceradeira e o estrangulou. Depois, colocou o corpo em uma mala, que foi escondida no forno da residência. Ela o posicionou como se ele estivesse ajoelhado, agarrando os próprios joelhos. Era a figura de um anjo, perto do lado mais perverso do ser humano”, completou Barrichello.

A jovem, que sempre cuidou do garoto enquanto a mãe dele trabalhava como catadora de papel, negou que outra pessoa tenha participado do crime. A princípio, a polícia achou que o marido dela – que tinha passagem pela polícia pelo estupro da própria filha – poderia estar envolvido no assassinato de Izaque. “Nós acreditávamos que ele poderia ser co-autor, mas o convidamos a comparecer na delegacia e ele negou. Ela também disse que agiu sozinha”.

Estelionato

Além do homicídio, Ana também foi detida por estelionato, já que se apropriou dos documentos do Bolsa Família e de outros benefícios que a mãe de Izaque tinha, por ele apresentar uma pequena deficiência física.

“A partir daí nós já começamos a suspeitar dela e levantar os antecedentes do marido. Foi assim que chegamos à autoria do crime”, comentou o delegado.

Pai da suspeita

No local do crime, o pai da suspeita tentou pedir calma aos moradores, que se revoltaram com a situação. “Eu não tenho nem o que falar, não foi isso que ensinei para a minha filha. Eu não esperava por esse final, acho que estou sofrendo mais do que os parentes do menino. Peço que vocês compreendam que a minha família não tem nada a ver com isso. A Ana morava em outra casa, com o marido. Ela está presa… Como que eu vou responder por isso? Ela não estava na minha residência”, afirmou, bastante comovido.

Aos fundos, ouvia-se o grito dos familiares do pequeno Izaque: “Como fica a dor da nossa família? Eu quero o meu irmão, eu quero o meu irmão, ele não mereceu morrer desse jeito… Eu quero ver o menino, ele está mesmo morto? Eu não acredito”, berrava a irmã da vítima.

A jovem foi presa e encaminhada à delegacia do município, onde deve responder por estelionato e homicídio triplamente qualificado.

2 comentários:

  1. Eu como parente desta criança que foi assinada

    violentamente Desejo-lhe que está vagabunda a prodesa na prizao que matem ela lentamente do mesmo jeito que éla matou está criança estou revoltada com isso tudo que está desinibir ada fez com está criança

    ResponderExcluir
  2. Eu Célia Cristina estou muito abalada com está fatalidade que acontece com meu priminho olhada a gente vê casos por aí mais a gente nunca imaginá que isto um dia viria acontece com uma família da gente eu estou bastante abalada com isso esta mulher é um demônio e lá não é um serumano éla é o capeta porque pra ter coragem de tirá um a vida de um anjinho deste éla só pode ser o próprio demônio ela que apodresa lá na prisão porque se éla tocá de sair lá ou aqui fora ela irá paga e vai ser lentamente do mesmo jeito que ela matou o izaque meu anjinho e um recado fica a condenação dela tai na prisão ou na rua este crime banal ela vai pagar e tem que ser com a própria vida lentamente só isso eu digo

    ResponderExcluir